Economia

Em fila, 16 mil famílias começaram a receber ajuda financeira do BM

Banco Mundial é o financiador do Projecto de Protecção Social, para combater o crescimento da pobreza em São Tomé e Príncipe. Segundo dados divulgados pelo Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus, por causa da Covid-19, o índice da pobreza saltou de 62,3% da população para 65,2%.

Os dados do Banco Mundial indicam que em consequência da Covid-19, de 2020 à 2021 pelo menos 8 mil novas famílias santomenses estão em vias de engrossar as fileiras da população pobre.

O projecto de protecção social do Banco Mundial, decidiu aumentar o financiamento à São Tomé e Príncipe para apoiar as famílias pobres e vulneráveis. 18 milhões de dólares foram desbloqueados para garantir ajuda financeira a 16 mil famílias vulneráveis, durante o período de 9 meses.

Considerado como o maior e mais importante projecto de protecção social da história do país, o programa de emergência social de resposta a Covid-19, começou a ser executado esta semana.

O edifício do cinema Marcelo da Veiga, transformou-se numa praça financeira na cidade de São Tomé.

Segundo o Ministro da Solidariedade e Família, Adlander Matos, 344 famílias vulneráveis do distrito de Caué no sul da ilha de São Tomé, e outras 786 famílias vulneráveis do distrito de Lembá no norte da ilha de São Tomé são os primeiros beneficiários do programa de emergência social.

«As pessoas são transportadas para a capital, São Tomé, onde recebem o cartão dobra 24 e fazem o levantamento do seu valor. Já o segundo pagamento será feito nos distritos de residência…», explicou o ministro Adlander Matos.

Através do cartão dobra 24 e dos sistemas de pagamentos automáticos, a população pobre levanta 1800 dobras, cerca de 72 euros. Valor que deve ser levantado pelo agregado familiar pobre, de dois em dois meses.

«Seria importante que investissem este valor em actividades geradoras de renda. É um processo de resposta a emergência socioeconómica», alertou o ministro da solidariedade e família.

Nos próximos 9 meses, 16 mil famílias de São Tomé e Príncipe vão receber dinheiro, para reconstruírem as suas vidas, que foram devastadas pelo impacto da Covid-19.

Jorge Bom Jesus, Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, inaugurou a abertura do financiamento directo às populações pobres.

«Não se trata de favor nenhum. Não estamos aqui num acto de caridade social. Estamos a corrigir uma injustiça social como consequência da Covid-19, que arrastou a crise económica e fez aumentar os índices da pobreza. Tudo estamos a fazer para devolver dignidade esperança e sorriso nos rostos de cada santomense…», afirmou o Chefe do Governo.

O Governo apelou ao espírito empreendedor das famílias que estão a receber ajuda financeira. Jorge Bom Jesus, avisou eu é altura de se trabalhar mais, e com afinco. Tudo porque a ajuda financeira de protecção social, para a maior parte dos beneficiários, termina dentro de 9 meses.

«Depois dos 9 meses, apenas cerca de 3000 famílias vão continuar a receber a ajuda financeira. Sabemos que as pessoas precisam desse empurrão para que a vida possa retomar o seu curso normal. Queremos arrancar as pessoas da pobreza…», pontuou Jorge Bom Jesus.

Com apoio do Banco Mundial, Governo santomense desencadeia o maior plano de assistência social no país. Estima-se que a ajuda financeira que está a ser distribuída para as 16 mil famílias pobres, vai ter impacto indirecto na melhoria de vida de mais de 80 mil santomenses. Note-se que o país é habitado por cerca de 200 mil pessoas.

Abel Veiga

    8 comentários

8 comentários

  1. Sem assunto

    1 de Julho de 2021 as 17:22

    Só nesta terra é que isto acontece.
    O Estado está dando dinheiro as pessoas sem um mínimo de controle e acompanhamento ao destino que será dado a esta verba e vem o poeta-ilusionista do primeiro ministro falar em solução da pobreza apartir deste gesto, enlouqueceu de vez só pode ser!

  2. Povinho

    1 de Julho de 2021 as 21:07

    Com a situação da pandemia que fez empurrar muitos a pobreza é verdade que muitas famílias estejam a necessitar. Por outro lado, o governo está aproveitar da situação para favorecer o partido do governo a fim de ganhar algumas vantagens a favor do seu principal candidato Posser da Costa.
    Para aqueles pessoas que não possuem nenhum conhecimento e nem entendem do jogo político, vai dizer que o MLSTP é quem está ajudar a tirar o povo da pobreza. Porquê que só agora está a sair essa verba e tão rápido em distribuir? O shr primeiro ministro até disse “Queremos arrancar as pessoas da pobreza”. Para verem que quando há interesses, o processo vai acelerado. Estão a demonstrar claramente que só não fazem quando não querem.
    Tristeza desse país.

  3. GRAVANA

    2 de Julho de 2021 as 8:50

    O Bom Jesus não perde tempo, mesmo…mais uma oportunidade de campanha junto aos eleitorado do mlstp…porque eu tenho certeza que 1005 DO BENEFICIADOS são adeptos e simpatizantes do partido no puder. é a mesma cena que se fez aquando do episódio de cavid 19 ANO atrás, só foram contemplados os activista do apartido, quem escreve é um observador atento…..
    Mas não posso deixar de vos lembrar de um velho ditado,…… S.Tomé e Principe é de todos santomense, independentemente da cor partidária da raça, todos juntos formamos um só povo uma só nação.
    Quando e de que forma foi feito o levantamento pra tal,..?
    Que critérios foram adoptados para efeito ?
    Eu acredito que se fosse aquele “bom Jesus” santo da igreja, que a minha avó costumava ter lá no cantinho da casa, iluminado pelo luz de “canja zétêê” teria olhos pra ver todos, se descriminação… mas infelizmente é esse Bom Jesus para tudo, cego e surdo aos seus próprios edeais, caara como leitão podado, cínico….Duvido muito vos entrego à todos, a justiça divina……Costuma dizer-se o mundo é de Deus e a terra é do pecador…..Bem Haja….

  4. Victorino

    2 de Julho de 2021 as 9:31

    Lamentavel
    Sao Tomé n é pais tao miseravel assim?
    Nao sofremos nenhuma catastrofe de grande propurçao
    Nao sofremos Guerra civil
    Temos terra fertil é chuvosa
    Temos ociano riquissimo em price petroleo etc
    Parents de apprendre esse poco à viver de coitadinhos e mendigos
    Assim vamps afundar é Rico’s enriquecer
    Ma pulitica
    Assim como nao coudâmes é tirâmes toda arrêta da praia é agora pensâmes em tourisme
    Francamente. Assim vamps afindar todos pour causa da ganancia falsified é aldrabisses Sao Tomé nao é ponte
    Ha pauses pontes
    Pauses de sécateur severa
    Pauses de conflicts guerras dînâmes étonnas terrorismo etc
    Sejemos serious
    Trabalho ones to é Tudor pra esse poco t’ornât 200 mil Rico’s do planets
    Victorino Andre

  5. Victorino

    2 de Julho de 2021 as 9:43

    Il y a de pays poivre même très poivre
    Mais chez nous non nous sommes riches sens les profiter
    C la tristesse de mauvaise gouvernance depuis 12/7/1975 jusqu’à aujourd’hui

  6. Matabala

    2 de Julho de 2021 as 10:50

    Minha avó dizia melhor que dar o peixe é dar a cana para pescar…medida populista que serve só para eleições e não resolve nada do problema das pessoas. Tanto dinheiro covid a entrar neste país e a cabeça destes governante só pensa em comer seu dinheiro gordo e dar migalha no povo. Ponham dinheiro na economia investindo em obras publicas e infraestruturas sempre criam emprego e melhoram o país e a economia a longo prazo. Bandidos pa

  7. Paulo Durães

    2 de Julho de 2021 as 14:21

    OH Srº PM,Jorginho mau Jesus,

    Deves ter vergonha de humilhar o teu Povo desta maneira.

    Cá se faz cá se paga não se esqueça!

    É muita HUMILHAÇÃO pah!!!

  8. Mepoçom

    2 de Julho de 2021 as 16:23

    A sociedade mais vulnerável que acredita na mentira desses bandos está feita. Eles conseguem comprar a consciência das pessoas de mil e uma forma. É hoje que a pobreza está alastrar em São Tomé? Ou é por causa de covid-19?. O Banco Mundial vai financiar com 8 milhões para subsidiar as 16.000 pessoas carenciadas durante 9 meses, e depois daí? Este financiamento é a fundo perdido? Em vez de dar pão e peixe, porque não dar fio para pescar? Na minha fraca mentalidade, pergunto não valia a pena investir esse crédito de forma a criar emprego nessas zonas mais carenciadas? Não seria mais valia? O mais demagogo é quem quer motivar os beneficiários a criar renda com 31 euros mensais. Sinceramente… Vocês não são culpados ;os culpados são as instituições internacionais que em vez de ajudar a sanar as desgraças do globo, contribuem para a sua proliferação. E depois aparecem com sinismo estamos a ajudar. Africano, sobretudo que abram olhos..

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo