Política

Portugal oferece a STP 922 pistolas, munições e fardamentos

Numa nota de imprensa a embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe, anuncia a oferta feita pelo ministério da administração interna de Portugal, a sua congénere santomense.

«922 pistolas individuais e respectivos acessórios, mais de 61.000 munições e diverso fardamento…», relata a nota de imprensa.

As armas, munições e fardamentos foram entregues às Forças e Serviços de Segurança santomenses, numa cerimónia que teve lugar nas instalações da Escola Prática da Polícia Nacional de São Tomé e Príncipe, no dia 8 de Abril.

«O valor comercial do material e equipamento em causa, cujo transporte a partir de Lisboa foi garantido de forma segura por uma aeronave C130 da Força Aérea Portuguesa, ascende a cerca de 320.000 euros, ou seja, quase oito milhões de dobras, o que evidencia o decano empenhamento de Portugal na cooperação técnico-policial com a República Democrática de São Tomé e Príncipe, assumindo-se como o país com maior investimento regular nesse domínio», destaca a nota de imprensa da embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe.

O armamento oferecido ás forças de segurança nacionais, fazia parte da reserva excedentária da polícia de segurança pública de Portugal.

Segundo a embaixada de Portugal, as 922 pistolas estão em excelente estado de conservação.

«As Forças e Serviços de Segurança de São Tomé e Príncipe, irão finalmente alcançar a plena autossuficiência logística daquele tipo de equipamento policial, nomeadamente a sempre desejável distribuição individualizada e nominal, potenciando o seu bom uso, conservação e responsabilização pelos detentores», pontua a nota de imprensa.

Desta forma as forças de segurança nacionais passam a ter mais opções que garantam os princípios da proporcionalidade. Opções que poderão reduzir o risco de utilização excessiva da força letal em operações policiais. «Um desiderato essencial no âmbito da omnipresente questão do respeito pelos Direitos Humanos», concluiu a nota de imprensa.

O Ministro da Defesa e Ordem Interna, o coronel Óscar Sousa, e o embaixador de Portugal em São Tomé e Príncipe Rui Carmo, presidiram a cerimónia de entrega do material bélico, e fardamentos.

Abel Veiga

    7 comentários

7 comentários

  1. Original

    9 de Abril de 2021 as 21:30

    Estas matam mais rápido?

  2. Lima

    10 de Abril de 2021 as 6:43

    Portugal ou,e, seu representante tem ajudado STP.Eles estao mesmo conscientes daquilo que STP necessita?Sera que é uma maneira de empurrar esse pais para mais criminalidade ou para uma verdadeira protecao?
    Pois uma verdade é certa eles nao podem ser os unicos responsaveis da maneira como essa terra esta indo.Embora foram eles os iniciadores dessa catastrofe durante os seculos anterires.
    Hoje criancas e nao so, morrem por falta de medicamentos,por falta de assistencia medica ,por falta de equipamentos adequados.Portugal nao é o unico responsavel dessa situacao mais ,eles que nao se esquecam que com 200000 pessoas faz-se muitas coisas sem necessitar esses tipos de apoios que nao sao primordiais.Essas ofertas- vendas provocando dividas e reconhecimentos por toda a vida nunca fara avancar esse pais.
    Mas bom se uns estao com falta de cavalos e como se diz :cavalo dado nao se olha para os dentes entao sejamos satisfeitos com essa oferta veneno.Mais ha, armas na terra, mais ela traz problemas porque nao existe controlo desses materiais e um dia ou outro essas armas vao se encontrar nas maos daqueles que vao utilizar-los por um sim ou por um nao.Continuemos a refletir na mandiro como queremos fazer sair esse pais do ewtado em que ele se encontra.Quais sao as nossas verdadeiras necessidas e quais sao as mais prioritarias.Nao deixemos que nos deitem sempre poeiras nos olhos.

    • Antonio Martins

      10 de Abril de 2021 as 21:14

      Boa noite
      Vi com atencao o seu comentario
      E passo a descrever o seguinte
      Portugal a mais de 40 anos entregou sao tome com todas as benfeitorias ao novo estado independente
      O que seguiu foi que os politicos tomaram conta de tudo o que era bom deixado pelos portugueses
      O resto do povo deixou de trabalhar porque ja nao precisava de estar sobre ordens de patrao
      Assim foi sao tome ate aos dias de hoje
      Continua a ser mal agradecido a quem ajuda

      • Povinho

        12 de Abril de 2021 as 10:58

        Desde quando, dar armas foi ajudar um país. Não viram mais nada para dar. Um país pobre como o nosso e sem guerra precisa de armas? O shr precisava de saber o que é verdadeiramente útil para um país. Enquanto uns lutam para embarque de armas aos países que fazem guerra matando milhares, outros oferecem àqueles que estão em paz. Gente doido.

  3. Lucas

    10 de Abril de 2021 as 20:00

    A gente não quer pistola…
    A gente quer agua no hospital

  4. Povinho

    12 de Abril de 2021 as 16:46

    Essas pistolas vai servir de entretenimento para alguns militares no quartel. Assim já fiquem ocupados para não ganhar dinheiro do estado sem fazer nenhum. De certeza que alguma fica em casa do ministro da defesa.

  5. Manu

    15 de Abril de 2021 as 11:12

    Eh pá povo pobre e mal agradecido… Criticam tudo. seja o que for. Se dão medicamento criticam, se dão fardas criticam, se apoiam na defesa marítima criticam, se dão formação criticam. Não tem nada e ainda há quem diga “não tinham mais nada para oferecer?” A culpa de STP estar assim não é só dos políticos não. É do povinho que vive de ajudas e mesmo assim reclamam. Cospem no prato que comem.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo