Economia

Bloqueio de voos impede a RETOMA do Turismo em STP

A retoma do Turismo tem sido apregoada pelo Governo de Jorge Bom Jesus como sendo uma das principais acções com vista a recuperação da economia nacional.

Economia destroçada pela pandemia da Covid-19, e que segundo as recentes declarações do primeiro-ministro, teve como consequência o aumento do desemprego, e sobretudo da pobreza, que saltou de 62% em 2011para em 2021 dominar  65,3% da população de São Tomé e Príncipe (200 mil habitantes).

No entanto a mensagem do Governo no sentido da retoma do Turismo e consequentemente da reactivação do sector económico é totalmente contrária aos factos constatados pelo Téla Nón .

No último domingo, o voo da companhia área portuguesa TAP, com destino a Lisboa deixou em terra muitas bagagens dos passageiros. Ficou também em terra muita carga que o sector privado nacional pretendia exportar para os seus clientes na Europa.

Tudo porque a companhia portuguesa foi impedida de realizar 3 voos na última semana. O Téla Nón apurou que a TAP, tinha autorização do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC), para aumentar o número de voos entre São Tomé – Lisboa e vice-versa, de 1 para 3 voos semanais.

A operação aérea deveria iniciar no dia 29 de Abril quinta-feira. No sábado dia 1 de Maio estava previsto o segundo voo da semana, e o terceiro voo Lisboa-São Tomé/ São Tomé Lisboa estava marcado para domingo 2 de Maio.

Fonte do Téla Nón explicou que a triplicação de voos semanais de ligação entre São Tomé e Príncipe e Portugal, principal emissor de turistas para o arquipélago do Golfo da Guiné, deveria preencher os meses de Maio e Junho de 2021.

Com as principais capitais europeias emissoras de turistas a libertarem-se do confinamento provocado pela Covid-19, as ilhas verdes de São Tomé e Príncipe poderiam ser um dos destinos de descanso e de esperança, para visitantes em fase de recuperação pós – pandemia.

Mas, a perspectiva de retoma do Turismo foi abortada. O Téla Nón apurou que o laboratório nacional responsável pela realização de testes a Covid-19, propôs o cancelamento do reforço de voos entre Lisboa e São Tomé. A proposta do laboratório, que deitou por terra os poderes do INAC em matéria de navegação e segurança aérea ganhou força de lei, através de uma deliberação do Conselho de Ministros.

A deliberação do Conselho de Ministros, confirma o cancelamento do reforço de voos de ligação entre Lisboa e São Tomé, pela companhia TAP, e esclarece que o cancelamento foi decretado por causa, «da incapacidade técnica do laboratório de referência em dar resposta ao elevado número de solicitações para testes de PCR», refere a deliberação do Conselho de Ministros de São Tomé e Príncipe.

O leitor tem acesso a deliberação do conselho de ministros com data de 28 de Abril, e que aponta as soluções em termos de realização de testes PCR, tanto para os passageiros que ficaram retidos em Lisboa como os que ficaram em São Tomé : .

 

O mesmo governo que apregoa a retoma do Turismo como factor para a recuperação da economia posiciona-se contra o aumento do fluxo de voos para o arquipélago.

Fonte da TAP disse ao Téla Nón, que o voo do último domingo(2 de Maio) serviu para socorrer parte dos passageiros que deveriam viajar nos dias 29 de Abril e 1 de Maio.

Tendo já comercializado o pacote de viagens para Maio e Junho, e a contar com 3 voos semanais, a transportadora portuguesa está agora a fazer contas a vida. Contas para dar resposta aos passageiros que nos próximos dias deverão viajar de Lisboa para São Tomé e de São Tomé para Lisboa, agora com apenas 1 voo semanal.

Para além da portuguesa TAP, o Téla Nón sabe que a transportadora angolana TAAG também foi impedida pelo sistema nacional de saúde (Laboratório de Referência) de aumentar o fluxo de voos entre Luanda e São Tomé.

A TAAG que voa uma vez por semana entre Angola e São Tomé pretendia operar 2 vezes por semana. A proposta teve luz verde do INAC. No entanto acabou sendo chumbada pelo laboratório de referência, com apoio do Ministério da Saúde e do Governo.

Note-se que na ligação com a Europa, São Tomé e Príncipe conta com um voo semanal da companhia de bandeira nacional, a STP-Airways. A portuguesa TAP que antes da pandemia da Covid-19 operava 3 voos Lisboa- Acra -São Tomé e vice versa, foi obrigada a reduzir a frequência para apenas 1 por semana.

Abel Veiga

    11 comentários

11 comentários

  1. Vexado

    5 de Maio de 2021 as 13:16

    Estão chamando o ministro Edgar neves de incompetênte e está a bloquear o turismo?

    A verdade é que pode surgir já no país um novo laboratório para fazer o mesmo kkkkk

  2. Lucrécia

    5 de Maio de 2021 as 14:24

    Definitivamente este é um governo de malucos. Diz uma coisa faz outra.
    Depois é a falha constante de energia.
    Não vieram governar mas sim matar os são Tomenses.

  3. Martelo da Justiça

    5 de Maio de 2021 as 16:24

    Imprevisibilidades!!
    Oxalá que se resolva essa situação sanitária com a urgência que for possivel

  4. Atir

    5 de Maio de 2021 as 17:24

    Só podemos perceber que os gestores públicos não conhecem a real situação de decadência do nosso sistema de saúde.
    Não é certo dizer que o laboratório nacional responsável pela realização de testes da Covid-19 seja o responsável pelo bloqueio. O governo só fez bem em cancelar os voos, também não têm outra alternativa

  5. Sem assunto

    5 de Maio de 2021 as 17:46

    São ilusionistas e trapaceiros.
    Bandos de ocupadores de espaço. Governo de mil e uma vozes aonde todos mandam e determinam.
    A legalidade de um governo não só se vê pelo sufrágio universal por voto secreto mas também pela capacidade de execução dos seus programas, neste sentido este governo é notoriamente Ilegal.

  6. Adelina

    5 de Maio de 2021 as 19:32

    O governo não podia pedir a um parceiro para montar um novo laboratório pcr e aí aumentar capacidade de realização de testes.Há tanta gente a contar com turistas para melhorar seus negócios….
    Se o turismo não interessa e não pensaram na solução para economia do país então pergunto o que é que estão a fazer no governo? Verbo encher não é?
    So burrice.

  7. Manuel Antonio Santos

    5 de Maio de 2021 as 20:28

    Porque não fazem acordos com laboratórios particulares?

    • Martelo da Justiça

      6 de Maio de 2021 as 6:42

      Há laboratórios privados em São Tomé com a competência para fazer testes de Covid 19? Eu não sabia!!

  8. Cobra branca

    6 de Maio de 2021 as 10:22

    Mas ainda nao conhecem que ja ha testes PCR com saliva muito mais simples e rapidos???

  9. Madiba

    6 de Maio de 2021 as 12:30

    Enfim. Deus, acuda S. Tomé e Príncipe!

  10. Miguelinho

    14 de Maio de 2021 as 23:04

    Porque não se pensa em exonerar do teste os que são vacinados (2 doses) e os que tiveram COVID nos ultimos 6 meses, como estão a fazer em muitos Paises. Isto ajudaria a reduzir o numero de teste e permitir que haja mais voos e retoma do setor do turismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo