Economia

PAM reforça capacidades do Ministério da Agricultura e Pescas na gestão de bases de dados

SÃO TOMÉ – Na tarde da passada terça-feira (23) a Representante Interina do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM), Yasmin Wakimoto,  entregou um lote de materiais informáticos, nomeadamente, computadores, laptops, tinteiros, impressora, entre outros equipamentos, no quadro do reforço das capacidades institucionais do Ministério da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural na coleta dos dados do inquérito agrícola.

Este apoio se enquadra no Plano de Assistência Técnica e Financeira (PRODOC), assinado em 2020 por PAM e MAPDR, que estabeleceu a base para a criação de um  diagnóstico de sistemas territoriais sustentáveis, um inquérito agrícola entre produtores, e o desenvolvimento de um plano de mobilização de recursos.

“Já não podemos nos queixar que não temos onde armazenar e como recolher, porque o PAM só não doou equipamentos, como ainda pôs à disposição um montante para nós começarmos a organizar essas mesmas informações”, disse Celso Garrido, diretor de planeamento do MAPDR. “Com o apoio do PAM e com o montante que temos disponível, julgamos que em todo o ano 2022 estaremos em condições de recolher informações e começar a apresentar informações estatísticas credíveis, para podermos formular políticas públicas mais credíveis.”

Yasmin Wakimoto disse, por sua vez, que “um dos grandes pilares do nosso trabalho é o apoio ao fortalecimento do pequeno agricultor no país. Esse pequeno agricultor não só fornece a comida que serve a população daqui, mas também pode fornecer ao PNASE que é o nosso outro grande parceiro. E só podemos fazer políticas públicas bem direcionadas e orientadas se nós tivermos uma base de dados sobre o país e descobrirmos quais são os principais desafios, como vivem esses agricultores, qual a produção, qual é o tipo de renda. Com esses dados já podemos nos planejar”.

O inquérito agrícola faz parte de uma série de iniciativas apoiadas pelo PAM na formulação de políticas agrícolas para o pequeno e médio produtor, visando empoderar estes a se tornarem fornecedores do Programa Nacional de Alimentação e Saúde Escolar (PNASE), que goza igualmente do apoio da agência da ONU que combate a fome e desnutrição em São Tomé e Príncipe e em todo o mundo.

Fonte : Programa Alimentar Mundial em São Tomé e Príncipe 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo