Economia

Covid-19 revela fragilidades do Turismo e destaca o poder da Agricultura de STP

Numa altura em que a pandemia avança sobre São Tomé e Príncipe, a Covid-19  revela mais uma vez para os santomenses que a agricultura foi é e será, o berço, a retaguarda, o pilar central para dinamização ou redinamização da economia do país.

Nas últimas 48 horas, o próprio Governo de São Tomé e Príncipe foi confrontado com dois grandes factos, que revelam a agricultura como pulmão da economia, seja em momentos de Covid-19, ou em momento sem Covid-19.

Côco, ou copra que caracterizou a produção de várias empresas agrícolas, conquistou nesta semana o mercado internacional e em plena crise do coronavirus. Medalha Gourmet de Ouro em Paris-França.

«Estamos muito orgulhosos disso. Queremos continuar a encorajar a empresa Valudo, e encorajar outros santomenses a seguirem este caminho de transformação da matéria-prima. De acrescentar valor aquilo que a natureza coloca a nossa disposição», declaração do Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus.

O Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, reagiu a conquista de ouro pelo Côco nacional, na quinta-feira, durante a cerimónia de lançamento da primeira pedra para a construção da fábrica de chocolate, da Cooperativa de Exportação do Cacau Biológico, CECAB.

Uma cooperativa agrícola que durante anos destaca o nome de São Tomé e Príncipe no mercado francês e europeu, como fonte de cacau de alta qualidade.

Cacau de alta qualidade produzido no território santomense, e que garante a empresa francesa Kaoká a produção do melhor chocolate do mundo.

Agora os mais de 2 mil agricultores filiados na CECAB, vão transformar a sua produção de cacau de alta qualidade, no melhor chocolate do mundo. A fábrica que deverá iniciar as actividades dentro de 6 meses, estará localizada na roça Canavial, no distrito de Lobata. As obras são financiadas pelo Banco Africano de Desenvolvimento no valor de 340 mil euros.

« A própria fábrica da CECAB – BIO, vem neste sentido, acrescentar valor, transformar com esses produtos a vida das pessoas. Acaba também por ser um chamariz para o Turismo, é uma grande promoção para as terras de São Tomé e Príncipe», precisou Jorge Bom Jesus.

O próprio Chefe do Governo santomense , que no início do seu mandato baptizou o turismo como sendo o sector prioritário para o desenvolvimento económico e social do país, reconheceu nas últimas 48 horas, que afinal de contas o valor incalculável que a agricultura produz, e a credibilidade que a sua produção dá a São Tomé e Príncipe na arena internacional, acabam por galvanizar a economia, incluindo o actual moribundo sector do turismo.

Pois o Turismo, escolhido e acarinhado como principal alicerce para desenvolvimento económico e social, de São Tomé e Príncipe, eclipsou-se em poucas horas.

O novo coronavirus, pôs a nu as fragilidades do turismo, como principal alicerce para o desenvolvimento económico do país.

Abel Veiga

 

    6 comentários

6 comentários

  1. Paulo coelho

    26 de Junho de 2020 as 17:08

    Tenho dito… como sempre os pretos são preguiçosos! Turismo é por de novo o poder nas mãos de terceiros à espera de quando é como os turistas decidam! Isto é estupidez! Sempre sem querer trabalhar e a espera de riqueza que caia do céu! De aviões…

    Palermas!

  2. Zagaia

    26 de Junho de 2020 as 19:55

    Para a agricultura ser rentável, tem que se fazer uma nova reforma agrária. Caso contrário, ninguém vai investir na Agricultura, ok.
    Um bem haja.

  3. Tudo pior

    27 de Junho de 2020 as 13:42

    O jorge fala muito barato. O problema está no fraco desempenho dos membros do governo. Uns é só bandidagens. Outros como ministro do Trabalho não percebe nada de sector que dirige e apenas sabe criar nádegas. Só com Cristo.

  4. Como será

    28 de Junho de 2020 as 13:10

    Nao sei como os nossos dirigentes tem feito plano para desenvolver este pais. O turismo por se so nao garante o desenvolvimento sem tambem levantar o sector agricula,o turismo se o tiver uma boa estragia vai ao fundo, o petróleo tambem é um recurso inesgotável, mas agricultura, pesca e pecuária, estás sao ramos que o estado deve dar maior atenção porque, quer por investimento nacional e privado, meus senhores se voces realmente quer acabar com o desemprego no país, melhor investir na agricultura que sao RECURSOS inesgotáveis,temos mar, terra bastante fertil, e temos condicoes de desenvolver a criação de bovinos e os Brasileiros teem muita esperiencia neste ramo onde stome pode criarintercambio, comer carne de vaca em stome so para ricos, porque um kg de carne custa olho da cara,e por outra temos muitos frutos dai a importancia de criar indústrias para producao de sumos. Assim os jovens nao inclinariam para criminalidade se todos tivessem um posto de TRABALHO.

  5. Tudo pior

    29 de Junho de 2020 as 5:55

    Este governo alguma vez quis desenvolver turismo? As pessoas continuam a defecar nas praias, roubarem areia, cortarem árvores deitarem lixo em qualquer lado. O acesso às praias é péssimo. Os cães e doidos circulam na rua sobretudo os últimos totalmente nus exibindo seus sexos. As roças continuam destruídas enfim..

  6. Pascoal Carvalho

    29 de Junho de 2020 as 23:24

    como as coisas mudam.
    falar mal daquilo que é bem, não custa nada.
    fazer o bem, isso sim custa.
    de nada serve aproveitar de certos momentos, para cultivar discordância.
    primeiro foi o desinvestimento nas roças, depois veio o sonho petróleo, era o turismo, querem acreditar numa nova agricultura.
    todo bem vira mal, tanto como, todo mal vira bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo