Sociedade

Madeireiros abatem ilegalmente mais de 100 árvores nas terras de Monte Forte

O abate indiscriminado de árvores representa uma ameaça para as florestas são-tomenses. O exemplo é a roça Monte Forte região norte de São Tomé, onde mais de 100 árvores de grande porte foram abatidas ilegalmente pondo em causa o ecossistema da região montanhosa.

Jerónimo Mota, que explora a média empresa Monte Forte, foi surpreendido com a grande clareira que se abriu no meio da floresta que circunda a roça. Apesar da zona ser acidentada os madeireiros não poupam esforços para ganhar a vida através do abate ilegal e indiscriminado das árvores. No total mais de 100 árvores, foram abatidas. «Temos aqui mais de 50 toros a serem cerrados e mais de 50 por serem cerradas», denunciou Jerónimo Mota.

O proprietário da média empresa, manifestou-se satisfeito pelo facto dos responsáveis dos sectores ligados ao ambiente e outras instituições terem visitado a zona do abate. Os madeireiros que praticaram a acção ainda não identificados. «Isso traz consequências graves para o ambiente. Hoje é dia 13 de Outubro e não temos chuva. Com essas acções pior será», reclamou o proprietário da roça Monte Forte.

A seca prolongada, provavelmente uma das consequências dessas acções de abate indiscriminado de árvores, já alterou a paisagem da região norte de São Tomé. O tradicional verde deu lugar ao castanho.

Também na zona da praia das Conchas, a degradação ambiental é grave. Os técnicos da direcção da floresta confirmam que a situação é preocupante. «Estamos perante um cenário triste, a região norte está afectada por um abate indiscriminado das árvores. Na zona de praia das conchas os carvoeiros já abateram tudo o que é arbustos para a produção do carvão. Também na zona de Guadalupe há clareiras grandes, e aqui na zona de monte forte apesar de ser acidentada a situação é a mesma. Aqui os madeireiros derrubaram cerca de 100 árvores de várias espécies e tamanhos», afirmou Páscoa Costa, do departamento de controlo da direcção da floresta.

Por se tratar de uma zona montanhosa, o abate de cada árvore tem impacto bastante negativo no ecossistema da região. Segundo Páscoa Costa da direcção da floresta, uma árvore abatida nesta zona acaba por derrubar outras árvores e arbustos. Facto constatado no terreno.

A direcção da floresta, anunciou que tem nas mãos um projecto para reflorestação, mas faltam meios financeiros para sua execução. «Pensamos fazer o reflorestamento com espécies de rápido crescimento. Isso a pensar nas futuras gerações», frisou Páscoa Costa.

Por sua vez o proprietário da Roça Monte Forte, reconheceu que esta situação é fruto da carestia de vida que se regista no país. Para defender a barriga, os madeireiros chegam a subir montanhas íngremes para derrubar árvores. Por isso Jerónimo Mota apelou o governo a encontrar soluções profissionais para tais homens que vagueiam pelo país, dia e noite com motosserras na cabeça em busca de árvores para ganhar sustento.

Abel Veiga

    12 comentários

12 comentários

  1. Xavier

    14 de Outubro de 2010 as 16:16

    Onde está a polícia? Isso é atentar contra o futuro do país!

  2. Rufas

    14 de Outubro de 2010 as 17:33

    Não entendi o que pretende dizer o jornalista neste trecho:
    “…O proprietário da média empresa, manifestou-se satisfeito pelo facto dos responsáveis dos sectores ligados ao ambiente e a acção ilegal dos madeireiros, ainda não identificados…”

  3. Matabala

    14 de Outubro de 2010 as 17:55

    Antes de mais gostaria de solicitar aos srs. jornalistas,”em que intervalo de tempo se verificou esse abate de cerca de 100 árvores?” acho isso importante como informação.
    Esses casos Levantam muitos pontos de vista, por exemplo plantar uma árvore é preciso tanto financiamento assim? será que custa mais que comprar um carro de luxo? Porque na minha estada de férias em São Tomé, vi muitos dirigentes com carros de últimos modelos…mas apoias na sobrevivência do país fala-se em falta de financiamento…haja paciência.
    Outra questão; A Roça Monte Café ja tem um dono??? Atenção a este parágrafo da Noticia: “O proprietário da média empresa, manifestou-se satisfeito pelo facto dos responsáveis dos sectores ligados ao ambiente e a acção ilegal dos madeireiros, ainda não identificados.” afinal ele esta satisfeito ou insatisfeito???
    Obrigado

  4. N.C

    14 de Outubro de 2010 as 19:02

    Pois bem aqui estao resultado da ma politica de distribuicao de terras.E evidente que as pessoas nao tendo outro meio de subsistencia recorem como alternativa o derube de arvore.Mas nada justifica os meios se de facto medidas tivessem sidos tomadas contra os prevaricadores.O governo de Patrice herdou essa pessima heranca.desmandos,anarquia,indisciplina,corupcao etc etc.nem a policia nem a direcao da floresta conseguira por termo essa pratica,enquanto alternativas e solucoes nao forem encontradas.Nao existem comandos distritais da policia?como e que sao transportadas essas madeiras para os centros urbaniscos?esse e o pais que temos,e certamente sera no leve leve que as coisas irao resolver

  5. suba

    14 de Outubro de 2010 as 23:46

    temos que incutir na mente dessas pessoas que isso e mal porque estao apensar no hoje e amanha sera pior ja tem se notado afalta de chuva,tem que precurar alternativa diferente porque estao a por em risco a vida de todos …

  6. Matabala

    15 de Outubro de 2010 as 9:18

    Valeu a rectificação

  7. Pomplio Mariano

    15 de Outubro de 2010 as 11:31

    Minha gente estamos perante um facto tanto quanto duvidoso. Como é possível o proprietário so denunciar o facto após o abate de 100 árvores. Seráq que as mesmas foram todas cortadas num so dia ? A dúvida paira no ar. Como é que até agora não foram identificados os autores desse reprovável crime.

  8. lvingada

    16 de Outubro de 2010 as 10:04

    Sera que o proprietaria nao esta metido nesta pirataria?

  9. DÁ e DÓI

    16 de Outubro de 2010 as 21:12

    Se isso continuar assim, não sei aonde iremos chegar.

  10. lele

    17 de Outubro de 2010 as 11:39

    também concordo com os comentarios acho que o governo havia por os militares a patrulhar as matas e criar uma ligislaçao que punisse bem aos prevedicadores porque senao qualquer dia caimos numa desgraça hambiental graças as chuvas vamos vivendo do que a natureza nos da se ela faltar o que vai ser de nós?

  11. COCO NZUCU

    17 de Outubro de 2010 as 12:10

    MUCLUCU KA FE CHINTXI MATA SUNDE EH CA POTO N’SON PLUMELU. MICHIDADJE SA SUZU D’INHE’, A CA TXILE’ PLAMA TADJE EH SA SUZU ZA’. OS PAIZES COM MUITO MAR, OS CIDADAOS TIRAM O SUSTENTO DO MAR, NOS ESTAMOS A FAZER O CONTRARIO, VIRAMOS PARA TERRA. MISERICORDIA.

  12. Hiost. Vaz

    18 de Outubro de 2010 as 8:09

    Nos leitores devemos ser mais construtivos na nossa opiniao,a prior deste aviso por mim significa alerta e este tipo de alerta deve ser levado em conta desde ja por pessoal de direito e começar a fazer justiça porque o governo so nao faz quando nao quero…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo