Sociedade

Portugal inaugura energia renovável e pólos de apoio social em Caué e Cantagalo

Esta sexta feira, a cooperação portuguesa em São Tomé e Príncipe, revela a intensidade das suas acções no território nacional, mais concretamente no distrito de Caué, considerado como a região mais pobre do país.

Numa nota enviada à redacção do Téla Nón, o serviço de cooperação da embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe, diz que por volta das 10 horas desta sexta feira, «será inaugurado em Porto Alegre, Distrito de Caué, o sistema de energia fotovoltaica do Centro de Estudos Educativos (CREF)».

Inauguração de uma infraestrutura, que garante energia limpa, para uma unidade do sistema de ensino de Porto Alegre, fundada pela ONG portuguesa, Leigos para o Desenvolvimento no ano 2012.  «Permite ter energia 24 horas, e alarga assim a sua capacidade horária de funcionamento. O Centro de Estudos Educativos, serve as comunidades de Porto Alegre, Vila Malanza, Ponta Baleia e Ilhéu das Rolas, disponibilizando formação, capacitação e qualificação profissional em diferentes áreas, acesso à informática e prestação de serviços», explica a embaixada de Portugal.

O sistema de energia fotovoltaica que alimenta o Centro de Estudos Educativos em Porto Alegre foi financiado pelo Ministério do Trabalho. Solidariedade e Segurança Social de Portugal em parceria com a Embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe.

A unidade de energia renovável, que dá luz ao centro educativo das populações do sul da ilha de São Tomé, será inaugurado pelo embaixador de Portugal Luis Gaspar da Silva na companhia  de Firmino João Presidente da autarquia de Caué.

A antiga grande Roça Dona Augusta também no sul da ilha de São Tomé será o próximo destino da acção de inauguração de infraestruturas de apoio social financiadas pela cooperação portuguesa. «Decorrerá a inauguração do parque infantil oferecido pela Embaixada de Portugal à Escola Básica de Dona Augusta», confirma a nota da embaixada de Portugal.

28 crianças frequentam a escola básica de Dona Augusta, «com o novo parque infantil, constituído por escorrega, casinha, baloiço e balancé, as crianças de Dona Augusta têm agora à sua disposição um espaço de recreio e lazer, onde podem passar os seus tempos livres», explica a embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe.

A creche da comunidade de Dona Augusta vai também receber prendas. A cooperação portuguesa diz que serão ofertados cavalinhos e canoas de baloiços «aos meninos que a frequentam».

Com o embaixador de Portugal Luís Gaspar da Silva, a liderar a comitiva da cooperação portuguesa, a despedida do distrito de Caué será feita no terreiro da roça Dona Augusta. Pois a caravana da cooperação portuguesa seguirá viagem para o distrito de Cantagalo, mais concretamente a vila da Ribeira Afonso.

Segundo a nota da embaixada de Portugal, na Ribeira Afonso será inaugurada a cozinha do Centro Social de Apoio à Infância da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe. «A construção foi financiada pela Embaixada de Portugal».

O centro social de apoio a infância da Ribeira Afonso, conta com 4 salas de aulas e segundo os dados da cooperação portuguesa, garante o apoio diário a 120 crianças, dos 3 aos 5 anos. «Crianças da Ribeira Afonso e de 7 roças vizinhas, às quais fornece 2 refeições quentes, de segunda a sexta feira», detalha a cooperação portuguesa.

A nova cozinha do centro social de apoio à criança garante higiene e melhora a qualidade da alimentação das crianças.

Acácio Elba Bonfim Provedor da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe juntar-se-a ao embaixador de Portugal, para inaugurar a nova cozinha do centro social de apoio à infância na Ribeira Afonso.

Esta sexta – feira a cooperação portuguesa estará nos terrenos dos distritos de Caué e Cantagalo, em inauguração de projectos de apoio social, às populações mais desfavorecidas do país.

Abel Veiga

    7 comentários

7 comentários

  1. TonyexMk

    14 de Março de 2019 as 16:00

    Pois se não vem de fora não há nada!!!

    Isto 43 anos depois.

    Vergonha

    • Ralph

      14 de Março de 2019 as 23:41

      Isso é verdade. Ao meu ver, as iniciativas são muito boas, o fornecimento de energia renovável e a alimentação de crianças sendo objetivos admiráveis. É sempre bom receber prendas de amigos e estou certo que a realização dos projetos deveriam dar fruto, pelo menos no início, quando tudo é novo e brilhante. Porém, o problema virá quando as instalações precisarem de ser mantidas e o governo e as instituições próprias não tiverem o dinheiro necessário para efetuar a manutenção. Naquela época, as instalações agora brilhantes vão provavelmente estar em condições deploráveis e mais ajuda financeira vai ser necessário para as trazer mais uma vez à atualidade. E vai continuar o cíclo vicioso de dependência dos outros para surprir as necessidades. São Tomé e Príncipe não é o único país nesta situação e é difícil ver uma maneira para escapar dessa situação.

  2. Assim só já perdeu!

    14 de Março de 2019 as 16:31

    Vocês criticam tudo?? Isso é muito bom para o País! Não importa de onde vem!

  3. Carcavelhos Carnslibis

    14 de Março de 2019 as 21:31

    Projectos de grandes valia social e economica pela incomensuravel poupanca em combustible e manutencao de geradores. Mas fiquei com uma pulga atraz da orelha. Nao foram apresentados os numeros tecnicos do projecto fotovoltaico:quantos watts e quantas baterias comporta, bŵm Como a capcidade em watts do seu inversor. Estes dados Sao Importantes para se auferir sobre a capcidade instalada bem como a sua robustez o que Poderia servir de referencia para preparacao da sua posterior manutencao sobretudo na substituicao das baterias daqui a 4 – 5 anos. Por outro lado, estes dados tecnicos bem como o seu custo poderao servir de referencia para o Governo assim como os outros actores locais caso queiram multiplica-los noutras regioes do pais. E bom alertar para o lado oculto dos projectos fotovoltaico de grandes dimensoes: como se desfazer das baterias quando danificadas de forma segura sem se agredir o ambient? Estara o pais preparado? O Governo deve iniciar o grande projecto fotovoltaico com essas pequenas iniciativas. E So Orar Que VAI DAR Tudo CERTO.

    • João Baptista

      14 de Março de 2019 as 22:45

      Meu caro, foi a minha empresa que projectou e instalou a central foto voltaica, dentro das condições monetárias disponíveis, oferecendo a montagem e equipamentos superiores ao valor do projeto. Somos a empresa com mais kW solares instalados em STP, a vários anos em funcionamento.

  4. João Almeida

    15 de Março de 2019 as 13:14

    Boa notícia.

  5. J. Fernandes

    15 de Março de 2019 as 15:22

    Quando se faz uma nuticia e imperativo que se mostra as imagens
    desculpe mais o joenal esta incompleto .

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo