Destaques

STP –  “Falar não Pode”

A Associação dos Jornalistas de São Tomé e Príncipe (AJS), recorreu a expressão actualmente muito utilizada pelas populações “Falar não Pode”, para elucidar o estádio actual da Liberdade de Expressão e de Imprensa no país.

«É uma das últimas expressões que está na boca do povo. Também dos jornalistas, o que é ainda mais grave. A criativa constatação popular pronunciada sempre com um sorriso pode servir de barómetro para medir a liberdade de expressão e de imprensa no país», afirmou Juvenal Rodrigues, Presidente da AJS, na cerimónia do dia internacional da liberdade de imprensa, 3 de Maio.

Embaixadores acreditados em São Tomé e Príncipe, O Juiz Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Manuel Silva Gomes Cravid, o Presidente da Assembleia Nacional Manuel Diogo, e o Presidente da República Evaristo Carvalho, são figuras de destaque que marcaram presença no evento organizado pelo Conselho Superior de Imprensa.

«De facto, a descarada censura que chega ao ponto de descaracterizar completamente certas matérias produzidas por jornalistas, a ponto dos autores não reconhecerem o trabalho que deixaram feito; a autocensura, a ausência de debates e do contraditório e a exclusão acentuaram-se consideravelmente desde outubro de 2014», prosseguiu o Presidente da Associação de Jornalistas de São Tomé e Príncipe.

Uma situação complicada, perigosa, atentatória a liberdade, e que é reforçada por outros actos anti-democráticos. «Parece que o país vive num estado de exceção disfarçado, porque há comissários políticos e agentes que gravam conversas, mesmo em ambiente de convívio. Existe a perceção de que os telefones estão sob escuta. Há um clima de desconfiança generalizada, porque o amigo pode ser informante, na lógica de dividir para reinar», reforçou.

“Bufaria” no seu auge no seio dos profissionais da comunicação social e não só. Uma democracia fragilizada. «Não se pode falar verdadeiramente de um Estado de Direito Democrático neste quadro. O democrata convicto não tem medo do contraditório, não receia críticas e não alimenta a “bufaria”- passe a expressão. O pluralismo é uma das características da democracia», frisou Juvenal Rodrigues.

Perseguição, é a lei decretada contra os órgãos de comunicação social, ou profissionais, que não se vergam a vontade do Chefe.

«A perseguição tem outros contornos. Por exemplo, acabar com programas nos órgãos públicos, cujos rostos não são militantes ou simpatizantes do partido no poder. A tentativa de asfixiar economicamente os mesmos. Os militantes e simpatizantes é que têm todos os direitos e mais alguns. Existem casos em que a mesma pessoa é assistente de imprensa de vários organismos estatais, além de estarem vinculados a órgãos públicos. Regra geral, o apoio do Estado ao fomento de órgãos de imprensa privados nunca foi expressivo, num país em que o mercado é inexpressivo e o setor privado está de rastos. Mas atualmente, a situação piorou, com a retirada de publicidade de empresas em que o Estado também é acionista, naqueles títulos de imprensa fora do controlo do poder».

Pressão contra os jornalistas que não abdicam da sua liberdade, atingiu níveis invulgares e o Ministério Público, não consegue agir em tempo útil.  «Outra forma de pressão. O Sr.primeiro-ministro,Patrice Trovoada, acusou publicamente numa entrevista difundida a 11 de setembro de 2016 pela TVS e a Rádio Nacional, que jornalista independente recebeu arma de guerra da Presidência da República. A Associação dos Jornalistas solicitou logo depois ao Ministério Público com carácter urgente para investigar o facto. Manifestou-se disponível a colaborar no que fosse necessário e fê-lo. A verdade é que passados quase oito meses, o Ministério Público ainda não divulgou o aguardado relatório», denunciou a Associação dos Jornalistas.

Mais detalhes sobre a verdade dita pela AJS no dia da liberdade de imprensa, podem ser conhecidos aqui – Discurso AJS

Abel Veiga

    17 comentários

17 comentários

  1. Nós

    4 de Maio de 2017 as 13:06

    Mas vocês estão a espera que este Procurador da República que não é mais nem menos que o capanga do 1º minitro, vai apresentar relatório? Qual relatório? Aquele homem em país nenhum seria P.G.R. Aquele é um banana para não dizer outra coisa. Seria importante que aproventando esta ocasião que se tirou o presidente do S.T.J se mandasse para a rua também este senhor que não tem utilidade nenhuma para o país. Que raio de P.G.R é este senhor? Misericórdia, minha gente. Se ele tivesse um pingo de vergonha, ele mesmo pedia a sua demissão e ia plantas bananas ou fazer outra coisa qualquer.

  2. joana

    4 de Maio de 2017 as 15:22

    Sinceramente.. Se nao fosse esse jovem presidente do CSI, esse pais nao teria a democracia. Grande atividade do conselho superior de imprensa, mt gente fogo. Aquilo é k foi uma actividade, tds os participante falaram mt bem. Meus senhores vamos ajudar a juventude.

  3. kkkk

    4 de Maio de 2017 as 15:31

    Isto esta mt mal. Nao se pd falar. Lembro mt bem das eleicoes presidencial qd a maria das neves queria falar nao lhe deixaram tinha k ser o conselho a dar mais um conselho na tvs é k a senhora poderia falar. Esses gajos pa querem acabar com democracia. Lembro tb de alguns manifestante k queriam fazer manifestacao e a tvs nao deu cobertura e fez bue de bobo, tinha k ser os gajos de csi a resolver. Ate k esses mesmo manifestante fizeram uma nota para tds os jornais a agradecer conselho superior de imprensa.

  4. super

    4 de Maio de 2017 as 15:35

    Estas a falar assim pk o presidente do conselho é independente, se fosse outro gajo do MP, voce ja saberia.

  5. super

    4 de Maio de 2017 as 15:42

    Rua com os bufos. Quem tb dar valor a bufos tb é bufo e doido. Por vezes esses bufos inventam conversas e depois diz k os outros é k falaram. Essa historia de bufo e mt perigoso. Pois fica no disse k nao disse.

  6. Vexado

    4 de Maio de 2017 as 18:27

    Está comprovado que os autores do perfis falsos carolina fernande reside nas insalações do GAbinete Primeiro Ministro, como o tal Tomé Cassandra.

    O procurador geral da república, numa conferencia pública, afirmou que irá prender todos aqueles que violarem os direitos privados das pessoas.

    Neste caso, o senhor procurador geral da república vai mandar o senhor priminiro ministro pelo crime de autoria moral de difamação pública de titulares de orgão de soberania (caso do senhor silva cravid)?
    Isto sim, é um atentado a honra de uma pessoa, vir ao público dizer que outro não tem licenciatura em direito.

    Pode-se fazer a mesma pergunta, mas ao contraio: Será que o senhor primeiro ministro que acusa o outro de não ser licenciado, é licenciado? O mesmo nunca afirmou públicamente nem na sua biografia que é licenciado.

    Alguém viu ou leu um documento elaborado e escrito pelo senhor primeiro ministro? Ao menos um documento no tempo de assessoria quando o seu pai era presidente da republica.

    Este patricio trovoada é um homem baixo embora anão, vingativo e invejoso. Nem todas as pessoas devem estar sujeito as suas vontades.

    Agosinho fernandes, aacabou cedendo e agora ocupa o lugar do acacio alba bonfim.

    Afinal, todos querem mamar do estado e para tal há que confundir as pessoas com publicações de mensagens difamatorias.

  7. queria

    4 de Maio de 2017 as 18:33

    Cada pais tem o povo que merece. Entao vejamos, existem indicios de corupcao por td pais, o povo nao faz nada. Fica a espera que os outros que sao poucos é que fazem barulho por eles. E qd se faz barulho explicando que os governantes passam a vida a viajar e gastar dinheiro do povo que precisa mt. Eles nao querem saber. Quando os funcionarios pedem aumento para ajudar a administracao publica a desenvolver, faltam funcionarios respeito. Falam mal de funcionarios que ganham um milhao de dobras. Esse povo principalmente esses gajos do partido de messias sao uma vergonha.

  8. Martelo da Justiça

    4 de Maio de 2017 as 22:35

    O Primeiro-Ministro na sua resposta as criticas da AJS, lembrou-nos com muita satisfação do triste episodio de ter sido escoltado pelos 4 deputados portugueses, por ocasião do regresso do seu auto exilio em Portugal. É lamentável e reprovável essa atitude! Afinal, o que tem acontecido na comunicação social em particular e na administração publica duma maneira geral, é uma vingança a todos aqueles que direta ou indiretamente não concordam com o ponto de vista do ADI. Não é normal que em democracia, não haja nos Órgãos Públicos de Comunicação social, programas de debates livres para o desenvolvimento do necessário contraditório. Eu não consigo também entender, como é possível um Pais como São Tomé e Príncipe, com carência de quadros, desperdiça uma jornalista como Conceição Deus Lima, para mim considerada a melhor do Pais, apenas porque, provavelmente, ela não se alinha aos ditames do ADI.
    Porque que o ADI tem assim tanto medo do contraditório??
    Outro especto que considero reprovável, é o facto de haver jornalistas que praticam autocensura apenas com objetivo de defender tachos e de queimar os seus próprios colegas. Essa cultura que já existia na função publica mas que se agravou com o Governo da ADI, tem contribuído para aumentar a mediocridade e a incompetência na função publica. Todos aqueles que não dizem o que os chefitos querem ouvir, não servem e são automaticamente marginalizados. Espero bem que se acabe rapidamente com essa pratica e se comece a valorizar o trabalho honesto e honrado, o mérito e a competência, para o bem de uma Administração Publica que sirva a população e contribua para o desenvolvimento do Pais.

  9. manuel

    5 de Maio de 2017 as 8:03

    Essa é a maior verdade. Quando estamos não fazemos o contrario e quando estamos fora vemos tudo como anormal.
    Se nos países mais desenvolvidos essa pratica é corrente quanto mais o nosso.
    Tudo é a raiva quando não se está a governar.
    Essa é a maior verdade.

  10. Fokoto

    5 de Maio de 2017 as 9:28

    Patrice Trovoada não teve cobertura jornalística oficial porque, segundo a Procuradoria Geral da República, ele era um foragido da lei, e por conseguinte deveria ser detido mal pisasse o solo pátrio.

  11. seabra

    5 de Maio de 2017 as 15:14

    Olha as CARAS destes MARMANJOS… merecem umas boas estaladas.
    Corram com estes vadios do PODER. Que dêem o FORA do governo.
    Està indo tudo pelo MAR, a afundar-se em STP , por causa destes VAGABUNDOS.
    O PT que vem passar 2 dias em STP,para marcar apenas uma presença e recuperar o que é do povo para a conta dele (bancos estrangeiros),
    volta para o GABAO (terra dele) deixando o pelintra do anao Afonso Varela no mediocre comando do pais.
    GENTE, até quando? O POVO deve reagir e nao ficar à espera que meia dùzia de pessoas façam o que se deve fazer, para depois ele ( o povo)gozar e voltar a estragar com os votos BURROS que dao aos CORRUPTOS…” o povo é quem mais ordena, dentro da vila cidade…”

  12. Fernando Fernando

    5 de Maio de 2017 as 15:53

    Senhor Juvenal
    O senhor recorda quando esteve na TVS? Quando o grupo nós por cá criticou o arroz podre do sr. Delfim, o que é que o senhor fez. Não correu com os mesmos proibindo-os de apresentar programa na TVS que é uma televisão pública?
    Quantas perseguições o senhor fez os que não eram da sua ala do MLST na TVS.
    Recorda quando o seu partido esteve no poder e que na plena atividade da Assembleia um deputado do seu partido disse que o que merecia aos jornalistas que não eram da sua ala deviam ir todos para a cela durante uma semana sem comida? O que é que o senhor fez na altura.
    A sua memória é muito curta. Recorda que o deputado do seu partido na Assembleia declarou publicamente de que os cães ladram e a caravana passa?
    O que é que o senhor fez na altura
    Então, vá catar água
    Bem Haja STP
    FF

    • Martelo da Justiça

      8 de Maio de 2017 as 18:31

      Onde é que estão os elementos de “Nós por Cá” e os Indignados que faziam tanto barulho no Governo de Gabriel Costa? Hoje já não têm motivos para fazer criticas? Realmente tudo isso é só politiquice provavelmente com motivações com base em dinheiro e não tem nada a ver com a cidadania.

  13. eduardo santos

    6 de Maio de 2017 as 9:26

    Meus amigos tenho uma preposta muito simples para tudo isso criar ou aprovar lei que diz o seguinte, depois das eleições quem ganha o poder terá que entregar pasta da comunicação social a oposição.nunca vi um poder em parte nenhuma do mundo a deixar a oposição fazer da comunicação social estatal fazer a sua política,fazem sim na privada,nos jornais,rádios privados na rota e muitos outras.muitos não têm moral de falar na liberdade de imprensa porque quando trabalhou para poder fizeram coisas semelhantes ou pior.um bem haja.

    • falabarato

      6 de Maio de 2017 as 21:03

      Vocês de ADI nem Português sabem falar.
      Têm razão, enquanto nos Santomenses dizemos ” ETCETRA ” ( etc ) vocês dizem ATCETRA ( atc )

    • falabarato

      6 de Maio de 2017 as 21:04

      …PREPOSTA!
      Kikikiki

  14. Rato

    6 de Maio de 2017 as 22:27

    O primeiro ministro, ao invés de marcar a sua presença naquela cerimónia,com o seu discurso também, preferiu se refugiar no gabinete, com visitas de cortesia dos embaixadores… Depois veio com cara de pau, mandar bocas na Rádio Nacional… O povo já te apanhou bandido!!!

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo