Economia

BM felicita o Governo pela elaboração da Estratégia de Turismo

Num comunicado enviado à redacção do Téla Nón, a representação do Banco Mundial para Angola e São Tomé e Príncipe, felicita o Governo do Primeiro Ministro Patrice Trovoada, pela elaboração da Estratégia Nacional do Turismo.

A estratégia de turismo elaborada com o apoio do Banco Mundial, do Governo do Japão e pelo Fundo Nacional de Turismo de São Tomé e Príncipe foi lançada oficialmente na quinta feira 22 de Fevereiro.

Segundo o Banco Mundial, a visão estratégica definida visa transformar São Tomé e Príncipe no destino tur´sitico mais preservado da África Equatorial até 2025. «O governo Santomense desenvolveu uma estratégia de turismo com o objetivo de articular melhor os vários sectores económicos do país na realização dessa visão», refere o comunicado do Banco Mundial.

Desenvolvimento de Turismo sustentável é assim a prioridade definida pela estratégia  que tem meta em 2025.

Segundo o Banco Mundial, o turismo já desempenha papel importante na economia de São Tomé e Príncipe, é responsável por 14% do Produto Interno Bruto, mas, no entanto « O sector tem potencial para se tornar central para os esforços de desenvolvimento no país», assegura o Banco Mundial.

A nova visão estratégia do Turismo, pretende em 7 anos, transformar o sector numa das principais fontes de rendimento do país.

Téla Nón

    3 comentários

3 comentários

  1. ANCA

    26 de Fevereiro de 2018 as 12:08

    Muito bem

    Excelente noticia para o País(Território/População/Administração).

    Pratiquemos o bem

    Pois o bem

    Fica-nos bem

    Deus abençoe São Tomé e Príncipe

  2. Antonio Rocha

    27 de Fevereiro de 2018 as 12:27

    A Estrategia de Turismo até pode ser boa.
    Mas nenhum plano, nenhuma estratégia vai em frente para produzir bons resultados se todo o resto da maquina governativa do país não estiver a altura de dar respostas, pois o sector do turismo é transversal. à titulo de exemplo, ouso reproduzir aqui uma reflexão recentemente feita sobre medidas precipitadas adoptadas pelo governo de Patrice Trovoada e que na realidade não traz nada de novo, antes pelo contrario só produz mais e mais despesas para o Estado. Vejamos a reflexão que cinge em torno da entrada em vigor da Nova Dobra.
    ” Estamos mal, o banco central não faz o seu papel, e dá nisto. Veja só a qualidade das notas que foram feitas pelo banco central.
    1- Primeiro, tendo em conta a situação financeira do país, não sei se justificava;
    2- O que isto vem alterar em termos de poder aquisitivo da moeda? Nada.
    3- Os maços de 10.000.000 anteriores(eram 100 notas) e continuam os maços de 100.000(100 notas), nada altera em termos de quantidade;
    4- Se eu comprava um prato de banana com peixe numa taberna Dbs120.000, 00 agora em teoria pago ndbs 120,00 mas na pratica posso estar a pagar nbs 130,00 0u mais, porquanto muitos comerciantes aproveitaram da mudança da moeda da alterar os seus preços, inflacionar o mercado(ex: vejam os preços do CKado em dezembro de 2017 e a partir de janeiro de 2018, e não só)
    5- O verso e a parte frontal/cara da moeda mal se difere, aliás tem desenhos/figuras em excesso.
    6- Os números nas moedas, não é de facil distinção para um jovem de meia idade, são muito pequenos e quase invisíveis ;
    7- Gastou-se muito dinheiro para fazer este dinheiro, que o pais podia aguentar mais uns 2 anos sem a sua necessidade;
    8- As notas de Dbs 50.000, e Dbs 100.00,00, foram imprensas a muito pouco tempo, uns 3 anos, e estão em optimas condições, elimina-las neste momento todas, parece ser um desperdício de recursos públicos, quando se sabe que elas existem ainda aos mil milhões, sem serem utilizadas( novo strinque) ;
    9- Enfim, pais pobre e dá-se ao luxo de disperdiçar dinheiro que podia ir para outro lado, exemplo reforçar os sistema da saúde, mormente os equipamentos hemodialises.
    10- Será que o Banco Central paga ao Tesouro público, os impostos devidos?” – fim de citação.

    Agora reflictam e digam se não é verdade que não basta apenas ter um bom plano de turismo?
    A governação não se faz por impulso nem tão pouco eu vou fazer isto e aquilo apenas para deixar marcas. Nada disso. A governação é muito mais do que isso. As medidas de uma governação devem sempre reproduzir positivamente na população à curto, médio e longo prazos sem nunca no entanto comprometer nem o modus vivendi nem a economia dos Estados. Infelizmente não tem sido esta a marca de governação da ADI. E ainda dizem que o Patrice é economista, ou pelo menos tentou estudar economia.

    • Falar Verdade

      27 de Fevereiro de 2018 as 15:28

      O Senhor António Rocha é um típico são-tomense!
      Não come e não deixa os outros comerem!
      Vamos criticar coisas negativas, mas com sentido construtivo! E, também vamos elogiar coisas positivas, e se for possível dando contribuições para sua melhoria.
      Deixemos de politiquice, pois não nos leva a lado nenhum.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo