Sociedade

Jornada do Dia Mundial da Alimentação em STP

Até 30 de Outubro  decorre em São Tomé e Príncipe, a Jornada do Dia Mundial da Alimentação.

O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional de São Tomé e Príncipe (CONSAN), é um dos organiadores da jornada do dia mundial da alimentação. O Ministério da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural (MAPDR) em parceria com o Programa Alimentar Mundial (PAM), são outros parceiros envolvidos na jornada.

No âmbito da comemoração do Dia Mundial da Alimentação, assinalado no passado dia 16 de outubro, foram lançadas diversas iniciativas conjuntas entre o Programa Alimentar Mundial, e o Ministério da Agricultura Pescas e Desenvolvimento Rural, nomeadamente , o Diagnóstico Territorial da Agricultura Familiar de São Tomé e Príncipe, o Inquérito Agropecuário e o Website do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

O Diagnóstico Territorial, foi um dos primeiros temas que foi desenvolvido nas instalações do CATAP. A cerimónia foi presidida pelo Ministro, Francisco Ramos, e coadjuvado pela Representante Interina do PAM, Yasmin Wakimoto.

O Diagnóstico Territorial é um exercício de mapeamento da agricultura familiar realizado pela primeira vez no país com o financiamento do Programa Alimentar Mundial.

Este mapeio visa conhecer os principais sistemas de agricultura familiar existentes em São Tomé e Príncipe e propor políticas públicas de apoio aos agricultores. Da mesma forma, a identificação dos perfis de agricultores e produção existentes no país permitirão uma conexão mais fácil com o Programa Nacional de Alimentação e Saúde Escolar, o PNASE – ou seja, será possível identificar quais produtos e em quais áreas o PNASE pode comprar da agricultura familiar para servir a  merenda nas escolas.

O Ministro da Agricultura Francisco Ramos sublinhou a importância desta ferramenta para o o sector agrícola do país.

«Esta abordagem territorial é mais adequada para garantir acesso aos alimentos seguros e nutritivos para todos, mudar para padrões de consumo sustentáveis, impulsionar a produção positiva para natureza, promover meios de subsistência equitativos e criar resiliência e vulnerabilidade em choques», afirmou o ministro da agricultura.

O Ministro agradeceu ainda pela parceria contínua com o PAM: «(…) assim que tivemos o surgimento da Covid-19 – que foi para nós uma guerra –o PAM se predispôs a oferecer escudos para vencermos esta guerra. Prometeu-nos e atribui-nos armas para nós podermos vencer esta guerra. PAM foi o piloto do piloto, a primeira organização que facilitou-nos um levantamento de qual produção que nós tínhamos, que quantidade de alimentos nós tínhamos e onde estavam (…)..Portanto, o PAM possibilitou-nos fazer esse trabalho e nós publicamente agradecemos este apoio», pontuou Francisco Ramos.

Yasmin Wakimoto, por sua vez, ressaltou que o trabalho do PAM em São                                        Tomé e Príncipe é centrado em dois pilares principais que são equivalentes aos dois objetivos do diagnóstico territorial: trabalhar ao lado do Ministério da Agricultura e da sociedade civil na construção de melhores políticas para a agricultura familiar e local; e, por outro lado, apoiar no fortalecimento das capacidades do Programa Nacional de Saúde e Alimentação Escolar, junto ao Ministério da Educação.

«É igualmente importante para nós fazer a ponte entre esses dois pilares e entender como a agricultura familiar pode fornecer cada vez mais produtos frescos, de qualidade para o PNASE e como o PNASE pode se tornar um programa cada vez mais sólido para beneficiar as crianças das famílias de produtores rurais – mesmo nas áreas mais remotas do país», sublinhou.

Sobre a parceria com o ministério da agricultura, pescas e desenvolvimento rural, a Representante Interina do PAM frisou que a missão do PAM em São Tomé e Príncipe é trabalhar junto ao governo para aprimorar cada vez mais a cadeia que vai da produção de alimentos ao consumo, sempre colocando as populações alvo dessas ações em primeiro lugar.

«Nós acreditamos que hoje, com o lançamento desse estudo, estamos um passo mais perto desse objetivo», concluiu Yasmin Wakimoto.

Fonte : PAM em São Tomé e Príncipe 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo