Política

Estado crítico da saúde em STP provoca reunião do Conselho de Estado

Dois meses após a sua investidura como Presidente da República e Chefe de Estado, Carlos Vila Nova convoca a primeira reunião do Conselho de Estado.

O Téla Nón apurou que na reunião marcada para manhã de segunda-feira, 06 de Dezembro, no Palácio do Povo, uma equipa composta por 3 técnicos do sector da saúde vai apresentar aos conselheiros do Estado uma radiografia detalhada da Saúde em São Tomé e Príncipe.

O Presidente da República que escolheu o sector da saúde para a abertura do seu programa de presidência aberta constatou uma realidade que é do conhecimento público há  vários anos. O sector da saúde está de rastos e muito doente.

Constatação nacional é de que em 46 anos de independência, São Tomé e Príncipe investiu muito pouco nas infra-estruturas hospitalares e de saúde.

Hospital Central Ayres de Menezes, sem água canalizada e sem medicamentos. Fundo Nacional de Medicamentos com stock vazio. Pessoal clínico desanimado, são dentre as várias constatações registadas pelo Chefe de Estado quando inaugurou a sua presidência aberta em Outubro passado.

«Não é para sancionar seja quem for, seja o que for, mas para contribuir. O nosso papel é de colaboração», declarou o Presidente da República, no mês de Outubro após visita ao Hospital Central.

O Téla Nón apurou que no quadro da política de colaboração entre os órgãos de soberania, o conselho de Estado de 6 de Dezembro pretende forjar consensos e soluções, que possam paulatinamente resolver a crise que se agravou no sector da saúde, principalmente nos últimos 30 anos de democracia pluralista.

A pandemia da Covid-19, que se deflagrou em São Tomé e Príncipe no ano 2020 veio pôr a nu as imensas fragilidades do sistema nacional da saúde.

Saúde, é um direito atribuído a cada cidadão são-tomense pela própria constituição política. A crise geral do sistema nacional de saúde é um assunto de interesse nacional. O primeiro Conselho de Estado presidido por Carlos Vila Nova, pretende encontrar remédios para tratar.

O Conselho de Estado enquanto órgão de consulta do Presidente da República é composto dentre outras personalidades pelos ex-Presidentes da República, o Presidente da Assembleia Nacional, o  procurador geral da República, o presidente do Tribunal Constitucional, o Primeiro Ministro, o Presidente do Governo da Região Autónoma  do Príncipe, etc.

Abel Veiga

    7 comentários

7 comentários

  1. Lucas

    6 de Dezembro de 2021 as 9:24

    Em São tomé não tem canalizador?
    Tem de pedir ajuda à eurropa pra meter agua na torneira do hospital?
    Ou tem gente que toma o que é do hospital?
    O nosso presidente vai juntar todas as excelências pra kê?
    O hospital precisa de canalizador agora as excelências não aperta torneira

  2. Fuba cu bixo

    6 de Dezembro de 2021 as 10:29

    Segundo as informações que circulam na rede social ha ex presidente que não querem comparecer na reunião,esses ex presidentes não querem aparecer por causa dos lobes os camaradas que tem sugado e desviando contentores para suas clínicas portanto os camaradas querem que a situação da saúde continui assim para continuarem a roubar e encherem suas clínicas e focarem ricas.

  3. Pedro Costa 2

    6 de Dezembro de 2021 as 12:07

    Este país bateu no fundo.
    Não é possível o estado deste país ! Estes governantes não tinham noção que as coisas no sector da saúde estão de mal a pior ?!
    É só palhaçadas neste país. Uma vergonha

  4. Manuela Pedroso

    6 de Dezembro de 2021 as 15:17

    Parabéns Senhor Presidente pela iniciativa
    A saúde nunca foi prioridade para os governos santomenses. Talvez o Governo anterior de Patrício Trovoada, deu um primeiro passo com a procura do financiamento para a modernização do atual hospital, mas o Governo atual que veio depois não soube aproveitar e hoje estamos como estamos. Gostaria de pedir ao Governo português para que não aceitasse nenhum Ministro, nem Deputado, nem Presidentes da Assembleia, do Tribunal etc. etc., isto é os membros dos órgãos de soberania a fazerem consultas e tratamentos médicos em Portugal. Á Europa, toda que proíba o tratamento médico e consultas dos dirigentes santomenses em particular e dos africanos de forma geral, para que os mesmos comecem a preocupar com a saúde nos seus respetivos países. Hoje cada vez que eles têm febre ou dores de cabeça, arrancam logo para Europa para tratamentos médicos, com dinheiro roubado ao povo, por isso não se preocupam em criar as condições de saúde nos seus respetivos países.
    Por isso Senhor Presidente, esta iniciativa não deve ficar só por reuniões. Veja no próximo orçamento do Estado, se não houver verbas robustas e propostas sérias para resolver de forma definitiva a situação de saúde no país, então chumba o orçamento no Palácio. Não o promulga sob pena de senhor estar também a contribuir para a morte deste povo
    Bem Haja Senhor Presidente

  5. Andorinha

    6 de Dezembro de 2021 as 15:30

    Carrega Carlos Vila Nova aperta com eles os camaradas estão a roubar da saúde do hospital para alimentar suas clínicas por isso o Jorge bom Jesus por isso Jorge bom Jesus não esta a fazer nada porque são camaradas a roubar.
    O combate a corrupção de Jorge bom Jesus é só para perceguir os adversários políticos.

  6. Toni

    6 de Dezembro de 2021 as 19:52

    Acho engraçado só ao fim de 46 anos é que chegaram a esta conclusão!!!!

    Todas as roças tinham hospital!?!?

    Continuem assim que estão no bom caminho para a miséria total, é somente continuar a destruição.

    Boa camaradas!!!!

  7. Joel marto

    7 de Dezembro de 2021 as 10:13

    Toda gente sabe onde estão os problemas mas fingem para inventar projetos e gastar mais dinheiro ainda. Tínhamos tantos hospitais em todas as roças mas deixamos destruir todos. Agora choramos e andamos a pedir apoio quando gastamos muito dinheiro em viaturas, viagens e obras mal feitas tudo para agradar os camaradas.
    Jorge podes continuar a fazer campanha. As próximas eleições não ganhas.
    Vocês já roubaram o suficiente.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo