Sociedade

FLAD promove formação em enfermagem na Universidade de STP

Projecto de capacitação institucional ‘Mudar para Melhor’ permite licenciatura em Enfermagem na Universidade de São Tomé e Príncipe (USTP);

Aquisição de materiais dão nova vida ao Laboratório de Prática Simulada, na USTP, que receberá agora estudantes de Enfermagem na cidade de São Tomé.

A Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) e a Escola Superior de Enfermagem São Francisco das Misericórdias (ESESFM), no decorrer de um protocolo de cooperação assinado com a Universidade de São Tomé e Príncipe (USTP), apresentaram hoje um balanço do projecto ‘Mudar para Melhor’ que visou a criação da licenciatura em Enfermagem no país.

A parceria teve por base uma missão de especialistas da ESESFM a São Tomé e Príncipe para a realização de um diagnóstico das áreas mais carenciadas na formação dos profissionais de Enfermagem e para a identificação de oportunidades de aprendizagens para as práticas clínicas. O resultado foi a construção dos planos curriculares dos dois cursos agora executados: a licenciatura em Enfermagem e o curso de Complemento de Formação em Enfermagem (dois níveis).

As duas formações permitirão formar novos profissionais e, ao mesmo tempo, requalificar, em termos académicos, os enfermeiros em actividade no território são-tomense.

A licenciatura, que teve início a 17 de Setembro, incluirá aulas práticas a decorrer no Laboratório de Prática Simulada da USTP, agora reequipado pela FLAD e pela ESESFM. O apetrechamento do Laboratório de Prática Simulada foi concretizado pela aquisição de modelos anatómicos e de simulação para a prática de procedimentos técnicos; monitores de avaliação de parâmetros vitais; desfibrilhadores automáticos externos para a formação; manequins de adulto e criança para manobras de Suporte Básico de Vida; entre outros materiais hospitalares. O laboratório proporcionará aos estudantes o treino em ambiente controlado e simulado, antes destes iniciarem as práticas clínicas em contexto hospitalar.

“A formação permitirá que os enfermeiros são-tomenses acedam a um corpo de conhecimentos científicos e técnicos que lhes proporcionará o domínio de competências profissionais, com contributos para a qualidade dos cuidados de saúde prestados em São Tomé”, refere Sandra Queiroz da ESESFM.

Para Vasco Rato, Presidente da FLAD, esta foi “mais uma aposta ganha do programa FLAD África, que tem permitido capacitar os países lusófonos em áreas-chave para o seu desenvolvimento, tais como a Saúde, a Educação e Ensino Superior ou o Turismo”.

Fonte – FLAD

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo