Economia

Governo paga 500 mil dólares mensais à Sonangol para evitar o corte final

O fornecedor tradicional de combustíveis ao país, a petrolífera angolana Sonangol, praticamente fechou a torneira para São Tomé e Príncipe. «De facto o nosso fornecedor tradicional que é a Sonangol reduziu o fornecimento para 1/3», afirmou o ministro.

Numa conferência de imprensa o ministro das finanças Osvaldo Vaz, divulgou a causa da decisão angolana em reduzir para 1/3 a quantidade de combustíveis que fornecia ao país. «E todos nós sabemos porquê que isso aconteceu. A dívida para com o fornecedor tem estado a aumentar assustadoramente e a nossa capacidade de pagamento está cada vez mais baixa», pontuou.

Segundo o Ministro a dívida de São Tomé e Príncipe para com a Sonangol, atinge cerca de 150 milhões de dólares. « O nosso Primeiro Ministro deslocou-se a Angola e acreditamos que o nosso parceirto tradicional ainda vai nos ajudar. Acreditamos que aumentem o fornecimento acima de 1/3», explicou Osvaldo Vaz.

Para dar sinais no sentido de evitar que a dívida continue a acumular, o governo decidiu depositar 500 mil dólares mensalmente na conta da Sonangol. «Assumimos o compromisso de em todos os meses de pagar a EMAE, e a EMAE pagar a ENCO valores não inferiores a 500 mil dólares. Para quem não pagava nada, já é um grande sinal. Acreditamos que vamos melhorar. Já pagamos os meses de Julho e Agosto, e vamos pagar o mês de Setembro. É um grande esforço que o Governo está a fazer para sanear as finanças públicas», concluiu.

Abel Veiga

    15 comentários

15 comentários

  1. Vanplega

    19 de Setembro de 2019 as 5:45

    Mais que pora e essa.

    Que brincadeira e essa?

    Se combustivel chega ao pais, e vendido.

    Aonde entra o dinheiro da venda? Aonde esta o dinheiro, qual e o seu paradeiro?

    Nosso dirigentes e a justica, brincam muitu eeeeeeeee

    Dinheiro da venda de combustivel e sao tome e Principe, fugiu

  2. José Bastos Fonseca

    19 de Setembro de 2019 as 8:16

    Vai pagar de que forma?

    Essas explicações têm que ser mais técnicas e não só de retórica e blablabla ba.

    De onde é que sairão os 500 mil dolares?

  3. LIBREVILLE

    19 de Setembro de 2019 as 9:43

    500.000 dólares mensal???
    Ande vai sair esse dinheiro todo?
    O Estado já tem dinheiro para amortizar as dividas com a sonangol?
    Não será a má gestão do valor recentemente emprestado ao País Guiné Equatorial?
    Como podemos estar confiante na sustentabilidade do pagamento desse pacto entre Governo e a Sonangol?

    Só me cheira uma coisa, governo já demonstrou a sua incapacidade de governação, tirar 500.000 dólares mensal para amortizar uma divida de anos e anos acumulado, a negociação deveria ser outra. País enfrente problemas sociais graves, decidir por decidir não pode ser temos que saber negociar. Se não for sustentável dias menos dias estaremos as escuras por falta de cumprimentos do acordo mal negociado.

    O que falta para privatizar as empresas publicas, principalmente EMAE, ENAPORT; ENASA e os CORREIOS?
    Estão a espera de decisão do FMI??
    FMI que tem de pensar todo por vocês??

    O que esta la a fazer o Ministro de Finanças???

    Economia robusta não se constrói assim. fica a dica.
    Falar por falar não, precisamos de ações concretas e viáveis.
    STP merece.

  4. vexado

    19 de Setembro de 2019 as 11:18

    Alguma coisa se passa na Enco.
    Pelo que entendi, o ministro falou sobre a EMAE. Se EMAE factura mensalmente milhões de euros, como não consegue ela própria pagar a ENCO?

    Deu entender que o ministro das finanças esta no governo com uma missão. Obrigar o Estado a liquidar a divida com a sonangol e esta conseguindo.

  5. S.Tome e Principe

    19 de Setembro de 2019 as 12:45

    Muito bom senhor Ministro, paguemos as dívidas. Onde está o valor da venda destes combustíveis, como referiu um comentário que me antecedeu? Lembra que o senhor já publicou mais ou menos quanto devemos, espero que o valor mantenha – se por aí, e se pague com o valor da venda, daqui a diante.

    Sugestões Senhor Ministro:ENERGIA LIMPA

    Senhor Ministro, o nosso clima favorece, temos que apostar em energia limpa, fazer acordos e negociações, com Países que intendem, formar os nossos técnicos, criar infraestruturas, o senhor é algum burro que não pensa sequer nisto.

    Porque se for para estar a pagar combustíveis a Angola, e o nosso Hospital Central,as nossas Escolas, as nossas Estradas e o nosso Povo ficar na merda e vocês que têm quase tudo pago estar a pedir povo sacrifício, assim a coisa vai pegar, por isso pare e arranje soluções para daqui a 5 anos, para estar tudo pronto para investimento em energia limpa.

    SOLUÇÃO: ENERGIA LIMPA

    • Ralph

      20 de Setembro de 2019 as 0:54

      Uma política de instaurar uma rede de energia limpa, sustentável e renovável é boa e deveria ser perseguida de qualquer forma. Porém, vai demorar muitos anos para dar fruto. No entretanto, o governo terá de pagar as dívidas enquanto se esforça para estabelecer um sistema melhor. Não será fácil.

    • ONDE MESMO?

      20 de Setembro de 2019 as 11:00

      Tela Non, como deixa passar m comentário com insultos e palavras obscenas?

  6. Descamizado

    19 de Setembro de 2019 as 14:31

    O dinheiro da venda de combustível é depositado mensalmente 500 dólares na conta da Empresa Sonangol para pagar a EMAE que por sua vez paga a Enco É de recordar que mesmo com a venda de combustível não é suficiente, a Republica Democrática de S.Tomé e Príncipe que tem despesas com salário aos funcionários, fornecedores,importação de Bens e Consumo num País que não produz suficiente para a exportação e que na sua maioria as pessoas não pagam impostos, salvo excepção nestes últimos meses a Rosema que tem cumprido com as suas obrigações pagando impostos.A minha mãe que não foi à Escola mandou-me fazer por escrito e publicar a sua visão concernente a muita especulação que se paira neste rico e lindo País, acrescentando ainda mais que até quando deixemos de fazer politiquice que travam o real desenvolvimento deste ou de qualquer País.

  7. mario antonio

    19 de Setembro de 2019 as 14:59

    Sinceramente esse ministro das finanças é muito vazio. As suas entrevistas não têm substância nem “angû”. Senhor ministro, o senhor e o primeiro ministro não estão no governo para andarem toda a hora a reclamar e chorar…é para trazer soluções aos problemas que existem no País e mais nada. Antes de assumirem as funções os senhores não sabiam que o pais estava assim. Queremos as soluções e não reclamações.
    Apresentem resultados…..

  8. Ngandu Blanku

    19 de Setembro de 2019 as 22:10

    Há uma matreirice e subtileza no meio dessa dívida com a Sonangol. Quem fornece o combustível ao Estado Santomense e a ENCO. Então a dívida não pode ser com a SONANGOL
    A dívida e sim com a ENCO que tem como accionistas a SONANGOL, o Estado Santomense e os ANNIs (Accionistas Nacionais Nunca identificados). Nem o Telamon (jornal investigativo) nunca ousou indentifica-los e publica-los. Mas quando se trata de “Makas” envolvendo O “Pinta Cabra” ou o ADI o Telamon vasculha tudo (documentos ultra secretos são publicados).
    Voltando ao caso da dívida! E repugnante a dívida com a “ENCO” suba de Oitenta e tal milhões de dólares para Cento e Cinquenta Milhões de Dólares em menos de um ano. A revolta e ainda maior porque os ANNIs da ENCO pertencem a “NOVA” e adimira-nos como foi possível o “BOCA CHARROCO” não ter sido informado sobre a dívida real do Estado Santomense para com a ENCO, antes da publicação da Estado da Nação em foi anunciada a dívida com a “ENCO” de de Oitenta e Tal Milhões de dólares. Não pode a dúvida quase DUPLICAR em menos de um ano com as mesmas pessoas da MAIORIA como ANNIs do ENCO. Este e roubo qualificado de qualquer uma das partes. A Estatística tem que certificar quanto a ENCO forneceu ao Estado e quanto recebeu do Estado.O Tribunal de Contas tem que certificar isso. As Alfândegas tem que certificar quantos litros de combustível entrou no país através da ENCO. OBanco Nacional e o Tesouro Nacional tem que certificar quanto o Estado Santomense já pagou a ENCO nestes últimos anos. Todos estes dados cruzados trarão a luz, o verdadeiro valor da dívida do Estado para com a ENCO. Se quem fornece os combustíveis ao Estado e a ENCO e quem recebe os milhões e a SONANGOL, entao isto e uma grande barafunda com o objectivo de roubar ao Estado, insuflando os bolsos dos ANNIs da ENCO, os seus Satelites e Aliados, com milhões de dolares.
    Tendo em conta a blindagem actual formada entre A NOVA Parlamentar, o Governo, os Tribunais e o Tribunais de Contas, podemos confirmar, sem medo de errar que o roubo de quase Cinquenta Milhões de Dólares ao Estado Santomense está consumado. E a.melhor forma de consumar este roubo, será repetir está mentira de Cento e Cinquenta Milhões quantas vezes forem necessárias, para que ela (a mentira se teansforme em verdade).
    Foi para isto que queimaram o viatura do Estado! Foi para isso que formaram barricadas!
    Foi para isso que o povo Guadalupe to dormiu ao relento diante da CME? Se sim, agora toma. Engolula este roubo a seco sem direito a água. E pa vo-vo-vocês sa-sa-sa-sabeeeh!

  9. Ralph

    20 de Setembro de 2019 as 0:42

    Isto não parece nada de bom.

  10. Horlando Silva

    20 de Setembro de 2019 as 10:44

    Acho que esta solução é boa porque não devemos continuar com as dividas de quem nos facilita a vida, porem temos o direito de saber e muito bem tudo que se passa no nosso país:
    • Quando se fala de 1/3 de fornecimento fica muito vago, deve identificar quantos litros que forneciam para poder extrair de lá os 1/3 que correspondem ao fornecimento actual;
    • Uma divida de 150.000.000,00UDS a ser amortizada por 500.000,00USD mensal vai levar-nos a 300 meses para pagar, o que corresponde a 25 anos;
    As perguntas são:
    1. Quais são os documentos que confirmam essas dívidas?
    2. Será que não tem um responsável por essas dívidas?
    3. Conseguimos pagar rigorosamente esse valor?
    4. De onde vai sair esse valor?
    Sou cidadão santomense e apenas gostaria de saber a verdade.

  11. Urubu

    21 de Setembro de 2019 as 17:08

    Até acho que o valor mensal é pequeno em relação ao valor da dívida.
    E depois existe o valor dos gastos correntes.

    Enfim mais uma vez não vão cumprir, e o povo de Stp vai passar por bando de caloteiros, quando no fundo foram os seus governantes que nunca fizeram qualquer acto de gestão, isto desde a Independência. Assim esses senhores que governaram este “País “ desde a Independência deviam ser chamados a tribunal por gestão danosa e peculato contra o povo.

    Se calhar Angola cansa de dar, sem nada receber, e depois quem fornece combustível com crédito????

    Já agora, com tantos programas internacionais para a inclusão de energia alternativa, porque ainda não apareceu propostas de instalação de centrais helolicas ou solares, se calhar porque sabem que depois não recebem da Emae, Esta é a imagem de Stp para o exterior, não pagam dívida.

    Vergonha de “País “ , nunca teve condições para ser independente.

  12. Amar o o que é nosso

    22 de Setembro de 2019 as 7:30

    Minha gente infelizmente por enquanto não há ainda Santomenses capazes para liderar e para pensar. Capaz. No geral Santomense tem uma mente muito fraca. Ainda por cima muito preguiçosos. Minha opinião é fazermos tudo o que o FMI mandar e termos os representantes deles em todos sectores a ver se estamos a fazer direitinho. Não dá para stome pensar com sua cabeça. Não dá mesmo.

  13. Sempre atento

    22 de Setembro de 2019 as 12:50

    Quem depende do outro tem que estar sujeito.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo