Opinião

O desafio que se impõe para o futuro de São Tomé e Príncipe

É chegado o momento dos decisores políticos darem uma nova visibilidade político governamental em São Tome e Príncipe, através da firme e inabalável vontade de estabilidade política e de governabilidade, de coesão e unidade nacional capaz de mobilizar os São-tomenses para as ingentes tarefas indutoras da modernidade e de desenvolvimento do nosso país.

Entendo, com efeito, a estabilidade politica e o regular funcionamento das instituições como uma necessidade vital que nos impõe sem as quais não haverá condições de governabilidade do país.

De facto, as permanentes quedas de Governos e dissoluções intempestivas da Assembleia Nacional nos últimos anos, não auguram nada de bom para o futuro das nossas instituições democráticas para além das dramáticas repercussões sociais, políticas e económicas.

O povo são-tomense manifestou nas urnas através do voto a sua confiança no partido Acção Democrático IndependenteADI “ que terá a nobre missão de governar São Tomé e Príncipe nos próximos quatros anos, a vontade popular não conferiu ao ADI a maioria absoluta, o que não lhe afasta a legitimidade de assumir sem tréguas o destino do país.

Nos últimos dez anos, foram gastos, tempo, recursos, energias em questões que em nada contribuíram para o desenvolvimento, situações de ódio, perseguição, guerrilha institucional, incompreensão, situações essas só contribui para o atraso no nosso pais, uma vez que os decisores políticos não souberam ultrapassar essas diferenças.

São evidentes, entre nós, as excessivas tendências para se confundir a opinião pública muitas vezes mal informada sobre as funções institucionais que estão constitucionalmente atribuídas a cada órgão de soberania.

Neste contexto, é minha preocupação fundamental manifestar a tamanha inquietação no sentido que o actual governo não tendo uma maioria absoluta consiga governar na estabilidade, os focos de conflitos institucionais leva me a concluir que deve haver uma relação entre os diferentes órgãos de soberania impondo uma conduta baseada no respeito escrupuloso das regras de distribuição constitucional dos poderes de modo a garantir a transparência e manter um relacionamento institucional leal que permita, qualquer que seja o Executivo, de governar na estabilidade e a Assembleia Nacional controlar e a fiscalizar a acção governativa.

Consciente da justeza das criticas que apontam a interferência na livre competição política entre o Governo e oposição como a principal causa de bloqueios institucionais e que minou entre nós a estabilidade democrática, o Presidente da Republica, joga um papel de extrema importância em salvaguardar, garantir o equilíbrio, a separação e interdependência dos poderes, o pluralismo democrático, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições.

No domínio da autoridade do Estado, advogo que a mesma se restabeleça, se exerça com firmeza e responsabilidade mas com base no princípio da legalidade e não deve variar segundo os interesses estratégicos de cada um ou estar sujeita ao populismo e demagogias que a põem seriamente em causa.

É cada vez mais evidente a importância da credibilização do sistema político são-tomense, perante a descrença dos cidadãos, cada vez mais crescente na classe política.

Por isso, julgo ser indispensável para inverter essa situação, adoptar-se a cultura do rigor, de transparência, do mérito, da honestidade, da competência, da utilização criteriosa dos bens públicos, alias no manifesto eleitoral do “ADI” legitimado pelos eleitores, segundo o documento e de acordo com o Patrice Trovoada é” preciso ter coragem de implementar as reformas e acima de tudo dotar o pais de uma classe politica mais seria e credível”.

As expectativa geram a volta do governo do Acção Democrática Independente, de PATRICE TROVOADA o Primeiro-ministro, que tem pela frente uma nobre tarefa que passa pela, visibilidade e credibilidade do estado são- tomense.

A nossa economia precisa de crescer de se modernizar, precisamos de produzir mais, de dinamizar novas formas de emprego, de valorizar o trabalho, de equacionar o problema das qualificações, das remunerações de forma a combatermos o desinteresse sobretudo na função pública, devido aos níveis salariais extremamente baixos.

Há que se criar condições para que haja mais e melhor emprego, particularmente para os jovens é preciso observar-se o rigor orçamental visando uma gestão mais cuidadosa das despesas e a melhoria da qualidade e produtividade na prestação dos serviços aos cidadãos e na satisfação das necessidades colectivas.

Acredito que não podemos continuar a adiar a execução das reformas para a modernização do país, por isso é indispensável fazer uma reforma profunda da nossa Administração Pública e do próprio Estado.

O reforço da democracia e o Estado de Direito passa igualmente pela redução da pobreza, promoção da melhoria das condições económicas e sociais dos cidadãos, torna imperiosa dar sem tréguas uma nova imagem e credibilidade ao nosso sistema de justiça, que muito carece de uma profunda reforma, com vista a combate a impunidade que si instalou no arquipélago nos últimos anos, a revisão constitucional é sem duvida um dos grandes desafios que se impõe ao executivo do ADI.

O maior desafio que se impõe de momento é o de por termo a instabilidade politica e a recuperação da credibilidade do nosso Estado no plano externo, de modo a não voltarmos a ter no futuro recente situações como o empréstimo contraído ao BRASIL” STP TRADING” a fim de salvaguardarmos o bom nome do nosso país na senda internacional, Importa definir uma linha orientadora de cooperação para o desenvolvimento, enquanto componente fundamental da nossa política externa que dê outra imagem de S. Tomé e Príncipe, para que sejamos vistos como parceiros credíveis, respeitados e desejados.

Aos partidos que vão estar na oposição nos próximos 4 anos sobretudo o MLSTP/PSD e o PCD, que o façam de forma transparente, justa, credível, nunca perdendo de vista a vontade popular manifestada nas urnas, ao ADI partido vencedor das eleições que saiba trilhar caminho nos próximos anos a fim de erguer um S. Tomé e Príncipe prospero como forma de não defraudar as expectativas da população.

Wualdyner Boa Morte

Estudante de Licenciatura em Ciência Politica/ ISCTE- IUL LISBOA

    20 comentários

20 comentários

  1. Afonso Bandeira

    25 de Agosto de 2010 as 15:22

    Mr Boa Morte, essa analise esta completa.
    Da para notar o teu desenvolvimento no ISCTE.
    Abraços

    • Alberto Nascimento

      25 de Agosto de 2010 as 15:33

      Bandeira, muito boa critica pela parte deste Jovem.
      Sao Tome ‘e um pais de Jovens, entao que se torne rejuvenecido.

  2. Joel

    25 de Agosto de 2010 as 16:11

    Muito boa análise, quem em nada espanta, pois conhecço a anos o poder intelectual deste jovem.
    Tomara que as autoridades tenham a oportunidade de ler este artigo e refletir um pouco sobre o atraso sofrido pelo nosso país nos últimos anos em consequência das instabilidades políticas.
    Há que se ter em mente: Só a estabilidade política e consolidação da democracia permitem desenvolvimento.
    Pago pra ver essa nova geração!!!!!!!!

  3. kimposso

    25 de Agosto de 2010 as 18:38

    Excelente analise…

  4. Paracetamol 500mg

    25 de Agosto de 2010 as 19:13

    Belas palavras.

  5. Afonso

    26 de Agosto de 2010 as 8:04

    Boa Morte…boa apreciação. Estou contigo!

  6. Digno de Respeito

    26 de Agosto de 2010 as 13:18

    Parace-me que ventila-se realmente bons ventos de mudança. Essa mundaça passa pela o “movimento da mente”. Com este que considero excelente resumo analítico, tudo indica que temos bons promissores para STP. Já é tempo de se criar um programa ou mecanismo de reencontrar os quadros santomenses espalhados pelo mundo e juntos darmos as mãos como a velha sabedoria popular santomense “bamo zuntá módu feçu d baçóla”. Junto trilharemos para o futuro dos nossos filhos.
    Valeu o nosso ISCTE, estás de parabéns espeor que continues a escrita produzindo ensaios.

  7. Carlos Lopes

    26 de Agosto de 2010 as 14:49

    Parabens…Wualdyner,
    Boa análise critica, o nosso País precisa muito de jovens com esse espirito, essa coragem.
    Congratulo consigo, o nosso STP para Desenvolver precisa de reforma na administração pública e no proprio estado.
    Precisa de política eficaz e eficiente. Que o governo do Patrice Trovoada(ADI) aproveite o artigo para uma reflexão.

  8. E.Santos

    26 de Agosto de 2010 as 14:53

    De facto, a análise é coerente. Gostava, contudo, de chamar a sua atenção para a escrita. As frases são muito longas e há várias ideias numa mesma frase. Isso dificulta o entendimento de quem lê.

    De resto, acho que se saiu bem.

  9. rochinha

    26 de Agosto de 2010 as 16:28

    Grandes Palavras…Boa Jovem

  10. Tony

    26 de Agosto de 2010 as 17:08

    força mano, boas palavra…, espero que n continues assim, dando o seu contributo a nossa pátria que tanto precisa

    • Tony

      26 de Agosto de 2010 as 17:11

      espero que continues assim, dando o seu contributo a nossa pátria que tanto precisa

  11. Helves Santola

    27 de Agosto de 2010 as 2:30

    Ora pois, que bom que há jovens com iniciativa! Bom trabalho, temos mesmo que estar em cima a lembrar aos nossos representantes das suas missões e meios para realizá-las! Parabéns!

  12. Adriano Málé Bobo

    27 de Agosto de 2010 as 8:52

    Wualdyner Boa Morte, este nome falta resto de apelido, porquê,
    fui,
    obrigado,por favor que ponha resto de apelido, falta de honestidade

  13. Fr07

    27 de Agosto de 2010 as 14:30

    Isso mostra que jovens ou seja futuros quadros de STP,têm uma visao ampla de tudo aquilo que se passa en STP, e sobretudo das politicas emplementada no nosso pais. O que *waldyr escreve aqui é pra mostrar aos nossos dirigentes, que tamos de olhos abertos e pronto pra participar no desenvolvimento do pais assim que na vida politica…

  14. dinheiro é capim

    27 de Agosto de 2010 as 15:10

    É isso que queremos. Gostamos de gente que pensa e escreve. Parabéns.Só assim STP terá futuro.

  15. Costa e Sousa

    28 de Agosto de 2010 as 8:14

    TORNA-SE NECESSARIO TUDO SER FEITO PARA CRIACAO DE EMPREGO PARA TODOS, SENAO STP NUNCA SERA UM PAIS ESTAVEL. O NOVO GOVERNO TEM Q CONCENTRAR A SUA ATENCAO NESSE PORMENOR: DESEMPREGO EM GRANDE ESCALA PODE SER MEIO CAMINHO ANDADO PARA UMA REVOLTA, POIS HOMEM COM FOME NAO OLLHA A MEIOS. SAUDACOES AMISTOSAS.

  16. sydnei

    28 de Agosto de 2010 as 13:38

    Muito bem essas ideia que precisamos, força estou com tigo …

  17. sonhador

    29 de Agosto de 2010 as 0:51

    Epa Boa Morte, não li o teu artigo até ao fim, mas tb não foi necessário lê-lo até fim porque há momentos que foste um bocado repetitivo, mas o que interessa é que o essencial foi dito com letras grandes.

  18. soba

    7 de Setembro de 2010 as 15:19

    só de falar dá para ver que jovem tem ideias positiva para desenvolvimento desse povo humilde, trabalhador que tanto sofre por causa de governande de coração ruim. força ai mano nota 100.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo