Sociedade

Novo recorde de emissões globais de dióxido de carbono depois de forte alta em 2018

Estima-se que as emissões globais de dióxido de carbono de combustíveis fósseis e indústria aumentem pelo segundo ano consecutivo em 2018, em mais de 2%, para um novo recorde, principalmente devido ao crescimento sustentado do uso de petróleo e gás, segundo um estudo científico divulgado nesta quarta-feira.

A projeção do Projeto Global de Carbono (Global Carbon Project) estima que as emissões de CO2 subirão 2,7%, com uma margem de incerteza entre 1,8% e 3,7%. Em 2017, as emissões de carbono cresceram 1,6% após um hiato de três anos.

Essas descobertas vêm do Orçamento Global de Carbono (Global Carbon Budget) de 2018, publicado na quarta-feira pelo Global Carbon Project, nos periódicos Nature, Environmental Research Letters e Earth System Science Data. O GCP é patrocinado pelo Future Earth e pelo World Climate Research Program.

O anúncio acontece no momento em que as nações se reúnem em Katowice, na Polônia, para as negociações anuais do clima das Nações Unidas (COP24).

O rápido crescimento das tecnologias de baixo carbono ainda não é suficiente para fazer com que as emissões globais atinjam o pico, muito menos para impulsionar as emissões agressivamente para baixo, conforme exigido pelo Acordo de Paris (aquecimento global “bem abaixo de 2 ° C”).

“O aumento de emissões de CO2 fóssil em 2018 nos coloca em uma trajetória de aquecimento que atualmente está além dos 1,5 ° C”, alerta a pesquisadora Corinne Le Quéré, diretora do Centro Tyndall de Pesquisa sobre Mudança Climática da Universidade de East Anglia. “Não é suficiente apoiar as energias renováveis. A energia fóssil precisa ser eliminada e os esforços para descarbonizar precisam ser expandidos em toda a economia ”.

Esse crescimento nas emissões globais de CO2 coloca em risco as metas estabelecidas no Acordo de Paris. De acordo com o IPCC, para limitar o aquecimento bem abaixo de 2 ° C, as emissões de CO2 devem cair cerca de 20% até 2030 e chegar a zero em torno de 2075. Para limitar o aquecimento abaixo de 1,5 ° C, as emissões de CO2 devem diminuir em 50% até 2030 e chegar ao zero líquido por volta de 2050.

As emissões globais de CO2 fóssil (combustíveis fósseis, indústria e cimento) cresceram mais de 3% ao ano nos anos 2000, mas o crescimento desacelerou desde 2010, e de 2014 a 2016 as emissões permaneceram relativamente estáveis, com apenas um leve aumento. Mas o crescimento da energia global, especialmente em petróleo, gás e carvão, está efetivamente superando os esforços de descarbonização, impulsionado pelo aumento do uso de carvão e aumento da demanda por transporte pessoal e de cargas, aviação e transporte marítimo.

“O aumento contínuo das emissões globais é profundamente preocupante. O recente relatório do IPCC sobre o risco de aquecimento de 1,5 grau centígrado foi um alerta sombrio, mesmo para muitos de nós da ciência ”, disse a diretora executiva da Future Earth, Amy Luers. “Esta notícia é particularmente difícil, quando está claro que temos a tecnologia, o conhecimento e a visão de negócios para reduzir nossas emissões exponencialmente. Combater as alterações climáticas tornou-se agora uma opção ganha-ganha. Nós só precisamos começar o caminho vencedor. ”

Embora o uso global de carvão ainda seja 3% menor do que seu pico histórico, espera-se uma elevação em 2018, impulsionada pelo crescimento do consumo de energia na China e na Índia. O uso de petróleo e gás cresceu quase inabalável na última década. O consumo de gás foi impulsionado por quedas no uso de carvão e aumento da demanda por gás na indústria. O petróleo é usado principalmente para abastecer o transporte pessoal e de cargas, aviação e transporte marítimo, e para produzir produtos petroquímicos.

O coautor do orçamento Glen Peters, diretor de pesquisa da CICERO em Oslo, que liderou um dos estudos, disse: “O aumento das emissões em 2017 podia então ser visto como um ponto for a da curva, mas a taxa de crescimento em 2018 é ainda maior e está ficando claro que o mundo está falhando em seu dever de seguir um caminho consistente com as metas estabelecidas no Acordo de Paris em 2015. ”

O orçamento de carbono de 2018 num relance:

A concentração atmosférica de CO2 está programada para atingir 407 ppm, em média, em 2018, 45% acima dos níveis pré-industriais.

As emissões chinesas, responsáveis por 27 por cento das emissões globais, devem crescer cerca de 4,7 por cento (2,0 por cento a 7,4 por cento) em 2018, atingindo um novo pico histórico. O crescimento renovado das emissões na China parece estar intimamente ligado à atividade de construção e ao estímulo econômico.

“Havia esperança de que a China estivesse se afastando rapidamente da geração de energia a carvão, mas os últimos dois anos mostraram que não será tão fácil para a China se despedir rapidamente do carvão. É provável que o carvão domine o sistema energético chinês nas próximas décadas, mesmo que o crescimento vertiginoso observado em meados dos anos 2000 não retorne ”, analisa Jan Ivar Korsbakken, pesquisador sênior do Centro CICERO de Pesquisa Internacional sobre o Clima, em Oslo.

As emissões dos EUA, responsáveis por 15 por cento das emissões globais, devem crescer cerca de 2,5 por cento (+0,5 por cento a +4,5 por cento) em 2018 (com base nos números do EIA), após vários anos de redução. Isso se deve em grande parte às condições climáticas que exigem mais aquecimento nos meses frios e mais resfriamento em meses quentes. Espera-se que as emissões norte-americanas diminuam novamente em 2019, indicando que gás barato, eólica e solar continuarão a substituir o carvão.

As emissões indianas, responsáveis por 7% das emissões globais, devem continuar com seu forte crescimento, com cerca de 6,3% (4,3% a 8,3%) em 2018, com crescimento em todos os combustíveis (carvão + 7,1%, petróleo +2,9%, gás + 6,0%).

As emissões da União Europeia, responsáveis por 10% das emissões globais, parecem estar em um pequeno declínio de -0,7% (-2,6% a 1,3%) em 2018, bem abaixo dos declínios de -2% ao ano sustentados na década até 2014.

Resto do mundo. Os 42% restantes das emissões globais devem crescer 1,8% (0,5% a 3,0%) em 2018.

Os dez maiores emissores foram a China, os EUA, a Índia, a Rússia, o Japão, a Alemanha, o Irã, a Arábia Saudita, a Coreia do Sul e o Canadá, com os 28 países da União Europeia em terceiro lugar (detalhes completos para os 20 maiores emissores na tabela abaixo).

Houve também uma boa notícia no relatório: em 19 países representando 20% das emissões globais, as emissões caíram sem que houvesse diminuição no Produto Interno Bruto (PIB) na última década. Estes foram: Aruba, Barbados, República Tcheca, Dinamarca, França, Groenlândia, Islândia, Irlanda, Malta, Holanda, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Suécia, Suíça, Trinidad e Tobago, Reino Unido, EUA e Uzbequistão.

O Orçamento Global de Carbono é produzido por 76 cientistas de 57 instituições de pesquisa em 15 países que trabalham sob o guarda-chuva do Global Carbon Project (GCP). O orçamento, agora em seu 13º ano, fornece uma visão detalhada da quantidade de combustíveis fósseis que as nações ao redor do mundo queimam e onde isso acaba.

Publicações: Este comunicado de imprensa faz parte do Global Carbon Budget 2018, a atualização anual do Global Carbon Project. É baseado nas análises:

Acesso ao material:

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo