Sociedade

Queda do avião da Etiópia – ONU coloca bandeira meia-haste

PARCERIA / Téla Nón – Rádio ONU

Departamento de Proteção e Segurança das Nações Unidas anunciou que pelo menos 21 funcionários da organização morreram no acidente; queda que aconteceu minutos após decolagem matou mais de 150 pessoas a bordo de Boeing 737.

Bandeiras em escritórios das Nações Unidas no mundo estão esta segunda-feira a meio mastro em homenagem aos trabalhadores da organização e de agências do Sistema da ONU que morreram na queda do Boeing 737 da Ethiopian Airlines.

Com a ação, a organização presta tributo “ao compromisso e às contribuições” pelo serviço desses funcionários que perderam a vida no voo que caiu no domingo após decolar da capital etíope, Addis Abeba, matando mais de 150 pessoas a bordo.

Segurança

Segundo o Departamento de Salvaguarda e Segurança das Nações Unidas, Undss,  pelo menos 21 funcionários da organização morreram no acidente.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, perdeu sete funcionários. Da Agência da ONU para Refugiados, Acnur, morreram dois, o mesmo número que a União Internacional de Telecomunicações, UIT.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, a Organização Internacional para as Migrações, OIM, no Sudão, o Banco Mundial e a Missão de Assistência da ONU na Somália, Unsom, perderam um funcionário cada um. Seis trabalhadores do Escritório das Nações Unidas em Nairobi, Unon, também morreram.

Na capital queniana,  os funcionários das Nações Unidas observaram um momento de silêncio em homenagem às vítimas do acidente da companhia aérea etíope. A diretora-geral da Maimunah Sharif  expressou a solidariedade de todos  os trabalhadores com as vítimas.

Pessoal

Em comunicado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que ficou “profundamente triste com a trágica perda de vidas”.

Guterres transmitiu suas “sinceras condolências e solidariedade” às famílias e entes queridos das vítimas, incluindo os membros da equipe das Nações Unidas, ao governo e ao povo da Etiópia.

O avião Boeing 737 Max 8, com destino à capital queniana Nairobi, descolou às 8h44, do horário local, e seis minutos depois perdeu o contacto com o controle de tráfego aéreo no Aeroporto Internacional de Bole, em Addis Abeba. O aparelho transportava passageiros de mais de 35 países.

 

    1 comentário

1 comentário

  1. Ralph

    12 de Março de 2019 as 3:52

    Que tragédia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo