Destaques

Governo: OGE 2016 pretende estimular o crescimento

Desde quinta – feira que o Governo começou a debater no parlamento a proposta do Orçamento Geral do Estado para o ano 2016. Avaliado em 170 milhões de dólares, o Orçamento do Estado, foi definido pelo Primeiro-ministro Patrice Trovoada como sendo uma oportunidade para o relançamento da economia do país. O sector das infra-estruturas absorve mais de 20% das verbas inscritas para o investimento público.

Garantir o crescimento e empregos duradouros, é o objectivo que o Governo quer materializar através do Orçamento Geral do Estado. A proposta do Orçamento para este ano foi apresentada aos deputados pelo Primeiro-ministro, que anunciou a alocação de 20,3% das verbas para o sector das infra-estruturas e meio ambiente, como sendo a primeira prioridade.

O sector da Saúde vem a seguir com 14,1%. O Chefe do Governo destacou a modernização das infra-estruturas sanitárias e serviços hospitalares no centro de saúde de referência do país, o hospital Ayres de Menezes. «Assegurar uma melhor qualidade de serviço básico de saúde quer na vertente preventiva quer na curativa», afirmou Patrice Trovoada.

O sector da Educação também é outra prioridade do Orçamento para 2016, recebe mais de 12% das verbas, seguindo-se a agricultura com 6,56% e o sector da segurança com 4,2%.

Dos 170 milhões de dólares inscritos na proposta de Orçamento de Estado, Patrice Trovoada anunciou que 58,8% das despesas serão asseguradas por recursos internos e 41,2 % por recursos externos.

Mas tradicionalmente com os seus próprios recursos São Tomé e Príncipe só consegue financiar 10% do seu orçamento de Estado. «O alto nível de financiamento interno comparativamente com os anos anteriores não decorre propriamente do aumento de arrecadação de receitas internas mas sim de um maior nível de confiança dos parceiros internacionais nomeadamente a União Europeia e o Banco Mundial, fruto da avaliação positiva das reformas operadas nas nossas finanças públicas através do apoio directo ao orçamento», explicou o Primeiro-ministro.

Segundo o Governo, o OGE pretende estimular o crescimento económico na ordem de 5%. Patrice Trovoada manifestou confiança de que a inflação vai baixar em 2016 para 3,5%.

Abel Veiga

    6 comentários

6 comentários

  1. Vexado

    8 de Janeiro de 2016 as 12:44

    Segundo o deputado do ADI, este é um “Governo supersonico”.

  2. Santola

    9 de Janeiro de 2016 as 11:17

    Estimular o crescimento numa altura de rececao? Paises doadores de stp estao em estado critico, gasolina ja subiu em angola que sera uma questao de tempo pra super em stp. Com todo o respeito ao senhor primeiro ministro, a media nacional lhe vendo como um heroi, mas isso nao vai convencer o povo que esta a sentir dificuldades todos os dias. 2016 vai ser dificil pra econimia santomense e nao se esta a falar a verdade.

  3. Ta ligado

    9 de Janeiro de 2016 as 17:24

    O que vai crescer é o desemprego, e desempregados.

  4. Vila Nova

    11 de Janeiro de 2016 as 0:41

    Cada vez que vejo o OGE feito pelo nosso governo salientando a nossa dependência económica da ajuda externa, dá-me grande tristeza, o que me doe é o nosso comodismo, e as falsas promessas do governo, sabendo que existem coisas muito pequenas que podemos fazer que ao longo prazo poderemos encontrar melhorias. Importamos muitos produtos alimentícios do exterior e o povo santomense está geralmente viciado no consumo dos produtos importados, isto quer dizer que o pouco que recebemos do exterior volta a sair. o engraçado é que não passa pela cabeça do povo santomense a possibilidade de haver uma crise nacional, se no caso esses apoios externos não forem alcançados. Em suma, peço que o povo santomense procure saber o que é o plano de contingência, que já foi providenciado por Deus, é tudo que nós temos. se não valorizamos o que temos estamos perdidos. temos que pensar sempre na possibilidade de acontecer o pior e nos prepararmos para ele. Deus abençoe STP.

  5. ANCA

    11 de Janeiro de 2016 as 1:41

    Sendo São Tomé e Príncipe um País(Território/População) insular,…

    Território 1000 km2

    População 180 mil pessoas, sendo 50% jovens

    E tendo em conta que o desemprego no que respeita aos dados 2012 se situava nos 14%, no que a população activa diz respeito,…

    Os números velem o que valem, a realidade será aproximada hoje certamente;

    Dados referentes à 2006 indicavam na altura ao que concerne ao sector das pescas, agricultura silvicultura e pecuária(vejam dados para outros sectores da actividades económicas) por exemplo que;

    Efectivos populacional nos postos de trabalho ligados à agricultura, silvicultura e pecuária correspondiam somente a 7.894 pessoas sendo que 4.678 eram Masculinos e 3.216 eram Femininos.

    Efectivos populacional nos postos de trabalho ligados à pescas correspondiam à somente 3.948 pessoas sendo que 3.133 eram masculinos e 815 femininos.

    Sendo que mais de metade da população vive com menos de um Dollar dia,…

    Imperioso;

    Numa economia deficitária em termos de produção, arrecadação de receitas de estado, criação de empresas, criação de postos de trabalho, imperioso se torna a organização, qualificação, investimento nos sectores produtivos.

    A considerar sector primário, criação de empresas, com importância na diversificação agrícola, inovação, qualidade, certificação e denominação de origem, sector da economias do mar, com significado nas pescas, criação de empresariado nacional neste sector, aumento de captura de pescado, abastecimento de mercado interno, transformação, exportação, mudanças de metodologias e tipologias modernização embarcações de pescas(Canoas para Traneiras), passagens de Homens de pescas artesanais, aos empresários de sector das pescas, introdução de loteamento(calibração do pescado), designação de origem, transformação, exportação.
    Aquacultura, importâncias das algas marinhas no contexto medicinal, alimentar, interno/externo, Importância valor dos Crustáceos, etc, etc,…

    Sector Secundário, apoio à pequenas médias indústrias, seja alimentar, vestuário, vidro, barro, madeira, etc, etc,… importância de criação de mais valia, com aumento da qualidade, montagem de linha de produção, controlo da qualidade de produção, linha de produtos de exportação, embalagens, rotulagens, calibração, conservação, mecanização, transformação, exportação.
    Sector das Flora e Flores, Plantas Medicinais.

    Sector Terciário ou serviços, aproveitamento de mais valia, da formação, criação de empresas por Técnicos Nacionais, Médicos, Enfermeiros, Advogados, Engenheiros, à prestação(venda) de serviços apoio ao exterior no quadro de projectos de ajuda ao desenvolvimento à outras do Continente menos desenvolvidas, apoio Internacional nesta matéria existe, pode-se captar.

    Turismo, ordenamento jurídico, por forma a criar um serviço de excelência aos visitantes, investimento criação recuperação de monumentos e infra-estruturas.
    Sector da economia economia do mar representa mais valia, a saber Campeonatos de Pescas Desportivas, Organização Viagens de Cruzeiros, Desportos de Velas, Passeios Marítimos, Canoagens, etc, etc,

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  6. luis

    12 de Janeiro de 2016 as 18:01

    sobre a promessa do desenvolvimento das pescas semi-industriaL, nem uma linha escrita 🙁

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo