Política

MLSTP apresentou manifesto eleitoral para tirar o país do descalabro

O maior partido da oposição, o MLSTP, apresentou ao público na última sexta – feira o seu manifesto eleitoral.

Sectores sociais como educação e saúde, despertam a atenção do MLSTP, que definiu várias medidas urgentes a serem implementadas. Jorge Bom Jesus, Presidente do MLSTP, manifestou-se seguro de que implementará tais medidas urgentes nos sectores da educação e saúde, logo após a vitória do MLSTP nas eleições legislativas de 7 de Outubro.

No sector da saúde, o candidato ao cargo de Primeiro Ministro de São Tomé e Príncipe, diz que serão eliminadas as taxas de saúde que são cobradas aos cidadãos mais desfavorecidos. No sector da educação, a subida das propinas e outras taxas que segundo Jorge Bom Jesus, estão a retirar a muitas famílias a possibilidade de dar educação aos seus filhos, serão também abolidas.

Reposição da Ordem Constitucional no Estado de Direito Democrático, é outra medida urgente do MLSTP. Segundo Jorge Bom Jesus, a separação dos poderes, será imediatamente restabelecida pelo Governo do MLSTP. «Separação efectiva dos poderes, executivo, judicial e legislativo. Isso tem que ficar bem claro», afirmou.

Habitação sobretudo para os jovens é outra medida urgente inscrita no manifesto eleitoral do MLSTP. Na cerimónia de lançamento do manifesto o partido recordou, os projectos que lançou de 2012 à 2014, com vista a promoção de habitações no país, e com financiamento garantido tanto de empresas chinesas como de investidores angolanos, mas que foram anulados pelo Governo de Patrice Trovoada.

O projecto de extensão da cidade de São Tomé é um deles assim como o projecto de investidores angolanos com vista à criação de polos de desenvolvimento em todos os distritos do país.

Mas o cavalo de batalha política do manifesto eleitoral do MLSTP, é o combate ao desemprego. O investimento privado estrangeiro, é descrito como essencial, mas também a dinamização do sector privado nacional, que nos últimos 4 anos, foi completamente esmagado, pela política de asfixia levada a cabo por Patrice Trovoada contra todos os são-tomenses que não pensam segundo a doutrina do seu ADI.

Abel Veiga

 

    2 comentários

2 comentários

  1. Adeliana Nascimento

    24 de Setembro de 2018 as 8:10

    Excelente visão. Se colocarem dirigentes visionarios, trabalhadores. STP claro sairá deste inferno que o ADI nos colocou

  2. Rapaz de reboque

    25 de Setembro de 2018 as 19:45

    Que tenha boa sorte mas nao faça promessas que depois nao as pode cumprir

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo