Economia

Pela primeira vez STP garante 52,4% do seu Orçamento de Estado

Tradicionalmente, mais de 95% do valor Orçamento Geral do Estado(OGE) de São Tomé e Príncipe, é assegurado pela ajuda financeira internacional. Na apresentação do OGE para o ano 2019, o Governo anunciou que 97% do valor de 155 milhões de dólares seriam suportados pela comunidade internacional.

Mas já na última sexta feira, o país decidiu fazer história. O Ministro das Finanças Osvaldo Vaz, entregou ao parlamento o projecto do Orçamento Geral do Estado para o ano 2020 e anunciou que está avaliado em 159 milhões de dólares.

A grande novidade histórica, é que o país já não vai depender em mais de 50% da ajuda financeira internacional para suportar o seu orçamento de Estado.

«Das receitas globais, as receitas internas irão ter um peso de 52,4%. Ou seja, vamos arrecadar internamente 78 milhões de dólares, e os outros 47,6% serão das receitas externas», afirmou o ministro das finanças.

O Ministro recusou definir o OGE 2020 como sendo histórico. «Não queria falar do histórico. Mas só quero dizer que das receitas globais, as receitas internas estarão acima dos 50%», frisou Osvaldo Vaz.

O Ministro das Finanças, explicou a imprensa que as projecções que apresenta para o OGE 2020, resultam da concertação feita com o FMI. Segundo o Ministro das Finanças, pela primeira vez, o FMI participou na elaboração do Orçamento Geral do Estado de São Tomé e Príncipe.

Mas, vem de onde, essa capacidade de arrecadação de receitas por parte do Governo, para satisfazer 52,4% do Orçamento Geral do Estado? Do IVA de 15% a ser implementado a partir de 2020?

« IVA também irá contribuir porque será implementado no primeiro semestre de 2020, e é claro que todas as tarifas contribuirão. Mas será assim, porque estamos a fazer uma gestão financeira cautelosa, estamos a disciplinar o país financeiramente», precisou o Ministro das Finanças.

No entanto, a assumpção pelo governo da responsabilidade de garantir receitas que suportem 52,4% do OGE 2020, não significa que ficam garantidas as despesas de investimento. «O Governo vai suportar todas as despesas correntes. As despesas de investimento ficam dependentes em 90% do apoio externo», esclareceu.

O Ministro não adiantou a projecção do crescimento económico para 2020, a luz do projecto de Orçamento geral do Estado, que f oi submetido ao parlamento.

Contudo, não conseguiu esquivar-se da questão referente ao crescimento económico previsto para o ano 2019. O Governo indicou para 2029 um crescimento económico de 4,5%. O Ministro das Finanças reconheceu que na prática o crescimento em 2019, ficou muito distante desta cifra.

« Não será a taxa que projectamos, porque infelizmente não tínhamos o programa com o FMI que só foi aprovado 10 meses depois. O orçamento do Estado só foi aprovado no mês de Abril. Houve grandes constrangimentos que levaram a que a nossa taxa de crescimento não fosse a mais desejada, mas será sempre superior a do ano passado», pontuou.

Até o mês de Setembro passado a taxa de crescimento no ano 2019, atingia segundo o Ministro, 2,7%. Taxa igual a do ano 2018. O Ministro das Finanças, acredita que com a entrada de algum dinheiro dos parceiros internacionais, para financiar projectos de investimento público, até dezembro, a taxa de crescimento deverá ultrapassar os 2,7%.

Acompanhe vários outros temas da actualidade económica e financeira na entrevista do Ministro Osvaldo Vaz, a saída da Assembleia Nacional.

Abel Veiga

    13 comentários

13 comentários

  1. Lucas

    18 de Novembro de 2019 as 11:28

    Alguem acredita nisto?
    Conversa para boi dormir
    Tenho dito

  2. Alligator

    18 de Novembro de 2019 as 12:02

    Sinceramente custa-me crer nestes 52,4% assumidos ou garantidos pela receita interna.Por isso digo: Sr ministro, não brinque com a “cara” dos Santomenses, porque não vejo de maneira nenhuma de onde possa sair estes 78 milhões de dollares. Ver para crer como o padroeiro deste nosso STP sofredor.

    • Pereira

      22 de Novembro de 2019 as 22:19

      Este governo está desorientado sem rumo procurando solução! Do meu ponto de vista elenco governamental está percebendo que ja não existe dinheiro fácil. Palavras bonita do JBJ ja não dá para conquistar uma namorada com poesia . Osvaldo Abreu é outro palhaço que sonha com porto de água profunda com dinheiro de cacau? Ou com bla bla bla…:: Escolhe outro iirmão ,os chineses são gatos com caudas escaldada .

  3. Madiba

    18 de Novembro de 2019 as 12:56

    No dia que S. Tomé e Príncipe conseguir arrecadar 78 milhões de dólares para satisfazer as suas despesas internas podem crer caros compatriotas que nós estaremos bem. E não precisa ser um economista para ver que neste momento, o nosso país não consegue ter a metade deste valor num ano.
    Os nossos políticos andam a brincar muito com a língua. Tenham cuidado a falar, meus senhores! Quem não se lembra de um outro Ministro, também ele das Finanças que garantiu a dada altura da apresentação do OGE que o mesmo tinha financiamento a 98%. O que se seguiu? Eu, penso que esta questão dos 78 milhões de dólares está sendo muito mal interpretada pelos nossos jornalistas ou o Ministro, também este dá-se muito mal com a economia. Se fosse o seu professor de macroeconomia mandava-o para primeiro ano de faculdade.

  4. Smash

    18 de Novembro de 2019 as 14:32

    Balelas… Contraditório num discurso onde emana falta de credibilidade. Se o País depende 100% dos apoios internacionais. Onde, quando, como, conseguiu-se arrecadar cerca de 80 milhões de€ em receita interna num País onde não há produtividade!!! Francamente Os “Poderosos”, da política conseguem facilmente incutir crenças nas pessoas para atingirem os seus objectivos pessoais. Como é que conseguem? Como é que perduram? Como é que se espalham? Como é que se tornam intransigentes, mesmo com evidencias que provam o contrário? Como é que nos defendemos?”

    “As mentiras instalam-se quando temos pouca experiência nos assuntos, ou falta de conhecimento, outras vezes é a estupidez que prevalece, mesmo quando as evidências estão à frente do nosso nariz”

  5. Frederico Ferreira Major

    18 de Novembro de 2019 as 17:05

    Se o passado nos faz desconfiar da credibilidade das pessoas que governaram este país, então o executivo deve matar a cobra e mostrar o pau, porque o homem deve aprender com os erros do passado. ” in Mé Ué beto “.

  6. Rui Barros

    18 de Novembro de 2019 as 20:01

    Sinto muita pena pelo nível tão crescente de pessimismo de alguns sao-tomenses. Isto não é normal! Alguma coisa estranha está passando pela cabeça destas pessoas…
    Até quando alguns desses comentaristas ditos “compatriotas” serão capazes de pelo menos transmitir uma mensagem de bom grado ao seu povo. Que raio de gente que só sabe lamentar, criticar, botar baixo a tudo do seu pais? CREDO!!!!!!!
    Quando as coisas estão mal, ou vão mal… criticam. Quando se arranja ou vai-se a busca de soluções, também criticam ou não acreditam. Sinceramente!
    Julgo que na democracia deve haver críticas quer de índoles construtivas ou destrutivas, dependendo dos objectivos que se pretende. Também deve haver opositores para fiscalizar e acompanhar a gestão de coisa publica. Mas, em qualquer das circunstâncias, na democracia deve haver um mínimo de discência.
    Infelizmente, existem pessoas que foram estudar nas universidades apenas para saber como deitar baixo as obras, projectos e ideias dos outros…. A estas pessoas apelidar-se de malfeitores.
    FUI…

  7. ZECA PITEU

    18 de Novembro de 2019 as 20:34

    Rui Barros, estou plenamente de acordo contigo, nunca vi um povo com esse tipo de caracter e k so pensa na desgraca pensando eles se o caos e a desgraca real cai neste pais estariam a salvo.
    A maioria por terem perdido o tacho e estao a contar dedo na praia Brasil ou entao nao foram habituados a trabalhar hoje terao k arregacar as mangas. Temos terras abandonadas e nao vao ao ministerio da agricultura pedir terra pra trabalhar. Outros ate pagam os motoqueiros pra criarem panico no pais pra alimentar as suas pretencoes. Minha gente vamos pensar por um STP melhor para o bem de todos nos porque assim nao da. Todos agora passaram a ser analista politico. Ate a Piedade Bandeira cunhada de Diogo cornudo BALOBA que marido desprezou e abandonou-a na rua da amargura so comenta besteira em vez de cozinhar pra k outro homem possa sentir atracao por vc.
    Quando PT deixava sacos de dolares ao cuidado de BALOBA onde era distribuida pra vcs sem trabalhar tava tudo bem, agora se quizer vai a RUA ROSARIO.

  8. Vanplega

    18 de Novembro de 2019 as 22:22

    Vamos ver se aplicam o orcamento correctamente.

    Que os regabofes tem que acaba, ja que o combate a corrupcao deixeu ni agua de bacalhau.

    E chegado a hora dos da terra, ter orgulho no que e nosso e desenvolver este pais.

    Nao vos emcomoda ver tantos desempregados, tantos sem saude, tanto sem educacao. Infraestrurura em estado de degradacao, uma sociedade com ausencia de estado. Com tanta impunidades, com tantos LADROES de coisa publica?

    E chegado a hora, meus senhores

  9. Boinal

    19 de Novembro de 2019 as 6:38

    Explicar sem explicar, kkk. Ou então é magia!

  10. Vedé

    19 de Novembro de 2019 as 12:49

    Se as receitas internas chegarão a 52,4%, quer dizer que IVA será a desgraça desse povo.

  11. Mepoçon

    19 de Novembro de 2019 as 16:02

    Não economista académico mas experiente. Senhor, desculpa lá, V.Ea. sabe como que se calcula uma previsão orçamental? Tem uma estatística do orçamento nacional? Como que se prevê arrecadar um montante num imposto na fase embrionária, naturalmente com tantas lacunas que vão surgindo na sua emplementacao? Francamente, só pode ser uma mensagem ludribriante ou incompetência, desculpa o termo.

  12. Rosa dos Santos

    19 de Novembro de 2019 as 21:38

    Se Este dito Ministro diz que consegui arrecadar 50% do orçamento no país, ele devia ter coragem de dizer que se não cumpri-se com esta promessa que o Governo iria demitir-se. O povo tem que começar a exigir ao Governo. Penso que o povo votou nos partidos para governarem e não para fazerem o papel de palhaço.
    Neste caso, o Ministro das Finanças, o Senhor Primeiro Ministro e os restantes membros do Governo, devem deixar uma promessa, de que se não arrecadarem meios financeiros para cobrir mais de 50% de orçamento como diz o vosso Ministro, que põem o cargo a disposição, isto é que deixam de governar e convoquem eleições antecipadas para recolherem a confiança do povo.
    É que o povo está cansado de tantas mentiras. Prometeram baixar tudo, mas pelo contrario subiram tudo e estão a roubar o pouco que os funcionários ganham.
    Se conseguem arrecadar mais de 50% de orçamento, neste caso, não vão só financiar as despesas correntes, mas sim vão ter que financiar as despesas de capital também. Porque as despesas correntes não alcançam 50% do OGE.
    Não vamos dizer que é impossível, no entanto, vamos ter que ter um compromisso do governo porque estamos cansados de mentira. Também o orçamento não pode ser financiado com sangue e suor dos mais pobres.Se estão a pensar no IVA, então penso que será uum mau pensamento. Porque depois de instalarem o IVA no país, vocês v~
    ao ter que correr deitado. Vai ser greve na educação, greve na saúde, greve na função pública etc. etc.
    A ver vamos
    Bem haja STP

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo