Opinião

Digam de vossa Justiça

O desafio que lanço ésimples,  éjusto dizer que “nunca tantos fizeram tão pouco”, pois tantos ministros da justiça ao longo de 3 décadas e a justiça estávelha, caducada, corrupta, mal formada arrogante, bisneira, porque ? Pode ou vamos deixar que assim continue ou vamos mudar ?

Os  ministros da justiça que jánão estão presentes seguramente estão perdoados pela lei da vida, e seguramente também haveráquem recorde o que fizeram ou não pela justiça.

O desafio éque venham justificar-se se quiserem ou se apresentem todos aqueles que os queiram  defender  e ao que fizeram, ou criticar seriamente o que não foram capazes de fazer.

Esse desafio nada tem contra as pessoas dos mencionados ministros da justiça mas sim com a sua ação política e com o seu contributo para o atual estado da justiça, sem falsos moralismos, sem ataques pessoais, unicamente para que se fique a saber quem foram o que fizeram pela justiça, quem são agora e o que fizeram e fazem pela justiça.

A lista publicada dos Ministros da Justiça de São Tomée Principe de 1975 a 2014, teve como fonte de 1975 a 2002 , Gerhart Seibert, na edição  de 2002 de Camaradas, Clientes e Compadres, Vega.

No governo provisório de Julho de 1975

Primeiro ministro da justiça, Manuel Quaresma dos Santos Costa

No governo de dezembro de 1975

Ministro da justiça e trabalho, Manuel Quaresma dos Santos Costa

No governo de setembro de 1976

Ministro da justiça, trabalho e previdência social, JoséFret Lau Chong

No governo de agosto de 1977

Não consta a pasta da justiça

No governo de outubro de 1978

Ministro da Justiça, Celestino Rocha da Costa

No governo de Junho de 1980

Ministro da Justiça , Celestino Rocha da Costa

No governo de janeiro de 1982

Ministro da Justiça, Celestino Rocha da Costa

No governo de janeiro de 1983

Ministro da Justiça, Manuel Vaz Fernandes

No governo de fevereiro de 1984

Ministro da Justiça, Manuel Vaz Fernandes

No governo de março de 1985

Ministro da Justiça, Francisco Fortunato Pires

No governo de fevereiro de 1986

Justiça e Função pública, Francisco Fortunato Pires

 

No governo de janeiro de 1987

Justiça e administração pública, Francisco Fortunato Pires

No governo de janeiro de 1988

Justiça e administração pública, Francisco Fortunato Pires

No governo provisório de fevereiro de 1991

Governo constitucional a partir de abril de 1991

Presidente da República a partir de abril de 1991, Miguel Trovoada

Justiça Trabalho e administração pública, Olegario Tiny  do PCD GR

 

 

No governo de maio de 1992

Justiça Trabalho e administração pública, Olegario Tiny do PCD GR

No governo de iniciativa presidência de Miguel Trovoada de Julho de 1994

Justiça e administração Pública, Alberto Paulino do MLSTP PSD

No governo de outubro de 1994

Justiça Trabalho e Administração Pública, Manuel Vaz Fernandes, MLSTP PSD

GNo governo de janeiro de 1996

Justiça Trabalho e Administração Pública, Gabriel Arcanjo F da Costa ADI

No governo de Novembro de 1996

Ministro da Justiça, Amaro Pereira de Couto MLSTP PSD

No governo de janeiro de 1999

Justiça e Assuntos Parlamentares, Paulo Jorge Rodrigues Espírito Santo (pajó) MLSTP PSD

No governo de iniciativa presidencial de setembro de 2001

Justiça Trabalho e Reforma administrativa, JoséPaquete Silva ADI

No governo de abril de 2002

Justiça Reforma do Estado e Administração Pública, Alda Alves Melo dos Santos MDFM PCD

De 2003 a 2014, sucederam-me no Ministério da Justiça Justino Tavares da Veiga, JoséCarlos Barreiros, Elsa Teixeira Pinto, Elísio D’ Alva Teixeira, e ainda em exercício a Ministra da Justiça, Administração Pública e Assuntos Parlamentares, Edite Ramos da Costa Tenjua.

Não  interessa qual o partido político em que se filiam ou qual a formação que possuem.

A todos os que foram ministros da justiça de São Tomée Príncipe, os santomenses devem dizer-lhes “de sua justiça”.

Carlos Semedo

    15 comentários

15 comentários

  1. VAMOS CONTINUAR MESMO ASSIM

    29 de Julho de 2014 as 10:40

    Para o próximo, quem sabe, SR. CARLOS SEMEDO. E a Terra vai continuar no bisneiro.

  2. ABU

    29 de Julho de 2014 as 10:55

    Meu caro C. semedo se queres a pasta da justiça é só dizeres ao Pinto ou quando ganhar o ADI solicitar ao Patrice…
    Garanto que não farias diferença…

    Eu te conheço e bem, andas a dar graxa para ganhar tacho….Fui

  3. Solrac

    29 de Julho de 2014 as 11:39

    Eis uma boa questão.
    Será que vai ter resposta? Quem não deve não teme, diz o ditado. Aguardemos com serenidade, mas não Leve Leve

  4. jose araujo

    29 de Julho de 2014 as 12:27

    Sendo do ADI acho que devemos ter cuidado com este Carlos Semedo. Como sabe que vamos ganhar eleições anda a mudar de opinião….
    Nunca ganhará a nossa confiança….
    Vai mais é cortar os cabelos….

  5. arelitex

    29 de Julho de 2014 as 15:08

    senhor Carlos Semedo no meu entender ,em STP é fácil perceber-mos que quase nada funciona .neste caso especifico ,( a justiça em STP ,só têm pernas para a incompetência e tudo relacionado com esse fim ). todos os ministérios sâo importantes ,mas para mim 3 estão na plataforma de cima ,e requerem um profissionalismo muito cuidado e acima do normal . ( ministérios ligados ao dinheiro ,defesa ,justiça ). estes ministérios sâo a mâe de todos os outros ministérios .se um destes ministérios nâo funcionar envenena todo o funcionamento do país . no caso da justiça ,só funciona a levar o profissionalismo ao extremo ,muito rigor ,severo e nâo ter medo de por todos os corruptos ,ladrôes ,no geral os inúteis ao país na prisão .mas com castigos a dobrar . todo o profissional da justiça que mete-se o pé em ramo verde ,seria preso com os outros . nesta matéria nâo há amigos nem familiares nem defendidos pela lei . ( no caso de juízes também defendo que sejam se possível homens e com eles no sítio ). um dos ministros descritos até pertence a uma das minhas vertentes familiares .mas foi tào incapaz e incompetente como os outros . concordo plenamente consigo a justiça em STP . têm que ser varrida de cima a baixo . o seu desafio é muito interessante e faz-nos pensar quem somos e porquê tanta falta de vontade em ser-mos bons profissionais ( chega de maus profissionais e incapazes ). obrigado

  6. manuel soares

    29 de Julho de 2014 as 21:26

    Aguardo pela sua nomeação para o cargo de ministro de justiça desta terra, para ver o que és capaz de fazer também

  7. Fia Luxiga

    30 de Julho de 2014 as 9:56

    Meu caro Carlos Semedo, isto é calcanhar do Aquiles para governação em S. Tomé e Príncipe e ao mesmo tempo é a chave para sucesso se queremos dar um passo rumo ao desenvolvimento.
    Parece que não mas tudo esta na Justiça, então vejamos se País possa aumentar a sua produção e a exportação mas se todas estas divisas forem desviado por alguém cm alto cargo politico e ninguém é chamado a responsabilidade nem condenado a repor a quantia desviada. Para que serve Aumentar produção? Qual organização que aguenta? Quais Identidade que continuará a financiar Economia? Ao meu ver a questão da Justiça e fundamental para desenvolvimento, por outro lado justiça não deve ter cor politica, nem estado social individual. Meso que seja Pai e filho ou vice-versa

  8. padre feliz

    30 de Julho de 2014 as 10:34

    Que as eleições venham depressa….
    Patrice Trovoada tenha cuidado com o Carlos Semedo…
    Esse individuo não presta…pode cuspir no prato que comeu…é um grande judas….

    • David

      1 de Agosto de 2014 as 15:40

      Eu farto-me de avisar o juíz Carlos José Semedo do Sacramento não presta.
      Tenham em atenção que eu sei o que digo. Conheço bem a peça.

  9. E Agora, Falo Eu.!?.

    30 de Julho de 2014 as 11:02

    Era bom que estes senhores emitissem as suas opiniões mas já sabemos que isso não acontecerá. Curioso nisso é que no partido único era frequente as remodelações governamentais, quase anuais. Será este o motivo pelo qual os presidentes, na dita democracia, não permitem que um governo não chegue ao final da legislatura?
    Uhm…

  10. me chavi

    30 de Julho de 2014 as 11:14

    O C. Semedo quando vem a Sao Tome passa tempo no passante e avenida ….tal como alguns preguiçosos deste País…ainda por cima é amigo da maioria dos politicos desta praça..
    Acham que iria mudar alguma coisa….vai mais é seguir a onda…

  11. mandja

    31 de Julho de 2014 as 0:52

    Acho que a sua idéia é optima…finalemente, o Carlos Semedo propõe de fazer um “CONSTAT”, que permite ver como tem evoluido ou não a justiça, quem foi mais apto neste posto, o que propôs, o que fez avançar, etc. Afinal, todos as pessoas citadas São juristas . Há alguns que sabemos de antemão, que nada fizeram …e todos sabemos quem São eles, por delicadeza não vale à pena de cita-los. Esperemos que não voltem a ocupar este posto ou um Outro posto de responsabilidade, será melhor para o país, STP .

    • Johnette

      27 de Agosto de 2014 as 2:05

      Thanks for your thhotugs. It’s helped me a lot.

  12. Minha Avô

    31 de Julho de 2014 as 18:21

    Meu caro Semedo, apesar do Gabriel ter uma boa formação jurídica, ter sido Ministro da Justiça e Bastonário da ordem dos Advogado,ele enquanto, Chefe do Governo não cumpre as decisões dos tribunais, incluindo acórdão do Supremo Tribunal. Ele não cumpre meus senhores. Uma vergonha!!! Temos vários exemplos. Isso é inadmissível. Quando começar a campanha vamos denunciar esses casos todos.

  13. bintoudjalo

    22 de Agosto de 2014 as 11:39

    Não é só o Gabriel q está em causa , porque os ditos juristas de formação conhecem e respeitam a lei só de boca pra fora…nada fizeram e fazem para o bem da justiça, há uns q dão maus exemplos : Lévy (malcriado sem educação), Pascoal Daio (o cambalacheiros que só pensa no dinheiro, “boquita mulata e copos), Varela (o corrupto oportunista tutu do P.T.), Tint(o complexado, avare, prefere ver a mulher morrer mas ñ tira 1 tostão para o médico), Agostinho (o manipulado), Edith Ten-jua( a pertubada psicologicamente,com colera incontrolável)…enfin, nenhum deles é credível….a teoria não acompanha a prática. Infelizmente é um facto! Mas todos querem dinheiro embora sejam preguiçosos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo