Política

Jogo de palavras de Biden sobre Taiwan corrói o compromisso de ‘Uma só China’

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que os EUA intervirão militarmente se a parte continental da China “invadir” Taiwan, durante uma coletiva de imprensa em Tóquio, na segunda-feira. A Casa Branca e o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disseram mais tarde que os comentários de Biden não refletiam uma mudança de política dos EUA.

A China reagiu às alegações de Biden. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse que “a China não tem margem para compromissos ou concessões” em questões relacionadas à soberania e integridade territorial da China e outros interesses essenciais.

Nenhuma potência, incluindo os EUA, pode parar o ritmo do povo chinês em direção à reunificação ou alterar o destino fracassado das forças da “independência de Taiwan”, alertou Wang na terça-feira.

“Os EUA causarão consequências irrecuperáveis em suas relações com a China e, em última análise, pagarão um preço insuportável se seguirem o caminho errado”, acrescentou Wang.

Logo após os comentários de Biden, o ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger disse no Fórum Econômico Mundial que os EUA não deveriam, por subterfúgio ou por um processo gradual, desenvolver uma solução de “duas Chinas”.

Desde que Biden assumiu o cargo, seu governo alterou gradualmente a tática de “ambiguidade estratégica” que seus antecessores usavam para lidar com assuntos relacionados a Taiwan, segundo declarações de especialistas em relações internacionais ao Diário do Povo.

O jogo narrativo do governo Biden está tentando redefinir a política de “Uma só China”, o que, na realidade, corrói seu compromisso com a China, disse Wang Yiwei, professor da Escola de Estudos Internacionais da Universidade Renmin da China.

A ambiguidade está diminuindo, já que os EUA estão esvaziando o princípio de “Uma só China” vendendo mais armas para Taiwan e fazendo garantias mais fortes para a presença internacional da ilha, disse Sun Chenghao, membro do Centro de Segurança e Estratégia Internacional da Universidade de Tsinghua.

O Departamento de Estado dos EUA atualizou recentemente a ficha técnica de Taiwan exibida em seu site. Foram removidas menções tanto para não apoiar a independência de Taiwan, como o reconhecimento da posição de que Taiwan faz parte da China.

Quer as mudanças no site sobre Taiwan quer os comentários de Biden em Tóquio sejam uma “gafe” ou não, são sinais que indicam que os EUA estão tentando reforçar a estratégia de usar a “carta de Taiwan” para conter a China, disse Sheng Jiuyuan, diretor executivo do Centro de Estudos de Taiwan na Academia de Ciências Sociais de Shanghai.

O governo Biden pretende testar a reação e os limites do continente, enviando sinais controversos sobre a questão de Taiwan. Como a China é tratada como um concorrente estratégico, espera-se que os EUA sejam mais desenfreados em jogar a “carta de Taiwan”, disse Sun ao Diário do Povo.

A recalibração da política sobre a questão de Taiwan reflete o erro de julgamento dos EUA sobre as intenções estratégicas da China. Os EUA assumem que o continente chinês está tentando mudar o status quo do Estreito de Taiwan por meios militares, o que impedirá sua intromissão nos assuntos de Taiwan para os interesses dos EUA, disse Wang.

A linha dura de Biden em Taiwan é também uma forma de dizer aos aliados militares dos Estados Unidos que a crise na Ucrânia não distrai a atenção dos EUA da Ásia.

Exagerar a intenção militar do continente em Taiwan justificaria a “estratégia Indo-Pacífico” dos EUA e a necessidade de seu engajamento na estabilidade e segurança da Ásia, disse Sun.

Em nome de “apoiar a estabilidade regional”, a verdadeira intenção dos EUA é tranquilizar os aliados e garantir sua hegemonia global, disse Sheng. 

Artigo do Jornal da China – “Diário do POVO” / Parceria com o Téla Nón – Clique – http://portuguese.people.com.cn/index.html

1 Comment

1 Comment

  1. Uva Budo

    27 de Maio de 2022 at 22:13

    Sinceramente já não há paciência para as noticias do Partido Comunista Chinês, mas por que carga de água os Santomenses têm que aturar os problemas entre Chineses e Americanos?

    Porquê o partido comunista Chinês não publica antes esses textos nos jornais Americanos e deixa os Santomenses em paz ?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top