Desporto

Guiné Equatorial fecha as portas do Egipto à STP

A selecção nacional de futebol,sub-23, disse adeus este domingo às eliminatórias de qualificação para à fase final do Campeonato Africano das Nações, CAN, na categoria, no Egipto-2019, ao perder no Estádio Nacional 12 de Julho, por 1-3, ante a similar da Guiné-Equatorial.

Mal começaram e foram obrigados a travar a marchar, rumo ao CAN-2019.

O travão foi colocado este domingo, perante o público santomense, com a derrota “vergonhosa” do conjunto nacional frente aos rapazes da Guiné-Equatorial, por 1-3.

O resultado que deixou “insurrecto” o público presente no palco das “frustrações”, começou a ser fabricado logo nos instantes iniciais, com o golo madrugador do OBA, decorridos três (3) minutos.

O “abalo” foi de tal modo grande, que a turma nacional não conseguiu despertar tão cedo, sofrendo o segundo golo, passados 30 minutos, por intermédio de Benjamim.

Nada corria bem colectivamente ao “Papagaio e Falcão”, até que aos 32 minutos, o Gilson (jogador de Caixão Grande) decidiu inventar uma jogada de génio, e furar a muralha defensiva do adversário, fazendo 1-2, relançando a esperança nacional. Mas o placard não sofreu qualquer alteração até o descanso.

A primeira parte foi tão péssima, que os presentes no estádio, com o intervalo, até chegaram a crer, que seria possível virar o resultado, ainda mais, depois do empate conseguido fora de portas (1-1).

Todavia, isso não passou de imaginação, porque a etapa complementar, não trouxe nada de novo para as cores nacionais, a não ser, alguns cartões que amarelaram ainda mais a exibição do conjunto às ordens do Gustavo Clemente, que voltou a decepcionar mais uma vez o seu público.

Já para os forasteiros, os segundos 45 minutos trouxe o golo de tranquilidade, aos 68 minutos, por OBA, que bisou na partida, sentenciando o jogo, colocando o seu país na próxima fase da competição, onde desejamos sorte, porque foram os justos vencedores.

No final, o seleccionador da Guiné, falando à Tela Non frisou que “foi um bom jogo, mas tivemos um pouco de sorte. A próxima fase vai ser mais dura, por isso vamos trabalhar, porque queremos chegar à fase final da competição”.

Já o técnico santomense, Gustavo Clemente, que mais uma vez, morre na praia com uma selecção nacional, sublinhou que “ cometemos erros que não podemos cometer neste nível de competição. Sofremos golo madrugador que condicionou muito o nosso jogo. Até tentamos entrar no jogo, com o 1-2, mas voltamos a cometer erros que acabaram por penalizar-nos”.

Mesmo suprimido, Clemente não considerou de escandaloso esta eliminatória, uma vez que, na sua opinião, estamos a falar de um grupo muito jovem, que futuramente estarão a representar a selecção principal, e que ainda não tem a rotina competitiva deste nível.

De sublinhar que, no agregado dos dois jogos, a selecção nacional perdeu por 4-2, depois do empate no embate da primeira mão.

Gil Vaz

 

    5 comentários

5 comentários

  1. Mau dele

    20 de Novembro de 2018 as 7:45

    Esse estrangeiro que lidera as nossas seleções ( AA, 16,19,23) é um desgraçado, ele pensa que a seleção é dele e leva somente jogadores da sua escola, um selecionador que nunca vai aos 4 cantos do pais selecionar os jogadores; Este selecionador ja deveria ter vergonha de tanta humilhação é abandonar.
    PARA SABER QUE O PROXIMO JOGO DA SELEÇÂO NOS VAMOS LEVAR LENÇOS BRANCO.

    Tenho dito.

  2. ONDE MESMO?

    20 de Novembro de 2018 as 9:43

    Por amor de Deus, será que S. Tomé e Príncipe não outra pessoa para estar a frente de uma selecção sub 23 sem ser esse falhado do Sr. Clemente Gustavo? Já se viu que o mesmo de futebol pouco percebe. Arranjem outro, dêem melhores condições aos nossos atletas e essencialmente invistam mais no desporto.

  3. cr7

    20 de Novembro de 2018 as 10:26

    faz sai Gustavo desgraçado estrangeiro

  4. helmer dias

    20 de Novembro de 2018 as 13:38

    BOAS
    Sim concordo com seleccionador por serem jovens sim.Mais a cultura de entrega,vontade,querer,determinação,exigência e cede de vitoria tem que estar enraizado na cultura são-tomense E NOS JOVENS. É lastimoso ver os nossos jogadores,mas os dirigentes federativos tem que serem responsabilizados pelo estado do nosso futebol e das nossas selecções,os treinadores tem que estar mais interventivos,os jogadores mais comprometidos com o seu país e eles mesmo. Adeptos mais exigentes e uma melhor organização do país. E GOVERNO INTERESSAR-SE MAIS NO INVESTIMENTO NO DESPORTO REI.É TRISTE.EXCELENTE TRABALHO GIL VAZ ABRAÇOS AMIGO.

    • cr7

      21 de Novembro de 2018 as 8:04

      ACHAS QUE ISTO KE GUSTAVO FEZ, VALE, OS ADEPTOS FIZERAM TUDO, UM TREINADOR, EM QUE UM JOGADOR LESIONA 20 MINUTOS ELE NAO MANDA UM JOGADO AQUECER, FAZ SAI GUSTAVO ESTRANGEIRO,

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo