Destaques

Gasóleo afundado na baia de Ana Chaves ameaça equilíbrio ecológico

No último fim-de-semana uma embarcação que transportava mais de 30 mil litros de gasóleo para a ilha do Príncipe, afundou-se alguns minutos depois de ter deixado o porto de São Tomé.

As autoridades responsáveis pela navegação marítima remeteram-se ao silêncio. Mais de 72 horas depois do naufrágio do navio Pico d´Ouro que transportava o gasóleo para abastecer a ilha do Príncipe, nenhuma autoridade competente veio explicar os motivos do naufrágio, ou então indicar as medidas tomadas para evitar o vazamento do gasóleo para o mar.

No Instituto Marítimo e Portuário de São Tomé e Príncipe, entidade responsável pela navegação marítima no país, o Téla Nón foi informado por uma técnica a mando da Directora de que ainda não há condições para falar sobre o assunto.

A técnica sugeriu que o Téla Nón procurasse explicações na Capitania dos Portos, que é a autoridade responsável pelo desembaraço da navegação.

Na Capitania dos Portos, um dos responsáveis disse ao Téla Nón que só o IMAP, pode explicar o caso.

Ninguém deu a cara, ninguém assume a responsabilidade pelo naufrágio, que depositou mais de 30 mil litros de gasóleo nas águas são-tomenses, constituindo grave ameaça para a fauna e flora marinhas.

No porto de São Tomé o Téla Nón apurou que o local onde a embarcação Pico d´Ouro, foi a pique é estratégico para manobras dos navios que chegam ao porto de São Tomé. Uma situação que pode comprometer a navegação marítima no porto. No entanto nenhuma autoridade competente, se disponibiliza para dar explicações.

O Governo que viu afundar o gasóleo destinado a ilha do Príncipe, encontrou uma solução alternativa. Um navio que chegou a São Tomé no último fim-de-semana, transportou um novo carregamento de gasóleo, num total de 20 mil litros, para garantir a produção de energia eléctrica no Príncipe, que estava na escuridão há há vários dias. «Ao longo desses anos não conseguimos ter embarcações seguras para garantir a ligação normal de passageiros e os seus bens entre as ilhas. Nenhum governo conseguiu resolver isso até hoje», desabafou o residente do Governo Regional do Príncipe José Cassandra em delações a TVS:

Segundo José Cassandra, os últimos acontecimentos, devem marcar a viragem de página. «Julgo que é o momento de aproveitarmos essa situação pontual, para encontrarmos uma solução verdadeira e sustentável. Temos que partir urgentemente para a aquisição de uma boa embarcação, que venha a resolver ao problema de ligação marítima entre as ilhas», frisou.

No porto de São Tomé, o Téla Nón registou a presença no navio Príncipe, que custou ao Estado são-tomense mais de 1 milhão de euros. «Mais uma vez eu não compreendo como é que gastamos tanto dinheiro para ligar o Príncipe e este mesmo navio desde que chegou não faz com regularidade a ligação entre as ilhas», concluiu José Cassandra.

Note-se que a falta de ligação marítima entre as duas ilhas, é um dos temas do debate de urgência que o partido PCD solicitou ao parlamento são-tomense.

Abel Veiga

 

    12 comentários

12 comentários

  1. luisó

    10 de Julho de 2014 as 0:39

    Mais um exemplo de como vai o País.
    Agora como ninguém é responsável e como não há meios para o fazer vai ficar lá o gasóleo e daqui a uns tempos vai contaminar a baía e as praias, já não basta o resto da porcaria que está afundada.
    Não há meios no País para tirar esse gasóleo e para vir de fora prepara uma nota bem grande e quem vai pagar?
    Porque é que afundou?
    Aposto que a carga não estava bem acondicionada e tudo para cima do barco e depois este fica instável e já está. Já vi este filme e onde estão os culpados? quem vai ser responsabilizado por este atentado ao ambiente?
    Ninguém fala, ninguém diz nada porque ninguém sabe nada neste País a brincar.
    Ouvi Filinto a dizer na tv que STP devia solicitar uma especie de “ancoragem” a outro País ou organização. Só agora é que descobriu isso caro Filinto?
    Vivemos numa ilha com 180 mil a quem chamamos País mas na verdade é que nesta ilha 180 mil sobrevivem e 200 xupam tudo o que vem de fora e o pouco que tem cá dentro e não têm vergonha de o fazer ás descaradas e ninguém faz nada pelo contrário votam neles á conta do banho, ainda por cima. Sofredores a 100%.
    Na Polinésia francesa e holandesa quando foram chamados a votar pela independência disseram não porque perceberam que não podiam viver isolados nem tinham recursos, ficaram com a frança e com a holanda e agora fazem parte como regiões ultramarinas autônomas. Grandes burros, não quiseram a independência… vai à net e vê como estão e vivem lá…
    Porque será que não leio uma boa noticia de STP?

  2. I

    10 de Julho de 2014 as 11:00

    Os responsaveis pela compra do Navio Principe deviam estar presos. Porque nao mandam instaurar um inquerito judicial sobre o caso? Ainda por cima quando correu rumores que o navio trouxe um ‘filho’ dentro?

  3. a

    10 de Julho de 2014 as 11:02

    Sao Tome e Principe esta melhor com a independencia. Os Portugueses nao sao como os Franceses ou Holandeses. Portugueses foram maus colonizadores.

    • luisó

      10 de Julho de 2014 as 16:53

      O que é que tu sabes sobre isso?
      Já viveste sob a colonização dos franceses ou dos holandeses?
      Fala do que sabes e do que sentes e dos factos.
      Tirando os aspectos da escravatura que foi transversal a todos os impérios do mundo e que não se pode apagar mas sim recordar para não repetir o que é que os tugas fizeram de pior que os outros?
      Qual foi o império que não teve escravatura?
      A escravatura não nasceu em África nasceu na Euro-Ásia daí o o nome de eslavos ou slav que derivou em escravo ou slave em inglês.
      Agora diz-me:
      Para além do edifício da Assembleia que foram os chineses que fizeram e do hotel pestana o que é que foi construído após a independência? É que não estou a ver o quê…

      • A

        10 de Julho de 2014 as 23:04

        Oh tuga, o que os Portugueses construíram em São Tomé foi com a riqueza da terra. Os Franceses e Holandeses são melhores sim senhor e têm outra mentalidade.

    • Fernando

      10 de Julho de 2014 as 20:49

      Meu caro: “Maus colonizadores”? Mas houve algum bom colonialismo? Destruíram toda a infrraestrutura do país: mais de mil quilómetros de linha férrea; toda a estrutura de produção das roças, todos os portos e a culpa é dos outros? Veja-se no espelho e tenha vergonha! Obrigado Téla Non, se passares este comentário!

    • Atento ao Dossier

      10 de Julho de 2014 as 22:13

      Com o devido respeito,que grande confusão com os Portugueses
      colonizadores.
      S.Tomé e Principe sempre foram território Português.
      Foram os Portugueses que descobriram as duas ilhas,e foram também
      eles que as povoaram e desenvolveram ao longo de vários séculos.
      Que fique bem claro nas vossas cabeças de uma vez por todas.
      Portugal ofereceu-nos estas ilhas,e nós o que temos feito é
      DESTRUILAS…

    • souba

      28 de Julho de 2014 as 12:04

      os paises francofonos e aglofonos tomaram independencia mais nao correram cons brancos
      nos os saotomenses posemos todos os portugueses fora do pais enato temos que aguentar

  4. Estrangeiro

    10 de Julho de 2014 as 11:31

    Negligência lamentável.

  5. .A. Gomes

    10 de Julho de 2014 as 16:02

    O navío Príncipe não funciona
    Mas os Yates que vieram juntos com o navio, sendo um deles do Ministro de então do PCD e outro do técnico que acompanhou o ministro que negociou o navio está a funcionar
    Quando a empresa que construiu o navio Príncipe veio fazer a entrega do navio, um jornalista perguntou ao representante da empresa quanto tinha custado o navio e ele disse para perguntar os que negociaram o navio. Isto quero dizer o quê???
    Assim vai o STP
    Bem haja STP
    A.Gomes

    • luisó

      10 de Julho de 2014 as 23:26

      E o melhor desse negócio, para quem vendeu claro, é que dizem que o barco não estava equipado nem com rádio nem com radar.
      Vá lá saber-se porquê?
      Se calhar para afundar e não poder chamar por socorro…

  6. vio

    11 de Julho de 2014 as 22:13

    STP e um pais amaldecoado acreditem irmaos, eu desde sempre nunca tive e n tenho vontade de la voltar poderei ir de ferias mas………enfim n nego porque la nasci mas Deus fez o mundo p todos e podemos viver em qualquer parte sem ser o nosso pais ,e eu n me vejo motivada para la viver, e tao pequena a illha mas tao mal gerida por tds, porfavor meu amado povo nao vao as urnas, n votem a ninguem n sou a favour do tal ” banho ” mas se vos derem recebeis sim porque este dinheiro a vos pretence ja ha muito e vos tem dado por este meio entao receberdes sim ,mas nao votem ,estes derigentes e o governo nao gosta da gente.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo