Economia

Governo injecta 5 milhões de USD em obras públicas para reanimar o sector privado

O Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, anunciou na sessão plenária da Assembleia Nacional, nesta semana que termina, que o seu governo já conseguiu angariar pouco mais de 15 milhões de dólares para financiar projectos inscritos no Orçamento Geral do Estado para este ano. O OGE para 2019, está avaliado em 150 milhões de dólares.

Do montante que já tem em mãos, os 15 milhões de dólares, o executivo decidiu segundo o Primeiro Ministro, aplicar 5 milhões de dólares num programa de reactivação das actividades do sector privado nacional, que o Governo diz estar, moribundo.

Desta forma segundo o Governo, o montante de 5 milhões de dólares, já começou a ser aplicado no pagamento da dívida para com empresas privadas que prestaram serviços ao Estado, nos últimos anos, mas que não receberam até a presente data o pagamento pelo serviço prestado.

A par do pagamento de dívidas para com empresas privadas, o Chefe do Executivo anunciou a utilização de parte do mesmo fundo de 5 milhões de dólares, na realização de obras públicas nomeadamente de reabilitação de estradas em várias localidades do país. A reabilitação e construção de escolas e centros de saúde e de sistemas de abastecimento de água para diversas comunidades, também fazem parte das obras que começam a ser realizadas por diversas empresas privadas. «São obras que vão dinamizar a economia», defendeu o Governo.

Mas antes da intervenção do Primeiro Ministro no Parlamento, o Ministro das Finanças e da Economia Azul Osvaldo Vaz, deu uma conferência de imprensa, onde destacou a República da China e a União Europeia como sendo os parceiros internacionais que já desbloquearam fundos, para através do Orçamento Geral do Estado, realizar tais obras públicas, que vão reanimar as actividades do sector privado.

Segundo o Ministro das Finanças, o esforço do Governo na redução das despesas, e na arrecadação de receitas através dos impostos, também contribui com uma boa fatia do valor de 5 milhões de dólares, que estão a ser injectados actualmente no país.

O Ministro das Finanças, garantiu que o governo desencadeou uma cruzada, para recuperar o dinheiro do Estado que está em mão alheias. «Temos estado a envidar esforços para cobrar todas as dívidas para com o Estado. E aí gostaríamos de apelar a contribuição das instituições judiciais, nomeadamente o Ministério Público e dos Tribunais para nos ajudarem nesta cruzada», afirmou.

Uma cruzada, desencadeada com base em provas. «Porque os relatórios das auditorias que comprovam as dívidas de algumas entidades ao Estado, temos submetido às instâncias judiciais, para que nos ajudem a cobrar estes valores. Porque é com base nessas receitas correntes que temos que suportar as despesas de funcionamento da Presidência da República, do Governo, do Ministério Público, etc…. por isso precisamos da contribuição de todos para resolvermos o problema do país», pontuou o ministro.

SALÁRIOS VOLTAM A SER PAGOS SEM RECURSO A CRÉDITO BANCÁRIO

Mesmo sem ainda conseguir assinar um programa de facilidade de crédito com o FMI, o ministro das finanças, diz que o Governo está apostado na máxima contenção de despesas. Uma política que permitiu o corte no número de viagens dos dirigentes ao estrangeiro. Viagens que no passado consumiam várias centenas de euros dos cofres do Estado.

A par de outras medidas de contenção das despesas, pela primeira vez nos últimos 5 anos, o Governo tem conseguido pagar os salários de toda a função pública, sem necessidade de recorrer ao crédito bancário como acontecia nos últimos anos. «Com as medidas de contenção de custos que tomamos conseguimos pagar os salários sem recorrermos aos empréstimos bancários. Inclusive, estamos a fazer um esforço para pagar as dívidas contraídas junto aos bancos comerciais pelo anterior governo para pagar os salários», confirmou o ministro das finanças.

Osvaldo Vaz deu exemplo de outros problemas que estão a ser resolvidos com base na contenção das despesas. «Nos esforços de contenção das despesas, conseguimos regularizar a situação do GIME. E já disponibilizamos recursos, para retomarmos a realização de um conjunto de obras que estavam paralisadas», frisou.

GIME-Grupo de Manutenção de Estradas, congrega várias centenas de cidadãos nacionais, homens e mulheres. Garantem a manutenção e limpeza de todas as estradas do país. Um trabalho extra que dá um rendimento complementar a centenas de famílias de São Tomé e Príncipe. Há mais de 6 meses que as actividades do GIME estavam paralisadas. O Estado devia aos operários do GIME, vários meses de salários em atraso.

Abel Veiga

    4 comentários

4 comentários

  1. Clemilson Brasileiro

    29 de Junho de 2019 as 20:10

    Parabéns ao novo governo que se deus quiser vai melhorar a vida dos sao tomense

  2. Caipirinha Perodril

    29 de Junho de 2019 as 22:56

    Tudo isso apenas com apenas 5 milhoes? Vai ser muita areia para esses 5 milhoes! Resumindo e concluindo: ou as obras serao de “esferovites” / descartaveis ou estes 5 milhoes sao elasticos e vao esticar ao ponto de rebentarem pelo peso de todas essas promessa. Charlatoes.

  3. Rapaz das terras

    1 de Julho de 2019 as 8:02

    5 milhões de Dólares é muito pouco para esse anúncio todo.
    Só as dívidas pelos serviços que o Estado consumiu junto às empresas nacionais ultrapassam 100 milhões de dólares (dívidas de construção de estradas e escolas, alimento para cantina escolar, consumíveis, computadores, et, etc, etc).
    Se o Estado não lhes paga, como é que elas poderão voltar a prestar serviços para o Estado?
    Parece um paradouxo!
    É por isso que o sector privado desapareceu. O que na palavra de JBJ está moribundo.

  4. Paulo Cruz

    1 de Julho de 2019 as 8:06

    Claro. As viagens desnecessarias do Pinta Cabra levavam tudo.
    Como agora temos um Governo mais responsavel, espero que tudo correrá melhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo