Cultura

Buganvília quebrou o silêncio imposto pela Covid-19 no intercâmbio musical STP-Portugal

O grupo musical português Buganvília quebrou no palco da casa CACAU em São Tomé, o longo silêncio imposto aos cantores pela Covid-19, nos palcos musicais. Num concerto  João Afonso e Rogério Pires, o duo da Buganvília reanimaram o público e reactivaram o intercâmbio musical entre Portugal e São Tomé e Príncipe.

Noite de luar em São Tomé no último fim de semana ficou marcada pelo ritmo de Buganvília. Duas vozes, e duas guitarras portuguesas, que trouxeram de novo ao palco santomense, o som da música cantada em língua portuguesa.

Segundo João Afonso, Buganvília é uma iniciativa que nasceu do convívio com o seu colega Rogério Pires. «Vamos buganviliar», era segundo João Afonso a expressão que o seu colega utilizada para o convidar para os ensaios de guitarra.

«Buganvília é uma planta, trepadeira, que nasceu em África e que levamos para Portugal. Sou de Moçambique, onde nasci. Na qualidade de retornados, levamos nossas marcas identitárias para Portugal, a buganvília», explicou João Afonso.

O músico português já esteve em São Tomé no passado, onde actuou no espaço CACAU. Na altura segundo João Afonso na companhia do escritor angolano Água Lusa, criou uma composição musical dedicada ao povo de São Tomé e Príncipe. “Verde para Crer” é o nome da música que faz parte do seu último álbum “Sangue Bom”.

«Fiz uma música para São Tomé e Príncipe, que se chama “Verde para Crer”. E a canção fala deste povo magnífico que é santomense», confirmou.

A música “Verde para Crer” gerou emoção no palco da CACAU. O público pediu BIS.

Ana Maria, técnica da cooperação portuguesa em missão de serviço em São Tomé, vibrou com as músicas do grupo Buganvília.

«Achei uma sonoridade que mistura música portuguesa, com um bocadinho de música africana. Gostei muito das violas», afirmou.

João Afonso anunciou que tem um novo disco pronto e que vai ser lançado no dia 29 de Novembro. «É um disco que espero que me traga de novo a São Tomé», frisou.

Buganvília em São Tomé, foi a primeira iniciativa de intercâmbio musical promovida pela embaixada de Portugal, após a eclosão da pandemia da Covid-19 no arquipélago no ano 2020.

Rui Carmo embaixador de Portugal em São Tomé e Príncipe, destacou o momento ímpar. «Creio que tivemos uma experiência depois de muito tempo impossibilitados de juntarmos e convivermos, no âmbito das manifestações artísticas e culturais, no quadro da lusofonia…», pontuou o embaixador de Portugal.

Rui Carmo disse que o concerto da Buganvília brindou o público com manifestações musicais de diversas proveniências. «Um espectáculo que nos conforta depois de tanto tempo de ausência», concluiu.

Música de Buganvília abraçou são-tomenses, portugueses, brasileiros e outras comunidades de língua portuguesa na cidade de São Tomé.

Abel Veiga

    1 comentário

1 comentário

  1. STP é de Todo Nós

    23 de Novembro de 2021 as 18:32

    Gente de S.TOMÉ É terrível estão a chamar conjuntivite de Vila Nova.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo