Cultura

Santomense Ângelo Torres no único festival de cinema celebrado em simultâneo  na Europa e na África

O ator santomense Ângelo Torres representará a comunidade  de atores negros lusófonos no Festival de Cinema Africano de Tarifa-Tânger

Madrid 16 de março de 2018. O Festival de Cinema Africano de Tarifa-Tânger (FCAT) comemora 15 anos dando a conhecer as cinematografias do continente africano em Espanha e na América Latina. Através de filmes que falam da cotidianeidade e não só de direitos humanos, o FCAT tem conseguido divulgar a riqueza e a diversidade das realidades africanas do ponto de vista dos próprios cineastas.

Os 15 anos do FCAT foram comemorados na sexta-feria pasada em Madrid, na livraria Ocho y Medio, onde foi apresentada a próxima edição, que terá lugar de 27 de abril a 5 de maio em Tarifa, cidade mais a sul da Espanha, e Tânger, ponto geográfico mais a norte de Marrocos. 14 quilómetros de Mar Mediterrâneo separam estes dois municípios, uma das rotas migratórias mais perigosas e frequentados por africanos que desde a costa marroquina esperam atingir o sonho europeu.  A diretora do festival, Mane Cisneros,destacou que o FCAT “realiza o antigo sonho de unir dois continentes através da cultura, tornando-se o único evento cinematográfico transfronteriço e transcontinental celebrado em simultâneo na Europa e na África”.

A apresentação começou com demonstrações de apoio à comunidade senegalesa em Madrid e com um apelo à calma para que seja respeitada a diversidade de Lavapiés, um bairro multicultural único na Europa. Na quinta-feira passada um cidadão senegalês faleceu de um enfarto após um acto de persecução policial que ainda deve ser investigado e esclarecido, segundo Manuela Carmena, presidenta da Câmara Municipal de Madrid.

O presidente da Câmara de Tarifa, Francisco Ruiz Giráldez, para quem a cultura é “a melhor ferramenta” para a união, participou do encontro em Madrid e destacou que “acreditar nas alianças culturais, no atrativo das fronteiras significa investir tempo e recursos”. O politico acrescentou que “quinze anos não são suficientes para mudar dinâmicas, mas são um início para atenuar as fronteiras”.

Durante a apresentação desvendou-se do cartaz oficial da edición de 2018, que este ano é protagonizado pelo ator espanhol Emilio Buale, que iniciou a sua carreira no âmbito do cinema sob a direção de Imanol Uribe no filme Bwana. A imágem deste ano reivindica a afrodescendência espanhola no cinema, nas artes cénicas e na música, num um cartaz que também simboliza os 15 anos do FCAT e a sua contribuição para a visibilização desta comunidade e do cinema africano em geral. Segundo Mane Cisneros, “O FCAT tornou-se uma escola de especialistas em cinema africano na Espanha”.

De facto, a afrodescendência será o centro de atenção da VI edição da Árvore das Palavras, o espaço de encontro e debate do FCAT, no quadro do Programa ACERCA da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID). O festival será o lugar de encontro, de conhecimento, de intercâmbio e de comunicação entre atores e artistas européus de origem africana de países como Portugal, Reino Unido, França, Espanha ou Itália. Entre os convidados, o ator santomense Ângelo Torres  explicará a situação dos atores e realizadores negros em Portugal e no Brasil.

Na Árvore das palavras debater-se-á sobre a complexidade do setor nas suas diferentes realidades e contará com a participação de artistas, e os espectáculos de poesia, teatro e afro-flamenco contemporâneo da artista Yinka Esi Graves (Reino Unido-Nigéria) serão a cereja no bolo deste espaço de reflexão.

Igualmente, o FCAT anunciou que dedicará uma retrospetiva ao cineasta marroquino Ahmed Bouanani (1938–2011) que, apesar de ter nascido em Casablanca, estudou cinema no Instituto des Hautes Études Cinématographiques (IDHEC) em Paris. Bouanani não só trabalhou como realizador, mas também como editor e roteirista para outros realizadores de Marrocos e, além disso, publicou vários livros de poesia. Esta retrospetiva foi apresentada pela primeira vez no quadro da Berlinale 2017.

A cantora Biselé, nascida nas Ilhas Canárias de origem equato-guineense e cujo nome artístico foi inspirado na etnia da mãe, encarregou-se de pôr música na apresentação do festival, num concerto acústico onde se escutaram canções com sabor internacional: jazz, flamenco e influências guineenses.

A programação completa do FCAT 2018 estará disponível no início do mês de Abril.

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo