Política

ADI : Agostinho Fernandes não aguentou

Eleito presidente da ADI em Maio de 2019 num congresso organizado pelos militantes do partido, Agostinho Fernandes, manifestou no congresso electivo garra e determinação para mudar a história do partido ADI. Um partido criado no início da década de 90 do século XX, pelo ex-Presidente Miguel Trovoada e desde lá, mantido politicamente pela família Trovoada.

Jovem da auto – proclamada “Geração Esperança”, Agostinho Fernandes, entrou na ADI no ano 2010.  A cor azul que movimenta a ADI, agitou-se como mar revolto. A genuinidade de Agostinho Fernandes foi posta em causa.

Mesmo tendo tido a confirmação do Tribunal Constitucional como sendo Presidente Eleito e legítimo do partido ADI, Agostinho Fernandes, não aguentou a agitação provocada pela ala criadora e que se manifesta como patrona de sangue azul, da Acção Democrática Independente.

O Presidente Agostinho, que desapareceu da cena política nacional, logo após a sua eleição no congresso de Maio de 2019, e confirmado pelo Tribunal Constitucional, acabou por morrer na Praia, após ter sido castigado severa e sucessivamente  pelas vagas das ondas azuis do mar revolto.

«A direcção do ADI, eleita em congresso realizado no dia 25 de maio de 2019 vem, de forma pública e inequívoca, renunciar ao mandato recebido dos militantes para liderar o partido por um período de 3 anos», diz um comunicado emitido por Agostinho Fernandes. 

O Presidente eleito, que não conseguiu liderar o partido ADI, sublinha no seu comunicado que «devolve assim à comissão politica os poderes estatutários para se assim entender, prosseguir com a missão de preparação e realização, logo que seja oportuno de um novo congresso electivo».

Agostinho Fernandes e o seu vice-Presidente eleito em congresso, o Ekneide Santos, anunciam no comunicado que o partido vive a mais de 1 ano uma profunda crise, que tem deixado a ADI perdida no cenário político nacional.  «Propensa a perpetuar o status quo reinante de indefinição de liderança do partido. Uma situação que vem fragilizando cada vez mais a imagem politica do ADI não permitindo ao partido exprimir-se convenientemente no campo politico». pontua o comunicado subscrito por Agostinho Fernandes e o seu vice Ekneide Santos. 

Abel Veiga

    20 comentários

20 comentários

  1. Boa

    10 de Julho de 2020 as 23:25

    Agostinho estava parado de mais para continuar presidente. Ainda bem que reconheceu.

  2. Sem assunto

    11 de Julho de 2020 as 7:50

    Guerra é até o fim. Não se conta a história dos que desistem do combate. Perdeste anos e vida ao tomares está decisão. Por assim procederes o teu nome será apagado nas muralhas dos heróis, temos pena.

  3. Antonio Nilson

    11 de Julho de 2020 as 12:41

    Essa notícia parece um pouco complicada, não entendi muito bem, falta de esclarecimento e mais detalhes?

  4. Antonio Nilson

    11 de Julho de 2020 as 12:42

    Outro Assunto:

    Seria melhor atacarmos as causas e as origens dos problemas porque as consequências, os efeitos, e os sintomas dos mesmos não nos leva a mudança. Por exemplo, se investirmos muita força e energia a tentar resolver a febre, dor de cabeça, vomito, diarreia, suor, etc., e perdemos o diagnóstico da malária, o paludismo jamais será eliminado no nosso país. Temos que destruir o paludismo de uma vez por rodas. Eventualmente, as pessoas irão abrir os olhos, examinar, refletir, e tomar decisões mais inteligentes para resolvermos os problemas de São Tomé e Príncipe.

    Acusar esse ou aquela de corrupção sem nenhuma medida de prevenção, coação, e punição com impacto de substância não dá. A punição tem que lhes fazer doer!

    Qual é a origem de corrupção?

    Todos somos imperfeitos, pois não?

    O que motiva os bandidos corruptos para roubarem o povo sofredor coitado inocente?

    Uma história muito longa que vem deste a escravatura. A mentalidade danosa também vem da natureza do ser humano (Adão e Eva, se acredita na religião Católica que também não tem uma história agradável). Como ultrapassar essa mentalidade?

    Educação e informação.

    Já sabemos que a independência não foi total porque Portugal continuou e continua a dominar os países do PALOP.

    Outro sim, o Fundo Monetário Internacional, bem como o Banco Mundial são instrumentos dos opressores para nos deixar a baixo e subdesenvolvidos. Esta é outra matéria de debate separado. Dão concessão de fundos, esse mesmo dinheiro fica lá nos bancos estrangeiros, pouco e’ usado para melhoria de vida do povo. O negro e mulato parvo e gatunos tiram a porção deles e investem no estrangeiro enquanto o povo passa mal a acumular dívidas ao país/continente. Será que a raça negra e’ mesmo burra e estupida? Não acredito. Temos de eliminar com os inimigos do povo.

    Enfim, estamos muito atrasados em termos de tecnologias, ciência, economia, finança, saúde, educação, infraestruturas, instituições independentes (não partidárias, e democráticas, etc.), e muito mais. Vê como COVID-19 (Coronavirus) está a trazer muitos problemas? Deveria haver condições para defender o povo contra esses tipos de ataques desastrosos a sociedade. Aquilo atrasa o desenvolvimento economico de uma nação, sobretudo, um país pobre como o nosso.

    Finalmente, porque não atacar os tribunais e procurar outos mecanismos legais para combater a corrupção? Porque não encontrar uma forma de tirar imunidade parlamentar aos desgraçados corruptos? Nunca li em nenhuma página oficial de informação que consta o fato de existir algum político Santomense que foi processado, julgado, e condenado à prisão por roubo de coisas pública e desvios do dinheiro do povo!
    Onde está o Patrice Emery Trovoada, e muitos outros suspeitos?
    África ( o continente Africano, STP, e outros 53 estados) não devem a ninguém. Os opressores estrangeiros e um número muito pequeno de gatunos Africanos é que levaram e levam tudo. Temos de travar essa onda mal explicada ao povo. Temos de agir e não pagar nenhuma dívida e mandar fechar os corruptos na cadeia. Há muita coisa que não funciona ali. Começa-se pela origem da “maka” para mitigar os efeitos da mesma.

    • VAI TU

      11 de Julho de 2020 as 16:14

      Levaram tudo e não deixaram nada?
      Levaram; As roças, as riquezas, os hospitais, as estradas, mini-hidricas, contador, casas, a cultura, as escolas, a história?
      Levaram tudo?
      E não deixaram nada.
      Sou Santomense, e já reflecti muito, sobre o asunto.
      É verdade que eles colonos, (Pretos, Brancos ou Mulatos) levaram tudo e não deixaram nada?

    • Como será

      12 de Julho de 2020 as 21:23

      Meu caro Nilson gostei da tua exposição, mas agora como o vai por os que desviam findo do pais na.cadeia? Se ai dentro fo trebunal anda tudo em familias e amigos, me admira bastante que o procurador da Republica é jovem com alto nivel de literacia, mas a justiça funciona desordenada, sinceramente nao se entende o que se passa neste pais, faço meu apelo aos santomense em por mao na consciente e olhar para o pais com uma visa de Águia, temos uma terra linda e mal aproveitada devido a ganância, ódio malícia, assim nao vamos ao lado nenhum.

      • Antonio Nilson

        13 de Julho de 2020 as 10:57

        Sim. Cadeia. Outra forma de escolher os juízes, eleição que não custa influências do dinheiro ou envolvimentos de interesses escuros, e.g., corrupção. Plutocracia e favoritismo em STP?

        Leste a discurso do Kota Evaristo C.?

        Só li uma vez, e deveria presta mais atenção no texto, mas este parágrafo não faz muito sentido, Kota Carvalho diz:
        “O maior ganho  reside na soberania e na democracia. Somos um povo livre, gerimos o nosso destino e escolhemos os nossos dirigentes. Somos uma democracia consolidada. A alternância do Poder processa-se de forma exemplar. Isso não tem preço.”

        Primeiro, porque não existe “entendimento político nacional.” Segundo, questionou-lhe o seguinte: Como é que um país soberano e democrático não consegue “empreender as grandes reformas necessárias…”?

        Parece-me que a ganho que se refere não foi assim tão significativo para ser atribuído como algo de ganho “maior.”

        Como é que o povo consegue escolher os dirigentes não obstante ao nível de corrupção e de anarquia e indisciplina que se refere?

        Como é que “somos um povo livre, gerimos os nossos destinos” quando dependemos muito de ajuda externa, e sobretudo, dependência proveniente de um país que nos colonizou, Portugal?

        Temos que mudar o sistema político da República Democrática de São Tomé e Príncipe. Não tenho uma fórmula perfeita na mente, mas acho que deveríamos tentar adoptar um sistema exclusivamente presidencial e não ditatorial com um judiciário completamente independente do poder político e da burguesia, outras má influências. Os salários dos juízes devem aumentar de forma altamente extraordinária para evitar burla, corrupção, e tentações dos juízes em tomar medidas e fazer decisões contrárias às leis ou ferir a integridade da Constituição da República. Os juízes devem ser eleitos pelo povo, uma eleição sem influência política, sem necessidade de usar muito dinheiro para campanhas, totalmente proibida a interferência dos partidos políticos ou outras entidades quer seja individual ou coletiva nas eleições dos juízes, mas sim criar um fórum de vários (muitos) debates de acesso público para deixar transparecer a competência, a integridade, o talento, habilidade, experiência, e o objetivo fundamental do candidato a jurisprudência. Curriculum vitae bem avaliado e posto à disposição pública para os cidadãos terem acesso de ler e pesquisar. Este é um aspecto particularmente significativo neste processo porque temos que ter bons juízes e juízas honestos/as e altamente competentes conhecedores do Direito e das leis do país. E muito mais.

        Adicionalmente, promover diálogos, intercâmbio aberto e franco de ideias sobre a situação de cadeia e prisão em São Tomé e Príncipe porque a cadeia não deve ser um lugar apenas para os pobres, ou aqueles que roubam banana, porco, galinha, etc. A cadeia também deve ser um lugar onde outros violadores de lei devem ser lá fechados, seja quem quer que seja, políticos corruptos, membros do governo, Primeiro Ministro, deputados, funcionários públicos ou privados bem como cidadão comum ou estrangeiros que abusam ou violam as nossas normas legais, i.e., sexo com crianças, trazer ou importar doenças ao país, e outros crimes sérios e graves. A violência não deve ser tolerada.

        Só com cadeia é que se poderá retomar a ordem, disciplina, unidade, trabalho, etc. Temos de promover punição e cadeia apropriada para combater algumas malezas na nossa sociedade. Isso se consegue com um entendimento a nível nacional e também da diáspora sobre a importância de cadeia.

        É difícil fazer todo o povo seguir uma ideia ou convence-lo a seguir uma direção para o país. Existem duas facetas em termos de diversidade de ideias, pode dar certo ou pode sair muito mal. São Tomé e Príncipe tem um problema que vem da origem deste país, mentalidade tribalista e outros complexos de natureza arcaica atrasada de pensamento e atitudes”, ficar mais agravado quando muitos quadros Santomenses (sobretudo os estudantes de cursos superiores ou técnicos) que estudaram ou viveram nos países estrangeiros, uns com dos países Ocidentais, e outros com influências profundas endoutrinado nos países Socialistas ou Comunistas. Existem defeitos em todos os sistemas políticos. Democracia hoje em dia, parece comédia. O Capitalismo, comunismo, socialismo é tudo uma merda.

        Existe uma diferença muito grande entre um estudante que estudou Direito na ex-União Soviética, Cuba, ou China, e outro estudante que estou Direito nos Estados Unidos de América, Inglaterra, França, Portugal, Brasil, etc. Diferenças no estilo de vida, diferença de ideologias, entendimento sobre a democracia, liberdade, direito civil, privatização, desenvolvimento tecnológico, meios de produção, governação e administração da coisa pública e privada, interpretação dos direitos humanos, criação de empregos sobretudo para os jovens, formação e treino, desenvolvimento, etc. Como encontrar uma via de consolidação para adoptar um posição de entendimento abrangente?

        A única forma de começar a meter São Tomé e Príncipe na linha, temos de começar a punir as pessoas, digo e friso—fazer doer bem forte quando violam a nossa sociedade e abusam o nosso povo promovendo anarquia e indisciplina.

        Deve-se começar com a Lei e a Ordem Social!

        Depois continuar com o desenvolvimento noutras áreas e os outros setores: Saúde, Educação, Turismo, Infraestruturas, Construção, Agricultura, e outros. Não sei sobre o estado de defesa e segurança no país porque não foi bem considerado neste discurso na data da independência de STP. Quanto em termos de valor numérico entrou ao cofre do estado Santomense desde que este governo atual começou a gerir o país?

        Não se fala em detalhes sobre os “items, one by one” relativamente ao orçamento geral do estado?

        Como é possível um indivíduo roubar milhões de dólares num país tão pobre como São Tomé e Príncipe, e fazer-se de conta que nada aconteceu? Os que roubaram e os que continuam a roubar o país mantendo a pobreza e o sofrimento do povo, os ladroes devem ser apanhados, devolver o que roubaram (pelo menos o que poderem recuperar deve ser devolvido ao cofre do Estado Santomense). Eu acredito em dar borrachas, só com chicote é que algumas pessoas aprendem. Deixo claríssimo que sem cadeia para todos não vai dar, cadeia tem que ser a destinação dos bandidos, ricos ou pobres, governantes ou membros da elite ou menino da rua—-toda gente que falha deve comer, comer e bem, para lhes fazer chorar de dor porque o povo coitado Santomense está chorando de dor por mais de 45 anos, em parte por causa dos corruptos gatunos e má gestão, falta generalizada de ordem e disciplina.

        A Cadeia é um lugar onde devemos considerar como um recurso indesejável e também com o primeiro rumo à ordem e disciplina na nossa sociedade. Porque não promover um diálogo aberto e civilizado sobre o papel e o uso de cadeias em São Tomé e Príncipe? Sem um mecanismo de prevenção ao crime e falta de instituições sérias, aquilo não vai dar, ou levará muito tempo para conseguimos o “ganho” que o Sr. Pres. Evaristo do Espírito Santo Carvalho faz referência no seu discurso alusivo aos 45 anos de São Tomé e Príncipe.

        • Como será

          14 de Julho de 2020 as 7:56

          Bonita intervenção, nas ultimas decadas s.tome ficou um pais desgovernado, a lei deixou de fazer valer o seu poder, todo estado de direito organizado tem a justiça constituida por leis criadas para todo cidadão nacional, nao importa o crime cometido, o cidadao deve ir a barra dos trebunais e ouvir a sua sentença e cimprir, embora eu nao ser da área, mais qualquer cidadao lucido sabe que as coisas funcionan assim, contudo nao se entemde como um arquipélago grão de areia no planeta apresenta tamanha desordem no aparelho do estado, politicos desviam milhoes de dolar deixa o pais no abismo, e nao nada lhe acontece? Anda por ai solto ainda zomba com um povo coitado mergulhado numa pobreza EXTREMA estampada no rosto, meus senhores nos temos no país o problema de envelhecimento precosse devido a pobreza que cada dia agrava, e estamos a ver politicos a ficarem ricos? Sem nenhum escrupulo, e cada um tira a sua parte, e sempre estamos a retroceder? Os politicos devem deixar de ser como Cabrito, um animal que limpa tudo que é Folha nao lhe passa a frente é logo devorado ate as raízes ele come, e os senhores da lei so olham e ninguem e chamado a razão, porque sera? Andam desviar juntos verbas do pais, sao todos amigos do copo, dos almocos, cometem prostituição juntos, andam nos curandeiro juntos para ficar livres, mais quero aqui deixar um comselho aos nossos dirigentes, Amam mais a terra que vos nascer onde o vosso umbigo esta emterrado, o filho que maltrata a sua mae se torna maldito, e voces sao Malditos, Deus vai dar justica a cada um de vocês, agora ja nao se pode fazer critica da situação do pais, ja la estão a vir com frase de hipocresia dizendo que as pessoas sao inimigo do Povo, enquanto que voces sao LOBOS inimigos desfarcados de OVELHAS.Cadeia nao foi criado para mosquitos e ratos, mais sim para homem criminoso, todo aquele cidadao que desviar seja qual bem publico deve ser punido e sua exoneração em seguida. stome tornou um pais Vergonhoso de se ver. Ministra Elsa Pinto comete um erro tao barabaro e ainda continua no poder ainda faz enauguracoes tipo nada, tudo indica que ela nao agiu sozinha, estão todos metedido nesta pouca VERGONHA.

  5. Andorinha

    11 de Julho de 2020 as 13:51

    Ele apercebeu que estava a servir de moleta do MLSTP e desta coligação e pulou fora .
    Era estranho os camaradas e os seus tribunais estar a escolher a impor o Agostinho como Presidente só para livrarem do Patrice Trovoada o Agostinho apercebeu-se disto.

    • Como será

      12 de Julho de 2020 as 21:31

      Mas que praga vem a ser esta, o pais nao pode funcionar como herança dima determinada familia, alhias o pais nao pode estar nas duma unica familia, sai pai trovoada e entra o filho depois primos, sobrinhos, daqui a pouco vai aparecer tambem os Tretaavôs dos Trovoadas para candedatar para presidente do partido. Ha paciência para ver estas Hipocrisias. Sao as unicas pessoa lucidas no meio dos santomenses?

      • Antonio Nilson

        13 de Julho de 2020 as 11:31

        Uma solução seria procurar criar riqueza para o país, diversificar os meios de produção, investir e dar créditos para investimento em novas ideias, o setor privado é imprescindível. Trabalho de estado não deve ser só para sobreviver, deve ser um setor estável e fundamental para manter um estado e governo saudável. Pessoas que se dedicam ao setor público deve ter estima ao país sem intenção que querer ser rico de uma dia para noite, ou com mudanças de partidos políticos no poder. STP está realmente desorganizado

        Existem outras razões pelas quais vê-se membros da mesma família a reinar em tudo. Uma delas: É mais fácil roubar o povo sem sofrer o mínimo de consequências porque tudo fica na família, toda gente come em coletivo? Não sei.

        Aquilo foi, e também continua a ser uma armadilha bem arquitetada do Ocidente contra os interesses d’Africa. Aceitam os filhos e as filhas dos dirigentes Africanos, outros da elite nas universidades Ocidentais, até dão bolsas de estudos. A contrapartida é usar os tais chamados estudantes quadro formados como os agentes puppets do Ocidente, é por isso que o círculo vicioso não quebra. Vagamente dizer que o filho, filha, prima de determinadas famílias não é suficiente, temos que analisar a situação de uma forma mais abrangente. Por isso faço apelo para nos estudarmos profundamente as origens dos problemas.

        Imagine se o sector private e investimento financeiro ultrapassar os lucros e os rendimentos daquilo que ganham ou roubam ocupando vários setores públicos, o chamado trabalho do estado? Os filhos e as filhas e familiares teriam outro rumo no setor privado com um rendimento de 5000 – 10000 Euros mensais do que trabalhar no tribunal e roubar 500 Euros para fazer vida.

        Conclusão, ter membros de família ocupar certas posições pode criar aparência de corrupção e conflitos de interesses. Mas, se forem honestos e competentes nas áreas de trabalho, eu não vejo ser um problema que não podemos ser razoável para entender e fazer comparação entre o proveito ou o benefício de ter famílias num setor vis-a-vis os danos ou algo negativo que pode ocorrer em função desta dinâmica.

        Este fenômeno não só acontece em São Tomé e Príncipe, em particular, ou no continente Africano em particular. Existem casos similares de membros de famílias a reinar governação em muitos países sobretudo na América Latina e alguns países Asiáticos.

        P.S. I am first to admit that I am not always right, I am humble enough to accept and recognize my shortcomings. Learning from the past to improving in the future seems reasonable and likely an effective and efficient approach to follow.

  6. deidato carlos

    12 de Julho de 2020 as 19:35

    Nao a conseguir entender nada. Melhor é deixar ADI com vida dele e prnsar num outro caminho.
    Patrice manda buscar viaturas roupas calçados dele e mulher…até roupas velhas.Mandou vender todos os animais por Bala e entregar os restantes.
    De repente aparece Agostinho Fernandes a dizer que afasta de presidente do partido.
    Que passa ?

  7. Vanplega

    13 de Julho de 2020 as 3:31

    E honesto demais.

    Pinta Cabra e os seus capangas, nao gostam da honestidades.

  8. Pascoal Carvalho

    13 de Julho de 2020 as 12:14

    Que pena 😥
    Caso este afastamento venha a confirmar, perde-se assim uma mais valia político académico do país.
    Embora quito demais, era ao meu ver um líder capaz, inteligente, visionário e possívelmente consensual.
    (Na política vence a vista grossa, sempre🤗)

  9. Inconformado

    13 de Julho de 2020 as 21:18

    O que Agostinho esqueceu é que o ADI é um partido privado

  10. SANTOMÉ CU PLIXIMPE

    14 de Julho de 2020 as 9:23

    P.S. I am first to admit that I am not always right, I am humble enough to accept and recognize my shortcomings. Learning from the past to improving in the future seems reasonable and likely an effective and efficient approach to follow. Antonio Nilson,, DEIXA DE SER “I D T”

    • deidato carlos

      14 de Julho de 2020 as 21:17

      Flá ‘un lúngua nón.

    • Antonio Vaz

      16 de Julho de 2020 as 11:08

      O idiota é mesmo a pessoa que se identifica como “ SANTOMÉ CU PLIXIMPE.”
      É este o seu verdadeiro nome? Com certeza que não. As pessoas que se escondem com anonimatos representam a cobardia que existe na geração de falta de coragem e em casos, preguiçosos, caluniadores, invejosos, corruptos, e de mentalidade atrasada. Como é que São Tomé e Príncipe poderá crescer com uma camada de população desinteressada em mudar para fazer melhor?

      Educou-te, SANTOMÉ CU PLIXIMPE, com o seguinte:
      Quando quiseres criticar ou mesmo acusar ou insultar a alguém, seria mais prudente tirar a máscara na cara e identificar-te. Ninguém é 100% perfeito ou absolutamente sem defeitos, inclusive tu. Faço apelo para se evitar de fazer ataques pessoais, mas sim, atacar as ideias, contrariar as opiniões, concordar e descordar, e sobretudo dar apoios, reforçar ou ajudar aos outros a corrigir os defeitos, sem malícia ou presunção de ser Deus todo perfeito que não es porque ninguém é. O que podemos fazer é dar as mãos mesmo com diferenças de opniões ou conceitos diferentes devido a diversificação de experiências de vida, etc. Criticismo deve ser positivo para atingir o nível intelectual de entendimento e ajudar a todos no fórum com o objetivo de promover entendimento e abrir oportunidades para se aprender uns com os outros, algo de bom, desenvolver as ideias, e contribuir de forma positiva para ver se conseguimos tirar São Tomé e Príncipe do rumo em que está, para um outro melhor. Fazer ataques com insultos e ignorância da tua parte não dá. Normalmente, eu não dou atenção a coisas mesquinhas como o comentário que fez relativamente ao Antônio Nilson. Mas, como compatriota que sou, gostaria de chamar atenção aos dois para não se perder o foco central que todos nós almejamos que é, a melhoria para o país e melhoria de vida para o povo Santomense.

      Simplesmente, diz quem é (nome verdadeiro) para demonstrar que realmente tem mérito de receber alguma resposta no futuro. Eu sou uma pessoa muito tolerante. Descordar concordo, desrespeitar de forma sem mérito não nenhum valor nem tão pouco algum lugar intelectual para ocupar.

  11. Antonio Nilson

    16 de Julho de 2020 as 13:21

    Nos temos de começar a mudar de atitudes ou os comportamentos do passado que não nos levou a algum progresso na nossa sociedade. Por exemplo, se alguém tem uma ideia melhor do que a nossa, temos de ser humildes para aprender e conceder, aos invés de rebaixar. Essa tendência de se sentir inferior ou não ter melhor alternativas para solução disto ou daquilo, não devemos perder a concentração no objetivo final que é ideal e beneficial a nossa sociedade. Clarificação: Se um indivíduo é proveniente da zona Sul de São Tomé, e essa pessoa tem uma ideia ou invenção de categoria com expectativas de desenvolvimento, não devemos rebaixar aquele pessoa, chamar de Angolar, insultar com nome Ngola, etc. Se alguém no Distrito de Água Grande, capital do país, ter um bom potencial de ser alguém no futuro com capacidade intelectual de fazer grandes coisas de proveito para São Tomé e Príncipe, e ser uma pessoa digna de respeito e honesta, se essa pessoa ser de origem do Príncipe, ou de Guadalupe, mulata, ou mestiço, pobre ou rico, não importa. O importante é o caráter daquela pessoa e sobretudo a vontade que tem para dar contribuição positiva ao país e melhoria de vido do povo de São Tomé e também o povo do Príncipe.
    Esse preconceito de dizer, ele é muito escuro, ele é mulato por isso não dá, ou ele é Monci, ngue Plinxipe, ou ele tem nariz grande, ela é feia, ele ou ela está gordo/a, vê cabelo dela, credo. Xe, na Sá ngue daí fa, sa Cobovede, kequa! Assim não dá minha gente!
    Temos de mudar de atitude e crescer intelectualmente de mãos e mentes abertas pata explorarmos outro rumo, e consequentemente dar oportunidades a todos, pessoas da Trindade, Quadalupe, Caue, Pague, diáspora, filhas ou filhos de Santomenses que fizeram famílias com outras raças, quer interior ou exterior—-temos obrigação moral de dar bons exemplos a nova geração porque São Tomé e Príncipe precisa de apoio de nos todos para poder levantar e tirar o país do marasmo e reduziria sofrimentos o povo Santomense que sofre por muito tempo.
    Eu, pessoalmente, não vejo nenhum benefício em participar no fórum, mesmo a contribuir direta ou indiretamente. Mas, como Africano, o meu DNA vem de uma origem muito diferente da dos Europeus. Os interesses dos Europeus são contrários aos dos nossos, Africanos.
    A realidade está a ser divulgada. Cada país tem seu interesse. Por exemplo, a Espanha tem o controle quase total d’America Latina ou do Sul porquê? Porque os nativos ou os índios não conseguiram unir-se e não usaram estratégias de guerrilha de forma coletiva com diversidade de ideias e opiniões para criarem grupos bem treinados e perigosos de coragem como os dos verdadeiros Africanos combatentes das guerrilhas.
    Em resumo, de uma forma em geral, o que divide um povo é falta de boa liderança, falta do espírito de amor para com a nação, lavagem de mentes de pessoas com alma e mentalidade fraca, falta de educação e informação sobre a realidade.
    A realidade em STP, é que os Cabo-verdianos, os Angolanos, os mulatos/mestiços, e poucos outros, lutaram contra a escravatura, muitos mulatos (sem intenção de ofender a ninguém) souberam, sabem, e irão saber que as mães deles eram negras de cor escura, algumas feias com nariz grande, mas os pulas violaram- nas sexualmente e engravidaram sem autorização das mesmas, abusaram das mães dessa gente, e agora como é que podemos marginalizar as pessoas por falta de educação ou informação sobre a realidade da História que realmente aconteceu?

    No final das contas, somos todos Santomenses, pobres, e subdesenvolvidos em qualquer parte do mundo onde nos encontramos. Eu acredito profundamente que é ofensivo chamar ou designar as pessoas com nomes, todos temos algo de bom e algo de mal nas nossas vidas, todos temos algo de bom, positivo, e algo negativo. O melhor seria ajudar uns aos outros procurar algo de bom e positivo de toda gente para contribuir para dar avanço ao país. É sou confidente que existem áreas de entendimento entre os São-tomenses. Porque não começar por ali? Algo em que nos concordamos sem ofender, como reparação das estradas, a situação do paludismo, etc.
    Não devemos correr o risco de criar confusões, desentendimentos, e inimizades ao chamar nomes as pessoas, sobretudo quando o mérito não existe.

    Quem fica feliz em saber que mais lhes dão valor apesar do sacrifício? Chamar aquele de Cavede, Ngola, Tonga, liche glandji, pleto ló ló, mulato donoxado, camponês, pescado, poble, ngue lico, ngue Santome so da matxi, enfim..,

    Se pudesse explicar melhor. A ideia é seguinte: união e valorizar boas ideias e boas iniciativas, e não fazer ataques pessoais porque temos inveja, ou porque perdemos o debate, ou porque nos sentimos de qualquer forma não confortável. A realidade é que só com a união entre nós é seremos fortes, a não fracos como os índios-Os índios perderam bis Estados Unidos, na Nova Zelândia, na Austrália, no México, no Brasil, etc. Mas, os Africanos embora a escravidão, os Africanos que venderam os seus próprios irmãos aos pulas, os Africanos negros (pretos e mulatos) lutaram contra os colonos de forma incessante. Até a independência, não houve acordo de se manterem escravos de forma permanente.

    África é um continente muito complexo. São Tomé e Príncipe é como uma migalha de um grão de areia em comparação. África do leste, norte, ocidental, central tiveram outra via na luta pela independência. No sul, África do Sul, foi colonizada mesmo depois de muitos países Africanos receberam independência.

    Porquê que a independência não foi total? Uma razão é a mentalidade de alguns Africanos e falta de união. Nenhum continente do mundo tem interesse com a raça Africana (negros e mulatos). Os pulas são amigos fingidos e sempre existirá motivos escondidos por detrás quando r eles se associam conosco. Existem muitos países no mundo que só querem usar e abusar d’Africa, tirar de lá riquezas, minerais, etc., usar e abusar das nossas crianças e mulheres Africanas, e enganar e explorar os negros. O homem Africano não é amado pelos os Europeus de forma natural. Não. Nos temos tendência de confiar bastante e estamos de olhos tapados a realidade.

    O nosso continente deveria ser um dos melhores no mundo, com tanta riqueza, tantos crânios com excelente potencial a ser usado no Ocidente, e continuam muitos mergulhados na humilhação (Nigéria, por exemplo, teve muita gente bem formada a trabalhar no Ocidente, agora não são muito valorizados, em parte devido o comportamento e falta de auto estima e cooperação ou ajuda entre eles e entre eles e os outrosAfricanos), pobreza, (no Ocidente, mostram crianças Africanas na televisão com barriga grande, pé finfin, cabeça grande com moscas a volta num sofrimento lastimoso) corrupção (usam imagens negativas de pobreza d’Africa. e as ONGs do Ocidente nem sequer fazem lembrar que existem muitos Africanos com bilhões de Euros nos bancos controlados pelos os Ocidentais), subdesenvolvimento (Ocidente deu independência política aos bumbos, mas manteve sempre o controle econômico e financeiro d’Africa), não obstante aos Assassinatos dos nossos líderes (dos melhores), as guerras civis, o HIV/SIDA, forçaram a democracia numa altura inadequado, sem preparação, forçaram os Africanos a se desentenderem uns contra os outros, política de divisão e ignorância sobre o que se passa no contexto geopolítico internacional, encorajamento a corrupção e distribuição de coisa pública, o NEPOTISMO, anarquia, doenças, analfabetismo, dívidas, mortalidade infantil e falta de saúde estrutural adequada, desempenho, e continua sempre atrás, etc.

    Está observação não é científica nem tão pouco completamente elaborado. É apenas um alerta para nos prestarmos mais atenção ao nosso alvo. Temos que transformar em homens e melhores da nossa convicção sem nos sentirmos de baixo ou superior a outras raças. Neste momento, com a revelação do COVID-19 (vírus corona), e o problema que existe entre a China e o Ocidente, sobretudo a China vis-a-vis Estados Unidos de América, muita realidade está a ser transparecida sobretudo com a liderança do Donald Donald que tem um exército muito sofisticado e muito perigoso com armas nucleares. A situação d’Africa neste momento é de lastimar. África tem pessoas muito mais competentes do que muitos daqueles na liderança do mundo. Nos também temos os nossos defeitos e dificuldades.

    A minha intenção com esta exposição (que não verifiquei os erros ortográficos ou fazer correções para por sintonia e lógica porque estou um bocado atarefado) este conteúdo e contexto, perdão por ser tão extensivo, é para relembrar as pessoas para se manterem firmes e atentos com o que se está passando em São Tomé e Príncipe, e em África. Nos temos que mudar de ritmo, começar a analisar (literalmente ver) dentro de nós, ir profundamente dentro das nossas consciências, nossas realidades, refletir sobre a nossa independência, debater intelectualmente sobre o significado da autonomia, liberdade, independência, etc. Avaliar o nível de sucesso, felicidade, paz, progresso a todos os níveis, a união cultural, e muito mais, e deixar de lançar “flechas” ou insultar. Ninguém é Deus como diz o Antonio Vaz. Ninguém sabe de tudo e conhecedor de toda a sabedoria e conhecimentos. Se alguém fosse assim tão ilustre e tão “peito grande como o galo e que sabe de tudo, porque não dá uma resposta automática para neutralizar o Coronavírus e resolver todos os problemas dele e melhor o país e trazer felicidade ao nosso povo Santomense que está a passar mal por muito tempo. A resposta ou a alternativas de soluções aos problemas de STP reside em nos, unidos! Cada um da a contribuição que puder, e não chamar nomes ou desprezar porque esse ou aquele é de Conceição, ser superior do que o outro que é de Santana ou outros lugares fora da capital ou sobretudo devido a diferenças sócio-econômica ou de cor da pele clara ou escura, ou elite, formado ou não formado (no exterior ou interior), de origem Cabo-verdiana ou Angolana, etc., como acima descrevi.
    Nos temos de começar a valorizar com pode ser bom e beneficial para o país, identificar o que não serviu para oferecer melhores alternativas.

  12. Ôssobô

    20 de Julho de 2020 as 13:08

    Muita pena!
    O jovem não aguentou o salabanco.
    Assim sendo, convém aguardar pelas proximas oportunidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo