Sociedade

Governos ativam o mecanismo de ambição na COP23

O diálogo Talanoa, acordado em Bonn na conferência climática da ONU, coloca em movimento o plano que os governos fizeram em Paris há dois anos para acelerar a ação climática em intervalos regulares, a fim de limitar o aumento da temperatura global para 1,5° C e tornar nossas economias adequadas para o futuro. O ano de 2018 servirá como uma avaliação a respeito da real adequação das ações climáticas planejadas para efetivamente limitar o aquecimento global. Até 2020, os países terão que voltar à mesa com planos de ação fortalecidos que fecham a lacuna.

Embora ainda haja um trabalho importante, Bonn fez progressos na elaboração de um livro de regras claro e abrangente para o Acordo de Paris – isso é crucial para ajudar os governos a planejar suas economias e dar confiança aos investidores e empresas de que a economia com baixas emissões de carbono veio para ficar. Os países terão de finalizar o livro de regras na COP24 na Polônia no próximo ano.

A COP23 mostrou apetite por ação urgente. Um aumento nas emissões globais e os graves impactos climáticos que atingiram todo o mundo neste ano impulsionaram o chamado dos países vulneráveis ​​para a ação pré-2020 e pressionam todos os países para que intensifiquem sua ambição climática.

Embora não estivessem previstas grandes contribuições financeiras na COP23, ela ajudou a enviar sinais de que mais financiamento precisa fluir antes de 2020. Os governos estão agora em posição de mudar de ação e gastar dinheiro real para lidar com os impactos das mudanças climáticas. Eles podem começar a começar com isso já em dezembro, quando o presidente francês, Emmanuel Macron, recebe líderes em Paris para a cúpula de alto nível One Planet Summit.

Os governos reconheceram a importante dimensão social da transição da economia global. A Presidência fijiana merece um crédito especial para o Plano de Ação de Gênero e a Plataforma de Povos Indígenas em Bonn. A crescente expansão do apoio à ação por estados, cidades, empresas, investidores e comunidades exibida em Bonn aumenta a pressão para que os governos façam mais, e mais rápido, enquanto tentam acompanhar as rápidas mudanças na economia real.

<><><><><>
A seguir, as avaliações de especialistas com longa experiência no acompanhamento das negociações climáticas da ONU:

Carlos Rittl, Secretário executivo, Observatório do Clima
“Bonn cumpriu a sua promessa, mas não atendeu às necessidades do planeta. Previa-se uma COP técnica, desinteressante, e foi exatamente isso. O processo foi resgatado de uma possível reabertura da fissura entre ricos e pobres países, mas, infelizmente, a atmosfera não se preocupa com o processo. O que precisamos agora é mais ambição em cortes de emissões e finanças, e isso esteve fora da mesa. Enquanto isso, a janela para evitar o aquecimento global de 1,5 grau está se fechando rapidamente. “

Ana Toni, diretora geral do Instituto Clima e Sociedade
“Três coisas me chamaram atenção nesta conferencia. Primeiro, foi ver um interesse muito maior pelo tema de uso da terra – este era um assunto pelo qual poucos países se interessavam, como o Brasil ou a Indonésia – mas se tornou um tema de grande interesse por causa da necessidade de começarmos a pensar em estratégias de carbono negativo.  Segundo, os representantes das energias sujas ou de combustíveis fósseis foram praticamente ignorados e estavam ausentes dos debates do futuro energético. O que vimos foi uma competição forte e saudável dos representantes das energias renováveis – bioenergia, eólica, pequenas hidros ou solar. Finalmente, foi interessante observar o quanto o governo dos EUA ficou isolado nesta conferencia, mostrando que não tem nem apoio interno nem externo, é um governo que no tema de Clima parece nem ter o apoio de sua própria delegação.”

Márcio Astrini, coordenador de políticas públicas do Greenpeace Brasil
“Em geral, as negociações tiveram algum avanço, porém ainda estão muito aquém do necessário para enfrentar os problemas climáticos que, da porta para fora das conferências da ONU, são reais e afetam principalmente populações mais pobres. São vidas que não podem mais esperar pela boa vontade dos negociadores. Tivemos um destaque vindo de alguns setores da sociedade americana que, num claro contraponto à decisão de Donald Trump de abandonar o acordo de Paris, se comprometeram com ações positivas para o clima.  Já o Brasil sai desta conferência com a estampa do “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Somos importantes nas negociações, mas nossas políticas internas, que ameaçam as florestas e seus povos e dão grandes subsídios para energias poluentes, são um exemplo real de tudo o que o mundo não precisa neste momento.”

Maurício Voivodic, diretor-executivo do WWF Brasil 
“Vimos avanços importantes na regulamentação do Acordo de Paris, demonstrando alinhamento e comprometimento dos países. Entretanto não podemos esquecer que ainda há uma lacuna muito grande entre os compromissos atuais e o que é necessário para entrar na rota do 1,5oC. Precisamos de mais ambição nas negociações, e muito mais ação prática nos países, onde as emissões ocorrem. O Brasil, em especial, continua tomando decisões políticas que vão na contramão dos objetivos do Acordo de Paris”.

Monica Araya, fundadora e diretora da Nivela
“A América Latina tem muito a ganhar em um mundo alimentado por energia renovável e resiliente aos impactos climáticos. O progresso está acontecendo, mas alguns governos ainda estão sendo pressionados pelos interesses dos combustíveis fósseis para aumentar os investimentos neste setor. Existe uma necessidade urgente entre agora e 2020 de que os Ministérios de Energia, Finanças e Saúde Pública, bem como os setores privados na América Latina, passem de uma mentalidade “mais petróleo e gás” para “vamos levar o Acordo de Paris a sério”. Os resultados desta COP – embora em grande parte processuais – enviam uma mensagem: o que fazemos entre agora e 2020 importa e precisamos de um diálogo Talanoa bem sucedido.

No próximo ano, esperamos que a Polônia honre o espírito de Paris. Eu estava em Varsóvia alguns dias atrás e encontrei muitos empresários, campeões de energia renovável e mobilidade elétrica. Foi surpreendente encontrar uma nova geração polonesa que quer trabalhar e prosperar em uma Polônia livre dos combustíveis fósseis. A COP24 será uma oportunidade para o governo demonstrar que está ouvindo as vozes dentro e fora do país que querem que o Acordo de Paris seja bem-sucedido.”

Laurence Tubiana, CEO da European Climate Foundation
“Não há tempo a perder. Fomos duramente lembrados da urgência de ampliar nossa ação coletiva climática pelos devastadores impactos climáticos em todo o mundo este ano. Mas o compromisso contínuo com a ambição climática na economia real, por exemplo, pela coalizão dos atores não estatais dos Estados Unidos, We Are Still In, mostrou que podemos superar os desafios que encontramos nesta jornada. Será fundamental que os países aproveitem os próximos eventos entre hoje e a COP24 – incluindo a Cúpula do Clima em Paris, a Cúpula da Califórnia e o G7 e o G20 – para realmente avançar em questões pendentes para que possamos dar confiança aos cidadãos, empresas e investidores que alcançaremos nosso objetivo comum no prazo”.

Patricia Espinosa, Secretária Executiva da UNFCCC
“Sabemos por experiência que colocar as mulheres no cerne da luta contra as mudanças climáticas pode resultar em ações mais impactantes, equitativas e sustentáveis. O Plano de Ação de gênero é projetado para fazer exatamente isso. Destaca e apoia o papel que as mulheres podem e efetivamente desempenham na construção de resiliência e adaptação aos impactos das mudanças climáticas. Ele focaliza a atenção global sobre como podemos transformar palavras em ações “.

Camilla Born, consultora sénior de políticas, E3G
“Os resultados modestos das negociações deste ano aumentam as exigências para os países. O diálogo Talanoa intensificará seus esforços no próximo ano, alternando o mecanismo de ambição de Paris. O mundo real está se preparando para uma maior ação climática, os países agora precisam estabelecer as regras para dar a clareza que ajuda os governos a planejar suas economias e dá certeza aos investidores”.

Christiana Figueres, ex-Secretária Executiva da UNFCCC e Coordenadora da Missão 2020
“Os eventos na COP23 mostraram mais uma vez que a descarbonização global é irreversível e não pode ser impedida. A nova aliança para deixar o carvão no passado com uma transição justa, o cruzamento da marca de US$ 100 bilhões em títulos verdes para este ano e os múltiplos anúncios de corporações e instituições financeiras estão aumentando a evidência da transformação exponencial “.

Sharan Burrow, Secretária Geral da Confederação Sindical Internacional. 
“O apoio às políticas de transição justa é agora visível e robusto entre todos os stakeholders no clima: de grupos ambientais a empresas, de governos regionais a nacionais. A importância de um pacto social como motor de economia de baixo carbono significa que podemos melhorar a ambição, de acordo com o que a ciência nos diz. 2018 é o ano em que as promessas de entregar uma transição justa precisam se tornar reais para milhões de trabalhadores e comunidades. Diante da COP 24 em Katowice, na Polônia, os sindicatos estão pedindo um “plano de ação de Katowice para a Transição Justa”.

Mohamed Adow, Líder Internacional do Clima de Christian Aid
“A cúpula de Bonn viu as nações europeias começarem a se separar das ações tóxicas de Donald Trump. A recém-lançada Powering Past Coal Alliance incluiu uma série de nações da UE, como a França, a Itália e o Reino Unido. A UE precisa construir sobre isso e levar a bandeira para maior ambição climática para a reunião do próximo ano em Katowice. Com a cúpula do clima em 2018, que se realiza em solo da UE, haverá maiores expectativas para os países europeus. Um bom começo seria ter todos os países da UE ratificando a Emenda de Doha até meados de 2018, concentrando-se nas ações anteriores a 2020 e que estando pronto para aumentar suas promessas do Acordo de Paris no Diálogo Talanoa na Polônia “.

Alden Meyer, Diretor de Estratégia e Política, Union of Concerned Scientists 
“Nas negociações sobre o clima deste ano, a presidência da Fiji nos ajudou a construir os veículos necessários para nos levar a um futuro de energia limpa. Agora cabe aos ministros e chefes de Estado preencher essas embarcações com maior ambição sobre as ações climáticas, de modo a reduzir a diferença substancial entre os compromissos que os países propuseram para reduzir suas emissões e o nível de ambição muito maior necessário para atender a temperatura metas de limitação estabelecidas no Acordo de Paris. Registaram-se progressos no desenvolvimento das regras de implementação do Acordo de Paris, mas o ritmo das negociações deve aumentar consideravelmente se o livro de regras for finalizado na conferência do clima em Katowice, Polônia, em dezembro próximo. Pouco avanços foram feitos sobre a questão crítica de aumentar a capacidade financeira e apoio à construção de cidades para ajudar os países em desenvolvimento a implantar energia limpa e outras soluções climáticas e a se adaptarem aos impactos crescentes das mudanças climáticas; esta deve ser uma prioridade muito maior no futuro. Felizmente, os chefes de estado e ministros terão inúmeras oportunidades ao longo do próximo ano para demonstrar uma verdadeira liderança climática. “

Li Shuo, Senior Climate Policy Advisor do Greenpeace China 
“A COP do Pacífico foi uma estação no trilho de aspiração da China de se tornar um líder do clima. Os diplomatas de Pequim aprovaram o teste, mas eles precisam acelerar. Embora gerenciar a transformação de um país em desenvolvimento para uma potência global responsável seja um exercício de décadas, a liderança climática exige urgência. Em 2018, os olhos se voltarão cada vez mais para a China para demonstrar maior liderança na conclusão do livro de regras de Paris e mostrar sua intenção de melhorar a ambição climática do país. “

Maarten van Aalst, Head of Delegation for the International Federation of Red Cross and Red Crescent Societies (IFRC) and Director of the Red Cross Red Crescent Climate Centre 
“Nesta COP, vimos novas e emocionantes parcerias para construir a resiliência que emergem entre governos, multilaterais, setor privado, sociedade civil e comunidades locais. Ministros, CEOs dos maiores investidores e companhias de seguros, mas também prefeitos, líderes da Cruz Vermelha e vozes locais se reúnem em torno de uma mensagem: precisamos aumentar o investimento em resiliência climática, de milhões a bilhões e até trilhões de dólares. A taxa mortal e dispendiosa dos recentes desastres mostra que temos que fazer melhor. Devemos reduzir as emissões mais rapidamente, mas especialmente investir mais na construção de resiliência. E enquanto a COP23 apresentou algum progresso, a ação real deve acontecer no mundo real, começando pelas comunidades mais vulneráveis. Seremos medidos não pelos resultados de duas semanas de negociações, mas pelo impacto gerado por nosso apoio à construção de cidades para ajudar os países em desenvolvimento a implantar energia limpa e outras soluções climáticas e a se adaptarem aos impactos crescentes das mudanças climáticas; Esta deve ser uma prioridade muito maior no futuro. Felizmente, os chefes de estado e ministros terão inúmeras oportunidades ao longo do próximo ano para demonstrar uma verdadeira liderança climática. “

    1 comentário

1 comentário

  1. Ralph

    20 de Novembro de 2017 as 1:00

    É bom ver toda a positividade mostrada pelos participantes e pelos especialistas. Porém, o que importa mais será a vontade de alocar o dinheiro suficiente para solucionar alguns dos problemas. Receio que vamos avançando lentamente para uma posição na qual quase todos os atores reconheçam que está tarde demais para prevenir aquecimento perigoso e que será melhor se adaptar às mudanças o melhor que for possível.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo