Economia

Compacto Lusófono: BAD em parceria com a IFC avançam o desenvolvimento económico nos PALOP

Abidjan, 1 de dezembro de 2021 – O Banco Africano de Desenvolvimento e a IFC assinaram hoje um acordo de parceria admitindo a IFC como o primeiro parceiro institucional do Compacto para Financiamento do Desenvolvimento para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), ou o Compacto Lusófono.

O acordo foi assinado pelo Vice-Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento para os Serviços Corporativos e Recursos Humanos e Presidente do Comité Diretor do Compacto Lusófono, Dr. Mateus Magala, e Dr. Sérgio Pimenta, Vice-Presidente Regional para África, IFC, numa breve cerimónia na capital comercial da Costa do Marfim, Abidjan.

A assinatura segue-se à aprovação pelo Comité Diretor do Compacto Lusófono da proposta de parceria apresentada pela IFC , com base no Quadro de Critérios de Adesão e de Elegibilidade para Parceiros e Membros do Compacto Lusófono, adotado em dezembro de 2020.

A aceitação no Compacto Lusófono baseia-se em dois princípios gerais: apoio ao objetivo da iniciativa de acelerar o crescimento inclusivo do sector privado e promover a integração regional dos PALOP, e a prestação de contribuições específicas e de valor acrescentado, alinhadas com as âncoras da iniciativa.

“Este marco notável irá maximizar o apoio e a prestação de um apoio adequado ao desenvolvimento acelerado do sector privado e à integração regional nos PALOP. A IFC traz a sua vasta experiência e conhecimentos globais no apoio ao desenvolvimento do sector privado em vários países. Estamos ansiosos por trabalhar em conjunto para aumentar os investimentos do sector privado nos países membros do Compacto Lusófono”, disse o Dr. Magala, durante a cerimónia de assinatura.

A adesão ao Compacto Lusófono está aberta aos países membros regionais e não regionais de língua portuguesa do Banco Africano de Desenvolvimento; comités económicos regionais; instituições financeiras de desenvolvimento; bancos de investimento; bancos comerciais; investidores institucionais tais como fundos de pensões; fundos soberanos; e outras instituições privadas, fundações, organizações não governamentais, e instituições que oferecem assistência técnica.

O Compacto Lusófono promove o desenvolvimento do sector privado, fornecendo mitigação de riscos, instrumentos de financiamento e assistência técnica para fomentar os negócios nos países membros.

“A CFI está totalmente empenhada em fazer avançar o desenvolvimento económico nos países africanos lusófonos. Vemos esta assinatura do Compacto Lusófono e o seu plano de desenvolvimento integrado como uma continuação do nosso trabalho, mas agora maximizado para alavancar as competências, conhecimentos e financiamento disponibilizados por cada parceiro”, disse Sérgio Pimenta, Vice-Presidente Regional para África da CFI.

Dr. Pimenta observou que os objetivos do Compacto estão alinhados com a estratégia de Criação de Mercados da CFI que está a ser implementada na África lusófona e noutras regiões, para desbloquear oportunidades de investimento do sector privado através do trabalho de diagnóstico do sector privado, mitigação de riscos e financiamento de projetos viáveis.

“Estamos muito ansiosos por trabalhar com os nossos parceiros para alavancar a nossa experiência e apoiar a mobilização de capital privado para os PALOP”, acrescentou Pimenta.

Clique aqui para mais informações sobre os critérios de elegibilidade para a adesão e parcerias.

 FONTE :  BAD – African Development Bank Group (AfDB)

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo