Economia

Téla Nón em N´Djamena – A industrialização da África Central só será eficaz se……

No âmbito da 34ª sessão do Comité Intergovernamental de Peritos (CIP) da África-Central, estes especialistas, incluindo planejadores nacionais, experientes economistas e outros especialistas e agentes de desenvolvimento, estão reunidos na capital do Chade, Ndjamena, onde iniciaram, na terça-feira, intensos debates sobre os meios de financiamento da industrialização para um desenvolvimento sustentável na sub-região.

O CIP é o órgão de supervisão para o trabalho do Escritório Sub-Regional da África Central da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (CEA).

A sessão de Ndjamena acontece em um momento em que “a maioria das economias em nossa sub-região está seguindo os programas de ajuste estrutural por causa da queda nos preços das matérias-primas que começou em 2014, deixando apenas uma pequena margem orçamentária para os investimentos de longo prazo necessários para nossos esforços de industrialização”, disse o secretário de Estado de Economia e Planejamento do Chade, Hissein Tahir Souguimi.

A situação é desastrosa e exige atenção especial e medidas enérgicas, pois “nossos sistemas financeiros ainda estão subdesenvolvidos e incapazes de atender às necessidades de industrialização do sector privado; falta-nos recursos para nossa infra-estrutura de transporte, para o acesso à energia barata e para nosso desenvolvimento tecnológico”, acrescentou Souguimi.

Fundos inactivos – onde estão os compradores?

Com base em um estudo aprofundado realizado pela CEA, os participantes aprenderam que os activos financeiros na África-Central representam apenas 16,7% do PIB na sub-Região, bem abaixo da média da África-subsariana (57%).

Surpreendentemente, a sub-Região permite que cerca de 400 bilhões de dólares (15% do PIB da África) sejam gastos em fundos de pensão e seguridade social no continente.

No entanto, a boa notícia é que fontes de financiamento inovadoras provaram-se em outro lugar e podem ser adaptadas ao contexto da África Central, salientou o Sr. António Pedro, Chefe do Escritório da África-Central da CEA.

“Estes incluem a criação de fundos de garantia de PME bem orientados, a utilização de fundos de grandes investidores institucionais para a criação de fundos de depósito e investimento capazes de financiar projectos de alto impacto no desenvolvimento”, adicionou.

Pedro alertou, no entanto, que a mobilização de fundos para a industrialização não é apenas uma questão de buscar financiamento, isso requer investimento nos níveis macro e micro para melhorar a infra-estrutura física e não material relevante, incluindo a garantia da qualidade das estruturas legais e regulatórias e a solução de outras falhas do mercado e restrições que afectam a competitividade dos negócios.

Para melhores ecossistemas financeiros.

Em um debate de alto nível coordenado pela jornalista Marie Roger Biloa, os especialistas analisaram os problemas relacionados ao financiamento sustentável de projectos industriais na África Central.

 

Segundo a vice-presidente da Comissão da Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC), Sra. Fátima Acyl, “não devemos esperar que todas as condições sejam cumpridas antes de começarmos a trabalhar para o financiamento da industrialização os países da sub-região devem reunir seus recursos para encontrar soluções”.

O Dr. Isaac Tamba, Director-geral da Economia dos Camarões, sustentou que o governo de seu país, por exemplo, está fornecendo recursos substanciais para novas iniciativas de financiamento bancário para o processamento de café, algodão, madeira, couro e outros produtos. Ele reconheceu, no entanto, que mais precisa ser feito para adquirir equipamentos industriais mais lucrativos para distribuir a carga tributária entre várias entidades industriais.

O Dr. Rafael Nsue Tung, Assessor do Presidente da Guiné Equatorial, destacou que, devido aos recursos limitados dos bancos de desenvolvimento na sub-região, há necessidade de criar sistemas mais abertos e transparentes, porque a opinião pública tem que confiar no sistema para poder investir neles.

Ele afirmou que os empréstimos públicos devem ser relevantes e contribuir para a consecução das metas de desenvolvimento, daí a necessidade de verificar os compromissos assumidos pelos governos ao contrair empréstimos em nome dos países para fins de financiamento de industrialização.

Além disso, o Dr. Dominique Njinkeu, ex-facilitador do comércio no Banco Mundial (que agora negocia transacções em nome de um fundo de investimento privado) argumentou que há necessidade de programas de capacitação e operadores económicos, apoiá-los na procura de instrumentos financeiros indisponíveis na sub-região.

 

 

À medida que os trabalhos da 34ª sessão do CPI vão-se intensificando, os participantes continuarão a vincular a questão central do financiamento à industrialização, financiamento de infra-estrutura e aproveitamento dos recursos da sub-região para a revolução industrial da África Central.

 

Enviado especial do Tela Non, Martins dos Santos/ Escritório Sub-Regional da África Central

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo