Sociedade

INAC defende compensações para a AFRIJET continuar a voar entre STP e a sub-região

O Instituto Nacional de Aviação Civil, INAC, interveio no litígio entre a Empresa Nacional de Aeroportos (ENASA) e a companhia aérea sub-regional a AFRIJET, para por água na fervura.

O litígio entre a ENASA e a AFRIJET provocou a suspensão dos voos da companhia aérea que ligava São Tomé à Libreville-Gabão e a Douala nos Camarões.

No dia 22 de Março a companhia AFRIJET com sede em Libreville publicou um comunicado dando conta que suspendeu as suas operações em São Tomé, por alegada degradação do clima operacional no aeroporto de São Tomé.

Após 6 anos de operações ininterruptas em São Tomé, a companhia aérea sub-regional, protestou contra a decisão da ENASA de reter o seu aparelho, exigindo o pagamento de cerca de 200 mil euros de taxas aeroportuárias em atraso.

A companhia privada gabonesa AFRIJET, ripostou considerando as acusações da ENASA como caluniosas, e decidiu suspender sine die as suas operações em São Tomé.

Vladimir Vera Cruz(na foto) administrador técnico do INAC garantiu para o Téla Nón que a instituição que fiscaliza as operações aéreas no país, conseguiu aproximar as duas partes em litígio.

«Já tivemos reuniões conjuntas com a ENASA e AFRIJET, e da forma cordial como se deu e esses encontros tudo leva a crer que haverá solução», afirmou Vladimir Vera Cruz.

Segundo o INAC o ministro das infra-estruturas Osvaldo Abreu também participa nas negociações. O Estado são-tomense já manifestou para a AFRIJET o reconhecimento do esforço feito pela companhia aérea em assegurar a ligação entre São Tomé e Príncipe e a sub-região em momentos difíceis.

Fotografia de um aparelho da AFRIJET

«No período da Covid-19 em que o retorno era muito baixo, os dados estatísticos que temos aqui no INAC, indicam que a AFRIJET fez voos com 3 a 5 passageiros. O aparelho da companhia tem 32lugares. São voos não rentáveis. O INAC ao intervir disse que era preciso ver isto», realçou Vladimir Vera Cruz.

Compensações estão a ser preparadas para a AFRIJET. «O governo entende que isso deve ser reconhecido, e que temos que buscar formas de compensar a operadora, talvez com isenção suspensão temporária de alguma cobrança, isso está a ser estudado», pontuou.

A rota assegurada pela companhia gabonesa, é para o governo muito importante. O Administrador técnico do INAC diz ser uma rota de comércio que abastece o mercado nacional.

O aparelho utilizado pela AFRIJET tem uma forte componente cargo, ou seja, transportadora de cargas.

«A componente cargo era desenvolvida sobretudo para os Camarões. Os nossos comerciantes fazem compras no Togo ou nos Camarões e têm que trazer as mercadorias com certa urgência, e na questão de cargo, a AFRIJET é a única companhia que faz transporte de cargas para São Tomé», confirmou Vladimir Vera Cruz.

Governo prepara compensações que possam permitir a remota o mais breve possível dos voos da companhia AFRIJET.

Abel Veiga  

6 Comments

6 Comments

  1. Sotavento

    7 de Abril de 2022 at 8:52

    Quanto mais baixamos as calças mais se vê o c…
    Tristeza de país.

  2. Andorinha

    7 de Abril de 2022 at 9:25

    Si um fé mali ia cadela nai apô da sothi.
    O pessoal da enasa e MLSTP são arruaceiros foram bloquiar avião na pista para receberem dinheiro e ir comprar casa em Portugal, nos não temos nosso próprio avião estamos a fazer bobo porque ha tribunal para resolver as coisas .

  3. Matabala

    7 de Abril de 2022 at 12:26

    Kkk..Primeiro correm com eles ao pontapé sequestram aviao e usam de pressão para pagar dívidas – como se estado santomense fosse um anjinho a pagar suas dividas aos outros paises- se Sonangol resolve fazer o mesmo bem podemos puxar barco e ir para Gabão – depois vem oferecer biscoitinho aos gabones para voltar… kkkkkk. Já racharam dinheiro que afrijet pagou entre eles e agora já pedem para voltar.
    Relógios sem cabeça pa. Desorientação total. Esse país está em auto gestão faz tempo.quem paga desta desgovernacao total somos nós. Que vale é qye já falta pouco.

  4. Matabala

    7 de Abril de 2022 at 12:34

    Kkk..Primeiro correm com eles ao pontapé sequestram aviao e usam de pressão para pagar dívidas – como se estado santomense fosse um anjinho a pagar suas dividas aos outros paises- se Sonangol resolve fazer o mesmo bem podemos puxar barco e ir para Gabão – depois vem oferecer biscoitinho aos gabones para voltar… kkkkkk. Já racharam dinheiro que afrijet pagou entre eles e agora já pedem para voltar.
    Relógios sem cabeça pa. Desorientação total. Esse país está em auto gestão faz tempo.quem paga desta desgovernacao total somos nós. Que vale é que já falta pouco.

  5. WXYZ

    7 de Abril de 2022 at 16:28

    Necessario se torna reconhecer os erros. Pedir desculpas. Sancionar aqueles que estiveram implicados nesta vergonha desnecessaria. E acarinhar essa companhia aerea. Somos todos Africanos. Temos que desenvolver cooperacao Sul Sul.

  6. Nelo pontes

    8 de Abril de 2022 at 8:12

    Um país sem alternativas tem que saber negociar não pode entrar logo a matar. Aprendam com Cabo Verde.
    Agora será que os 55000 dólares que afrijet pagou foi para cofres de Estado?
    Por favor ministério público investigue a conta bancária de Gaudencio Costa.
    Esse calulu tem muito angu. Fui

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top