Sociedade

Guardiões d´Ôbô nascem para proteger a biodiversidade em São Tomé

Ôbô, é a designação no crioulo santomé, para a floresta virgem, o parque natural. Cada dia mais ameaçado pelos caçadores furtivos, e pelos serralheiros em busca de madeira para construção civil, o Ôbô de São Tomé vai ter guardiões.

No quadro do projecto financiado pela União Europeia, a BirdLife Internacional, executora do projecto de protecção da biodiversidade em São Tomé, formou 31 guardiões para o Ôbô.

Segundo Jean Baptiste, representante da BirdLife os guardiões têm a missão de garantir a segurança da fauna e da flora da ilha de São Tomé. Os guardiões vão combater caça furtiva. Vão combater a colheita das espécies ameaçadas, e têm também a missão de estancar o abate das árvores.

A intervenção dos guardiões não estará limitada ao parque natural, Ôbô. Vão actuar também na zona tampão do parque natural.

Dos 31 homens e mulheres formados para serem guardiões d´Ôbô, pelo menos 10 vão ser recrutados imediatamente, para dar início às operações no terreno.

A BirdLife, avisou que os guardiões não substituem os agentes da polícia, nem outros agentes ou forças do Estado.

Os guardiões vão trabalhar para preservar a biodiversidade de São Tomé. Um património que alimenta e dá vida ao turismo sustentado. Eugénio Neves, líder da plataforma de turismo sustentável, declarou o envolvimento da sua ONG, no projecto executado pela BirdLife.

«Nós avançamos porque faz parte do nosso objectivo contribuir para a gestão do parque natural. E encontramos um parceiro que acabou por financiar este projecto», pontuou.

O Governo santomense, aproveitou a ocasião para manifestar que está comprometido com a protecção do presente e do futuro da ilha de São Tomé. «Temos que travar um combate sério, responsável e de forma coordenada contra o abate indiscriminado de árvores…», afirmou o Ministro da Agricultura Pescas e Desenvolvimento Rural.

O Ministro Francisco Ramos, prometeu dar atenção especial a sensibilização da população sobre a necessidade da conservação do meio ambiente florestal e a biodiversidade.

Note-se que com financiamento da União Europeia, a BirdLife, começou nas últimas semanas a implementar em São Tomé, o projecto de construção de centros estratégico para fiscalização das actividades de abate de árvores e de roubo da produção agrícola no meio rural.

Um projecto de fiscalização da zona florestal e de cultivo, que conta com o envolvimento das forças policiais e do exército.

Abel Veiga

    2 comentários

2 comentários

  1. Ralph

    10 de Fevereiro de 2021 as 4:02

    Muito boa iniciativa. A natureza tem de ser protegida para as gerações futuras.

  2. Vanplega

    10 de Fevereiro de 2021 as 20:52

    Depois da casa roubada tranca-se as portas

    Obrigado senhor Miguel Trovoada e senhor Maria das Neves
    Pelo que fizeram as nossas ROÇAS, pela destruiçāo da nossa FLORESTAS.

    Nance cà paga dèçu eh lè

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo