Economia

ECONOMIA – Objetivo e abrangência da obra

ECONOMIA

Fundamentos para a política

económica, crescimento e equilíbrio geral

Teoria e Constatações

Autor: Célsio Quaresma

Objetivo e abrangência da obra

Esta obra tenta explicar os principais mecanismos e raciocínios que fundamentam as políticas económicas, isto é, o objeto económico assim como as intervenções do Estado na correção dos desequilíbrios suscetíveis de afetar o processo económico em geral e, em particular, a economia nacional, tendo em conta os aspetos como a recessão, desemprego, inflação, desequilíbrio da conta corrente, impacto das políticas económicas, equilíbrio macroeconómico e globalização. É Igualmente dada uma especial atenção a gestão de políticas dos recursos minerais assim como dos recursos renováveis.

A obra começa com uma introdução à economia e ciclos económicos onde são apresentados os conceitos e mecanismos económicos fundamentais (agentes e operações económicas, comportamentos político-económico e funcionamentos dos mercados e problemas socioeconómicos). A leitura sobre a introdução à economia e ciclos económicos, facilitará uma melhor compreensão de certos raciocínios ou conceitos utilizados nos outros capítulos.

Graças a confrontação permanente de fatos (funcionamento dos mercados, políticas económicas e sociais, crescimento, conjuntura, trocas internacionais de bens e serviços e de capitais, crises financeiras, etc.) e do desenvolvimento mais recente da teoria económica, esta obra coloca à disposição dos leitores as bases essenciais de análise económica, assim como o poder explicativo sobre as teses económicas dominantes.

O autor faz uma apreciação crítica da situação atual do país e alerta para a necessidade de aplicação de medidas corretivas, sem as quais se poder-se-á verificar uma profunda degradação socioeconómica a curto prazo.

Esta obra pensada e projectada pelo Autor, Célsio Quaresma, chega em tempo oportuno, dado que vem preencher a grande lacuna que a muito se verifica na literatura económica e financeira são-tomense.

O pensamento e a prática económica têm revelado, ao longo dos anos, uma complexidade no que concerne ao alcance dos respetivos objetivos traçados pelos diferentes Governos em diferentes países. Muitas das vezes, esta complexidade não é bem entendida pelos fazedores da política económica o que os leva a optar por medidas desacertadas ao enfrentar situações de decisões/alternativas económicas.

Em termos gerais, como se sabe, a política económica analisa os mecanismos económicos tendentes a racionalizar os escassos recursos, mas, ao mesmo tempo, interioriza o comportamento sociológico nas tomadas de decisões económicas, principalmente nas sociedades pluralistas onde a satisfação de um grupo de população constitui o ascenso ou permanência ao poder político.

Neste contexto, Célsio Quaresma não se cingiu apenas às definições e explicações de mecanismos económicos, como também fez uma incursão profunda aos aspetos que têm a ver com o ciclo político-económico, ou seja, os fundamentos da política económica, mostrando os diferentes comportamentos económicos na mira de conquistas de votos e enfatizando a ligação existente entre os interesses políticos e a política económica

A medida que as sociedades vão se evoluindo, torna-se mais complexa a eficácia da política económica, havendo necessidades de pensar seriamente sobre centros de decisões descentralizados dentro do país e ou regiões levando o autor a considerar este aspeto na sua obra como uma alternativa ao crescimento e desenvolvimento económico.

A falta de compreensão sobre estes aspetos por parte de muitos decisores de políticas económicas, principalmente nos países em via de desenvolvimento, como é o caso de São Tomé e Príncipe, levou à adoção de políticas desacertadas com consequências nefastas, arrastando os mesmos a um emaranhado de problemas económicos e financeiros, aumentando, deste modo, o índice de pobreza da maioria das suas populações.

Os temas contidos na presente obra refletem os aspetos fundamentais da política económica. Iniciando pelos conceitos fundamentais, aspetos económicos de São Tomé e Príncipe, canais de políticas económicas, casos práticos investigados pelo autor sobre o desenvolvimento financeiro, economia de recursos minerais, economia dos recursos renováveis e sobre o equilíbrio geral, terminando na abordagem dos aspetos sobre a regionalização da economia, este trabalho contribui de forma muito positiva e superior, para a divulgação do conhecimento no domínio da economia e de políticas económicas, quer para os nossos estudantes universitários como para qualquer cidadão interessado nestas matérias.

Os diversos capítulos revelam uma acentuada capacidade de investigação, análise e sistematização das matérias. O elevado nível académico do autor e as suas atividades docentes no ensino superior refletem-se na forma simples de apresentação da obra, objetiva e que vai de encontro da utilidade científica, académica e política.

Sendo a segunda obra do autor e estando este comprometido com a melhoria dos conhecimentos científicos dos fenómenos económicos por parte dos são-tomenses, e não só, esta foi redigida com um espírito didático e sintético e destina-se, sobretudo, aos estudantes universitários de ciências económicas e empresariais bem como gestores públicos e privados intervenientes na vida socioeconómica nacional.

A parte introdutória e versa sobre a economia e fundamentos económicos, referenciando de forma resumida, os conceitos e ciclos económicos, a história e contornos do processo de gestão económica em São Tomé e Príncipe. É feita uma abordagem do ciclo político-económico em São Tomé e Príncipe assim como do cenário atual das políticas económicas existentes em STP.

É dada uma grande importância à análise dos problemas económicos fundamentais, mecanismos económicos assim como de certos canais de políticas económicas. A primeira parte responde à questão referente à intervenção do Estado, o que traz consigo dois tipos de questões:

  1. i) O Estado deve ou não intervir para limitar os desequilíbrios da economia nacional? ii) Quais são os objetivos das políticas económicas?

A segunda parte debruça-se sobre os setores nos quais o Estado intervém de modo a facilitar os mecanismos de equilíbrio económico tais como: setor fiscal, monetário e financeiro, comercial, recursos minerais, recursos renováveis, crescimento e estabilização.Esta segunda parte responde a três questões importantes:

  1. Como deve ser feita a intervenção do Estado em termos de instrumentos de política económica?
  2. São estes instrumentos eficazes? e
  • O Estado dispõe de estratégias para superar a aparente impotência das políticas face a certos dilemas socioeconómicos?

Pelo fato da meta, em última instância da política económica, ser o de alcançar o equilíbrio geral da economia traduzido na inter-relação funcional dos sectores de intervenção de modo a obter-se as respetivas estabilidades, a terceira parte analisa aspetos sobre a avaliação do impacto de políticas e projetos de desenvolvimento, rendimentos e equilíbrio geral da economia e os desafios para os alcançar. Em termos práticos, são apresentados alguns exemplos assim como o modelo computável de equilíbrio geral construído pelo autor desta obra para São Tomé e Príncipe considerando a reforma tributária feita no ano 2010.

Por último, porque se considera que os desafios económicos também devem ter em conta as questões de globalização, no quarto capítulo da terceira parte, faz-se uma reflexão acerca das questões relacionadas com as oportunidades geradas por um mundo sem fronteiras assim como aspetos relacionados com o regionalismo económico. A análise foi feita sobre as vantagens de um Estado-região com relação a um Estado-nação.

 

    1 comentário

1 comentário

  1. paulo

    22 de Julho de 2021 as 16:37

    O bra interessante. Meus parabens: Mas onde é que se pode comprar o livro?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo