Política

Marrocos financia viagens e estadia no exterior para autoridades de STP  

O compromisso assumido pelo Reino de Marrocos de financiar viagens e estadia dos membros das delegações governamentais de São Tomé e Príncipe no exterior do país, faz parte da concertação político-diplomática definida pelos dois países.

Garantia dada pela ministra dos negócios estrangeiros e cooperação Elsa Pinto(na foto). «Sempre que há eventos internacionais, Marrocos está disposto a financiar as delegações que vão para estes eventos internacionais…», assegurou a ministra.

No entanto, nada é dado gratuitamente nos dias de hoje. Marrocos financia as viagens e estadia dos dirigentes nacionais no estrangeiro, e São Tomé e Príncipe paga com voto, a favor das causas do Reino de Marrocos na arena internacional.

«Também nos posicionamos para apoiar Marrocos nas suas candidaturas a postos nos organismos internacionais», garantiu a ministra Elsa Pinto.

No fundo neste momento da Covid-19, torna-se muito importante que uma mão lave outra, para as duas ficarem limpas, sem riscos de contágios.

São Tomé e Príncipe, através da sua ministra dos negócios estrangeiros Elsa Pinto, considera que a Covid-19, provocou um arrefecimento na execução das acções de cooperação com Marrocos. Por isso Elsa Pinto, retomou os contactos com a Agência marroquina de cooperação, através de vídeo-conferência.

Na conferência à distância, a chefe da diplomacia santomense redefiniu com os representantes do Governo marroquino, as novas acções a serem desenvolvidas nos próximos tempos.

Elsa Pinto, é considerada como a principal Pivot, da dinamização das relações entre São Tomé e Príncipe e Marrocos.

Em um ano conseguiu abrir a primeira embaixada de São Tomé e Príncipe, em Rabat. No mesmo espaço de tempo, inaugurou o primeiro consulado geral do arquipélago em Marrocos, mais concretamente em Laayoune. Recentemente Elsa Pinto, desencadeou um processo para nomear um cônsul de São Tomé e Príncipe, na cidade marroquina de Marraquexe, mas o processo foi suspenso pelo Conselho de Ministros.

Na reunião técnica via vídeo-conferência a ministra analisou com a agência de cooperação de Marrocos, os projectos desenvolvidos nas áreas da agricultura, pescas, educação, turismo, saúde e também no âmbito da concertação político – diplomática.

No sector da educação a acção de cooperação a ser redinamizada, tem a ver com bolsas de Estudo. Segundo a Ministra, Marrocos concedeu a São Tomé e Príncipe mais 80 bolsas de estudos para este ano 2020.

«Marrocos aumentou o número de ofertas de bolsas ao Estado santomense. 80 bolsas de estudo para este ano. É preciso saber como é que os nossos filhos e filhas vão ser enquadrados neste cenário de pandemia que atinge também o Marrocos.. Quanto é que o Estado santomense vai gastar se mandar mais 80 estudantes para Marrocos? Tudo isso foi discutido aqui. Eles deu-nos as pistas e nós agora vamos fazer o trabalho de casa, e escolher as opções que Marrocos oferece», detalhou Elsa Pinto.

No sector da saúde, a ministra dos negócios estrangeiros, anunciou acções imediatas de Marrocos para fortalecer o sistema nacional de saúde, na luta contra a pandemia. « Marrocos dispõe neste momento de um valor que vai enviar, e também de um pacote de medicamentos que vai enviar para São Tomé e Príncipe. Isso para além da ajuda humanitária que já foi solicitada ao Rei Muhamed VI», frisou a ministra.

Elsa Pinto disse a imprensa nacional que as acções de cooperação do Reino de Marrocos, atingem também o sector do desporto. O campo de futebol do bairro do riboque, que está a ser reabilitado com relvado sintético, é obra financiada pelo governo marroquino.

Na reunião técnica Elsa Pinto discutiu com os representantes do Reino de Marrocos, as modalidades de utilização de 1 milhão de dólares que é colocado anualmente a disposição do governo santomense.

Segundo a Ministra as autoridades marroquinas queriam saber quais as necessidades de São Tomé e Príncipe para depois desbloquearem a verba. O Governo santomense não concorda com esta modalidade. O executivo de Jorge Bom Jesus, quer que o dinheiro entre nos cofres do Estado, e caberá aos governantes nacionais decidirem como gastar, o valor de  1 milhão de dólares.

Abel Veiga

    17 comentários

17 comentários

  1. Como será

    26 de Agosto de 2020 as 20:07

    O pais realmente nós precisamos deste tipo de cooperação, que traz ganhos para o pais, mais a senhora ministra fala em bolsas de estudos em varias areas de saber, portanto é bom que o governo cria politicas de enquadramentos destes jovens apos a sua formação, nao se repitir o que nos temos assistidos no pais, dos jovens recem formados chega ao pais, e nao sao achados nem tidos, ficam dispersos, sem rumo, nao sao valorizados, muito triste….e depois reclamam que nao temos quadros.

  2. Joni de cá

    26 de Agosto de 2020 as 20:38

    Vergonha de país pede até para viagens.

    Só falta pedir esmola para pagar as quotas às instituições internacionais.

    Enfim Stp no seu melhor

  3. Ana

    26 de Agosto de 2020 as 21:26

    E como fica o assunto de 100 euros por mês para ajudar os estudantes em Marrocos???

  4. República de bananas

    26 de Agosto de 2020 as 22:58

    Se fosse Marrocos são Tomé nunca tocava num tostão.

  5. Fuba cu bixo

    26 de Agosto de 2020 as 23:31

    E os camaradas batem palmas a esta pouca vergonha, olha ao ponto que chegamos S.Tomé e Príncipe vendeu seu voto internacional a troco de pagamento de viagens e estadias e um País onde barcos de Marroquinos dao sempre a costa Algarvia Portugal próprio Marroquinos estão a fogir estamos lixados.

  6. Jorge Fernandes

    27 de Agosto de 2020 as 8:31

    Estamos feitos uma espécie de prostituta.
    Eu pago e você abri as pernas.
    Como é que se pode hipotecar o país em troca de pagamento de algumas viagens e regalias para os dirigentes
    Como é que podemos apoiar tudo o que Marrocos quer ao nível das organizações internacionais, sem medir as consequências, apenas porque vamos ter umas viagens pagas. Mesmo estas bolsas de estudos devem ser revistas e renegociadas. Os jovens santomenses em particular e os africanos negros de forma geral que estão a estudar em Marrocos são alvos de racismo de forma frequente e constante e muitas vezes com ações violentas tanto da parte da população como das autoridades policiais e judiciais. Temos visto na internet as denuncias, reclamações e pedidos de socorros dos estudantes santomenses e africanos no Marrocos, que são apanhados na rua, espancados e levados até ao deserto e deixados ficar lá, mesmo quando têm documentos todos legais de estudante. Porque a Senhora Ministra dos Negócios Estrangeiros e os dirigentes estão a engolir as moedas dos marroquinos, então, não ouvem, não falam, não reclamam pois estes jovens e seus sofrimentos são uma espécie de moedas de troca para que a senhora Ministra e seus dirigentes sigam disfrutando das suas regalias pagas pelo Governo de Marrocos.
    Nós os africanos negros, nascemos para ser escravos, por isso o sofrimento dos nossos filhos, desde que traga algum beneficio individual para os dirigentes todo o resto é uma cantiga.
    JF

  7. José de Neves

    27 de Agosto de 2020 as 9:24

    Escandaloso, vergonhoso, indecente!

    Foram ultrapassados todos os limites da decência quando se vende a nossa política externa. Nem sei quem fica pior na fotografia, se STP que vende ou Marrocos que compra, mas uma coisa é certa, comprarem-nos com esta facilidade é só um sintoma grave dos princípios morais e éticos que grassam nos corredores do MNE e do Governo.

    Não fossemos nós, STP, produto da emancipação colonizadora e opressora até diria que a nossa posição natural, coerente, moral e éticamente responsável seria votar CONTRA Marrocos em tudo ao que ao Sahara Ocidental diz respeito, nomeadamente o domínio forçado do território, violação dos direitos humanos, civis e políticos da população… Mas não, vota a favor do opressor e contra um povo que luta pela liberdade.

    Vou ali vomitar e já venho… um autentico nojo!!!

  8. Smash

    27 de Agosto de 2020 as 9:37

    Será sempre os mesmos a serem beneficiados. Estamos a viver sempre de mão estendidas por isso
    a sociedade não evolui. Nunca sabemos quanto o real valor desses donativos que na minha ótica são negociatas partidárias. Muito blablabla…
    Esta senhora nem sabe falar, nem sabe lêr e nem sabe escrever contudo é nossa ministra. A video conferência foi uma incompetência nata. Francamente.

  9. Sem assunto

    27 de Agosto de 2020 as 14:17

    Indecente!
    É contínua o banquete; desta vez, a nossa, Salomé está de traje menores, e dança sensualmente perante todos os convidados, confesso não gostar muito do rumo frenético e sórdido que as coisas estão a tomar, o rei está bêbado, qualquer pedido desta menina ele irá aceitar, a cabeça de João “Major” Baptista já foi presenteada. Qual será a próxima? Até onde vai a nossa Salomé?

  10. República de bananas

    27 de Agosto de 2020 as 15:13

    Uma autêntica prostituição diplomática. Que tristeza de governantes. E isso tudo por causa de míseros ajudas de custo e bolsas que quando os estudantes regressam nem emprego têm garantido.

  11. República de bananas

    27 de Agosto de 2020 as 15:15

    Ainda assim, se fosse Marrocos este governo não tocava num tostão.

  12. Chicão da Mina

    27 de Agosto de 2020 as 15:58

    Senhora Ministra Elsa Pinto, tenho duas perguntas a fazer e gostaria que me respondesse: as viagens são em classe económica ou business? E as estadias são em hotéis de quantas estrelas? É só por curiosidade para saber quanto vale o voto de STP.
    Muito obrigado pela sua resposta (eu sei que a senhora lê a Tela Non por isso não demore na respostas, valeu?)

  13. Castro

    27 de Agosto de 2020 as 16:21

    Se dúvidas houvesse..
    que falta de tacto político, que falta de postura de estado

    valha-nos figuras deste calibre sem travão na boca, para termos informação do que vai na cabeça dos governantes. Só por isso já vale a pena mete-la a falar mais vezes.

    STP, a caminho de ser a comédia do Golfo da Guiné….

  14. Tomas Mendonça

    27 de Agosto de 2020 as 16:45

    Não acredito no que leio. Alguém que confirme a notícia por favor.
    Esta notícia envergonha a independência de qualquer país. Tornámos em Metrópole de Marrocos!!!!
    Esta medida é totalmente inconstitucional. Aonde estão os nossos Juristas? E o Presidente da república!
    Somos um país independente ou uma região autónoma de Marrocos?
    Alerta porque a independência está em perigo.

    Um bem haja
    Tomás Mendonça

  15. Sum tunchado

    27 de Agosto de 2020 as 21:25

    São tome e príncipe ficou que nem uma miúda de tangas que todos querem levar a qualquer preço ou até mesmo por uma bebida. Descemos muito.

  16. Renato Cardoso

    29 de Agosto de 2020 as 10:52

    Simplesmente invulgar esta incapacidade de negociar o essencial para o País e contentar com migalhas que não trazem qualquer valor agregado….

  17. Como será

    29 de Agosto de 2020 as 11:03

    Uma diplomacia suja que mancha imagem do pais e todos os santomenses, mas qual é a falha que esta na base de má governacao no pais,sera que colocam pessoas erradas no lugare certo?ou sera que o estado nao se importa mesmo com este pais, s.tome esta mesmo como o que algums que me atecederam frizaram,” uma prostituta”cada um tira o seu proveito da sua maneira, o importante é pagamento, mesmo sendo misero, ou de forma humilhante.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo