Economia

Este mês Sonangol passará a ser accionista maioritário da STP-Airways

O Ministro das Infra-estruturas, Carlos Vila Nova que anunciou a realização já na próxima quarta – feira da Assembleia Geral dos accionistas da STP-Airways, garantiu que a Sonangol através da sua companhia Sonair, vai ter 51% das acções da STP-Airways.

Constituída no ano 2008, a STP-Airways companhia d bandeira nacional, tem até agora como accionista maioritário a Euro-atlantic com 37% das acções. O Estado são-tomense detém 35% do capital social, a empresa privada GIAS com 14% e o Banco Equador com outros 14%.

Uma estrutura accionista que vai alterar na Assembleia Geral prevista para quarta – feira. Segundo o Ministro das Obras Públicas e Infra-estruturas, Carlos Vila Nova, a petrolífera angolana Sonangol através da sua companhia aérea Sonair, passará a ser accionista maioritário da STP- Airways com 51% do capital social.

Situação que para o Ministro vai provocar injecção de capital fresco na companhia de bandeira nacional, e a disponibilização de novos meios e equipamentos, nomeadamente aviões. A Sonair, reforçou a sua frota com novos aparelhos, que poderão ser colocados ao serviço da STP-Airways. «Isso significará que a companhia nacional está dotada de meios e equipamentos disponíveis, e poderá ser feito o aumento do capital social para a implementação do plano de desenvolvimento que a companhia aprovou há dois anos. Precisa de capital fresco, para o implementar coisa que até o momento não havia possibilidades de o conseguir», defendeu o ministro.

Na entrevista a TVS, o ministro não explicou a forma como as acções vão ser repartidas para que a Sonangol tenha 51% do capital social. Ao que tudo indica o Estado são-tomense vai abrir mãos de parte ou da totalidade dos seus 35%. O Banco Equador dominado por capital angolano, poderá já ter acordo com a Sonangol, a volta dos seus 14% de capital social na STP-Airways. Para chegar a 51% das acções, a Sonangol deverá ainda adquirir participações das outras duas empresas accionistas da companhia de bandeira nacional.

Abel Veiga

    23 comentários

23 comentários

  1. Baga Tela

    15 de Junho de 2012 as 9:52

    vejo com bom grado se de facto isso acontecer. Do mesmo modo, gostaria de ver essa compainha com um nível superior como é a Korean Air que, evoluiu muito depois de passar para para a gestão privada. Nesse momento a Korean Air é uma das maiores compainha de aviação da Ásia.

  2. edy

    15 de Junho de 2012 as 11:48

    os angolanos ainda vao mudar o nome de angola para….Republica democratica de Angola e a Provincia de S.Tome e Principe. coisa feia.

  3. Patrice Turista

    15 de Junho de 2012 as 14:11

    Não tarda a sonangol, vai comprar palacio do Povo + palacio dos congressos ou seja seremos colunato de angola conforme Fradique Menezes tinha sugirido a tempos atrás…..

  4. Estudei mais estou frustrado em STP

    15 de Junho de 2012 as 14:27

    Mais emprego e postos de trabalhos para angolanos, os jovens de STP vão ficar a ver os comboio a passar! È triste o nosso destino! Stº Tomé Podereso e Stº Antonio do Principe, fará a sua justiça….

    • Estudei mais estou frustrado em STP

      15 de Junho de 2012 as 14:39

      *Poderoso

    • Patrice Turista

      15 de Junho de 2012 as 14:52

      Epa faça como Levy Nazaré, abra um partido politico, engana lá as pessoas com conversas, pode ser que assim podes safar… Olha posso até sugerir o nome do partido:
      “Geração Frustrada”;
      “Geração Sem Emprego”; ou
      “Geração Boias Frias”.

      Quem vos mandou cair na fita do Patrice, agora andam a chorar sobre leite deramado. Não há emprego para govem Lincenciados, porque Patrice está marimbando (viajar só…Não pára para tomar conta do país)!!!!!!!!!!!!

    • Deputado com 4ª Classe

      15 de Junho de 2012 as 15:35

      Há um concurso a decorrer no ministério de Plano e desenvolvimento, para contratação de quadro para agencias de investimento, ouvi dizer que uma carrada dos ditos donos da terra, concorreram, todos eles já com emprego, como coisa tem ferro, eles querem mamar tudo… Acho que ministro devia chumbar a candidatura desses senhores, e dar prioridade aos jovens quadros! Assim seria uma forma de combater desemprego na camada jovem da população com curso superior, é muito triste estudar e chegar no país ficar a deriva…

    • Negocio agora é que Dá em STP

      15 de Junho de 2012 as 16:16

      Epa estas a chorar quê, quem mandou estudar para ser Drº, davas mais resultados se ficasses cá no país a fazer lavagens…. Drº Desempregado, Kuali… Nino Monteiro é mais esperto que tu, não precisou estudar para ser acessor do 1º ministro, ele com Zé de Padaria!
      Não tens nenhuma cunha pa!? Fala com Levy Nazaré, pode ser que gajo safa-te…

    • Filho da Terra

      15 de Junho de 2012 as 16:22

      Vocês jovens de STP têm que pagar e sofrer, quem mandou vocês votar no ADI, nós avisamos, agora está frustrado? Aqui se faz, aqui se paga. Não tenho pena nenhum de vós. Aguenta….

  5. Joao Pedro

    15 de Junho de 2012 as 14:54

    é mesmo isso, abram, liberalizem deixem de protecionismos mesquinhos. Tenham sempre presente os interesses nacionais…. Sou de opinião que deviamos progressivamente fazer do kwanza uma das moedas no nosso sistema financeiro

  6. Nando Vaz (Roça Agostinho Neto)

    15 de Junho de 2012 as 16:50

    É muito triste,como pedagogo que sou,as vezes é bom colocar-se no lugar dos filósofos questionando o seguinte:
    A questão é. a)Será que S.T.P é um Estado suberano?
    b)Será que não existe outro tipo de políticas para alavancar a nossa economia?
    c)Será que meu pais tem políticos
    competentes?
    d)Será que está em causa os interesses da nação santomense?
    e)Será que podemos acreditar no futuro do nosso país?
    e)Será que estamos perante um estado falhado?
    Gostaria ter uma resposta do Governo!..

  7. helmerdias

    15 de Junho de 2012 as 17:49

    Espero que seja para bem do país,e que realmente o nosso país fica bem apresentado e que possamos ter uma qualidade de prestação e qualidade de serviço.espero que quem ganhe com todo isso sejamos todos nos santola.

  8. Argenezio Antonio Vaz

    15 de Junho de 2012 as 18:53

    STP deixou de ser um estado, um pais, alias nunca foi, com os politicos que temos. So o Miguel Trovoada apresentou culhões. Decidiu ir ao Taiwan, foi e nada mais, os politicos do MLSTP e PCD, esses sim, comeram e engordaram na boa. Decidiu fazer contratos com a Nigeria, outra vez, os mesmos comeram. Agora, estamos com a SONANGOL, vão tomar tudo e não comprar, pois, que eu saiba, o que eles levam não tem preço. So falta a agua e electricidade para fechar o Pais.
    Mundem o nome do Pais, pois como ja derrubaram o simbolo de “3 de Fevereiro” nada mais nos resta.

    • Conóbia cumé izê

      19 de Junho de 2012 as 9:26

      Entregar STP a Nigéria,defendo ANGOLA.Tivemos FAPLA em STP e não fomos anexados, nem com Provincia,nem como guêtos. Deixe de más liguas ! … Angolanos,já somos à séculos !!!… Fui

  9. Baga-Telá

    15 de Junho de 2012 as 21:46

    >>>>>>>>>> Borrala vende tudo mesmo…daqui pouco vcs deveriam vender parte de vossa alma também….seus incompentes…deus o livre os gestores desse pequeno arquipelago não pensa no futuro, não faz planejamento…só vende parte das ações…meus senhores tenham um pouco de amor a terra…crair empresa para triunfar e não para decepcionar, para depois ter que fazer oque vcs mas sabem fazer vender vender comprar e construir nada…ainda vamos acabando entrando num no futuros de colisões de ações a respeito dessa forma de gerir o dinheiro publico!…

  10. Paracetamol 500mg

    15 de Junho de 2012 as 23:06

    Estão vendendo o bem público sem um plano para um sector chave. Privatizar uma empresa nestes termos, é muito mau. Devia-se era excluir a euroatlantic que não presta um bom serviço

  11. Isidoro Porto

    16 de Junho de 2012 as 8:50

    Esta é a lógica da rotatividade. Caiu o Pinto e subiu o Trovoada. Foram consigo as FAPLA, os barcos de Pesca 30 de Setembro e Rei Amador, inclusivé a cooperação com a China Continental. Vieram Taiwan e coisas do género.

    Caiu Trovoada e subiu o Fradique. Foram as Linhas Aereas de S.T.P. Vieram a AIR LUXOR seguida da TAAG sonolenta, e mais adiante a EuroAtlantic sob a capa da STP Airways com todas promessas do mundo: ligacoes directas para o Brazil, aviões para ligação entre as ilhas e paíes limítrofes, inserção dos quadros nacionais na Tripulação (primeiramente, seria a tripulação de cabine que já estava a ser treinada e posteriormente a de Cockpit) e muito mais. Mas tudo isto foram apenas “fintas” para viabilizar essencialmente o grande projecto Pestana (Ilheu das Rolas, Miramar, Clube Santana e Hotel Pestana). A STP Airways nesses anos de existência nem sequer mudou de escritório, nem sequer a tripulação de cabine foi nacional, nem sequer um avião baseado na placa do aeroporto distrital de STP consegui.

    Caiu o Fradique e subiu o Pinto. Cai consequentemente a EuroAtlantic, cai provàvelmente o Golf Air Service, volta a TAAG sob as cores da SONAIR.

    Se reparamos bem, isto acontece em todo mundo. O poder permite influenciar a Governação e os negocios “nacionais”.

    Esta mudança de actores na STP Airways, já era previsível, pois na sequência da inserção da LAM – Linhas Aéreas de Moçambique na Lista Negra de companhias aéreas autorizadas a voar para o espaço Europeu, a EuroAtlantic passou a assumir este papel pela LAM, desde algun(s) mês(es). Portanto, não podendo a EuroAtlantic levar os dois ossos ao mesmo tempo, tem que deixar um (o nosso osso) para que outro o leve. Nste caso, estando o Pinto no poder, a sorte bateu a porta da Sonair, pois tanto a Sonair como a TAAG bateram-se sem sucesso enquanto esteve no poleiro o nosso Fradique. Jogos de interesses.

    Quero deixar bem claro que as mudanças devem ser feitas, mas a posterior, deve ter como suporte as experiências vividas e os erros cometidos no passado, para que haja progressao no futuro.

    Estou lembrado das varias viagens que fiz a Nairobi. As primeiras foram feitas nos Boeings 737/200 da Kenya Airways e 737/700 (os primeiros a serem lançados no mercado) da South Africa Airways. A diferença de serviços entre essas duas companhias era tão abismal, que eu preferia viajar pela SA. Um ano depois, a Kenya Airways fez uma joint-venture com a KLM Holandesa. Foram injectados novos aviões Boeings 737/700, mas a tripulação continuou a ser toda ela queniana, os aviões foram pintados com as cores da Kenya Airways e o que mais me agradou foi ver os aviões(todos eles – das linhas domesticas e internacionais) baseados no aeroporto Jomo Kenyata, em Nairobi, porque apesar da injecção do dinheiro fresco da KLM, os quenianos souberam negociar, criando vantagens para a sua companhia, para a sua bandeira e para os seus quadros. Os aviões foram adquiridos em sistema de leasing (ou seja alugados com direito de compra após amortização pelo valor acumulado do aluguer).

    A STP Airways pode perfeitamente usar um mesmo sistema. Porque não? Se assim não for, daqui há anos quando a SONAIR se retirar, a STP Airways ficará de “MÃOS A BANAR”. O Governo, o Primeiro Ministro e a Presidência da República devem cada um e em conjunto (se possível) defender este desiderato.

    Eu trouxe a experiência da Kenya Airways a este publico, para incentivar aos nossos negociadores com a Sonair, ao Primeiro Ministro, ao Ministro das Infraestrururas e principalmente ao Presidente da República, a negociarem com mestria pondo em primeiro lugar o país.

    Não basta a injecção de dineheiro fresco. E preciso trazer um valor acrescentado ao tecido social do nosso país. Tripulação de cabine forma-se em 6 a 8 meses. Não podemos admitir que tripulação de cabine da STP Airways seja estrangeira. Não podemos admitir que os co-pilotos da STP Airways sejam todos eles estrangeiros. A cláusula de formação de quadros (on-job ou não) deve constar no contrato, com prazos e fiscalizados. Não é de bom tom que os aviões da STP Airways (mesmo tendo a SONAIR, ou outras companhias quaisquer como accionista maioritário), estejam baseados nos seus países de origem. Não é justo nem cordial, nem de boa fé, que aviões de outras companhias façam vôos internacionais regulares da STP Airways com as cores das suas companhias de origem(como acontece com a EuroAtlantic). Não se trata de aviões alugados. Tratar-se-ão de aviões da STP Airways (cedidos ou adquiridos). Então, deverão ter as cores da STP Airways. Se forem alugados a Sonair, devem ser sob forma de leasing. Trata-se de uma joint-venture. Então, que seja uma joint-venture de coração e com honestidade, com intençãao de fazer crescer STP Airways em todos domínios.

    Não pode a Sonair ser accionista maioritário da STP AIRWAYS com 51% e alugar os aviões a própria Sonair. Esta é uma CONCORRÊNCIA DESLEAL em relação aos outros accionistas.
    Se assim não for, corremos o risco de quando descer o Pinto (daqui a 10 anos), descer consigo a Sonair, a Sonangol e o resto. E a STP Airways, sempre de “MAOS A BANAR” e não é isso que se pretende.

    Mudemos para evoluir. Não podemos continuar a usar bilhetes de viagem da Sonair para vôos internacionais da STP Airways. Aviões com as cores da Sonair para os vôos internacionais da STP Airways. Tripulação completa da Sonair nos vôos da STP Airways. Se assim for, sugiro que mudemos também o nome para Agência da Viagens STP Airways. Faz sentido.

    PREPAREMOS HOJE, O AMANHA MELHOR, COM OS ERROS DE ONTEM.

    Isidoro Porto
    16/JUN/2012

    • Paracetamol 500mg

      17 de Junho de 2012 as 21:10

      tens que traduzir para frances para patrice ler.
      um optimo comentario.

    • STP 1ª

      18 de Junho de 2012 as 14:47

      Esse senhor devia fazer parte da equipa que está a negociar com a SONANGOL,o homem precebe da coisa…

  12. sambila

    17 de Junho de 2012 as 17:11

    os partidos da oposiçao anda a fazer comentario q mete povo contra governo e povo cai como patinho viva patricio

  13. Estrangeiro

    20 de Junho de 2012 as 11:10

    A linha aérea é a cara de um País. Qual cara então da a STP Airways a São Tomé e Príncipe?

    Uma linha aérea sem avião? Propriedade de uma empresa estrangeira? Sem nenhuma capacidade de fazer algo sozinho?

    Desculpem, mas é mesmo a cara da actual política local.

  14. laercio monteiro

    26 de Junho de 2012 as 14:39

    Os governantes desta terra em que fasemos partes sao tds muitos burros , e atrasados estao a vender todo aos estrangeiros , um dia vamos ouvir que STP agora pertence ao sonangol, e que os socios sao os ex ministros de STP….

  15. Vargas Cardoso

    28 de Junho de 2012 as 15:08

    Se o governo não consegue desenvolver as suas infraestruturas para o desenvolvimento do país, acho que se privatize algumas destas infraestruturas, desde que estejam salvaguardadas os direitos do povo São-Tomense.É uma vergonha termos um aeroporto nestas condições no séc. em que estamos. É preciso saber aplicar o dinheiro que nos é doado em prol do bem do país, e não dos governantes porque estes só pensam saquear o país sempre que possível. É preciso haver mais concorrência no ponto de vista da aviação, para se desenvolver mais e melhor o nosso turismo, e também para que a TAP deixe de explorar aqueles que queiram regressar ao seu país de férias, e deparam as vezes com um preço escandaloso dos bilhetes porque não há concorrência.
    Deixem de roubar o país e pensam antes em promovê-lo mais para o exterior, porque se perguntarmos onde é São-Tomé ninguém sabe onde fica este pequeno paraíso que é o nosso país; se formos a maior parte das agências de viajem nunca vemos uma publicidade de São-Tomé, porque os estes políticos quando viajam só pensam na boa vida, e em que hotel vão ficar,quanto quanto dinheiro vão levar para esbanjar, em vez de promover o país para o exterior.
    É preciso aplicar bem as ajudas financeiras que nos dadas para o bem do país; é preciso fazer funcionar bem de uma vez por todas o tribunal de contas, para punir aqueles que se apropriam indevidamente do dinheiro dos contribuintes em seu proveito próprio.
    Viva São-Tomé Príncipe

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo