Destaques

Discurso na Assembleia Geral: Patrice Trovoada (em francês)  

O primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Patrice Trovoada, falou na Assembleia Geral da ONU nesta sexta-feira no 4º dia do Debate Geral da 71ª Assembleia Geral da ONU.

Ouça o discurso na íntegra.

Tempo: 8’58″

PARCERIA Téla Nón / Rádio ONU

    12 comentários

12 comentários

  1. Nosso Dubai

    25 de Setembro de 2016 as 7:38

    Cada um deve falar na língua do seu país. Não vejo nenhum mal nisso, se homem é gabonês e a língua oficial de Gabão é francês então deve e tem obrigação de falar a sua língua.

    Muito melhor se ele abrisse a boca para falar o seu brutoguês, assim as pessoas iam descobrir logo que homem não é santomense e pior seria se homem falasse a língua de Biafa!

    • Conceicao Pereira

      27 de Setembro de 2016 as 17:16

      Desde quando que a Biafra tem alguma ligação com Gabao ?

  2. Sou Do ADI

    25 de Setembro de 2016 as 9:23

    Um gabonês deve falar qual língua?

  3. Quidide

    25 de Setembro de 2016 as 10:26

    Não percebo a razão pela qual é sempre a mesma figura a representar STP na ONU, ainda por cima quando vai enaltecer uma língua que não é a língua oficial do país. Exibe-se com a esposa na foto com Obama que não é de STP nem reside lá e expressa-se em francês.
    Correram com “uns” chamando-os de “colonos negros”, agora temos outros colonos” mas de cidadania e expressão francófona. “KUÁ LI BILI KUÁ SÉ…”Em contrapartida a dívida de STP atingiu o limite segundo FMI e a miséria aumenta na vida e no rosto do povo pequeno.
    É o prometido Dubai.

  4. Poder Absoluto, Ditadura do ADI...

    25 de Setembro de 2016 as 14:06

    Esse governo, é uma comédia!

  5. Fernrando Fernandes

    25 de Setembro de 2016 as 17:35

    Agora estás a brincar com os seus brinquedos8os outros)
    Não te esqueças que ao de te fazer de brinquedo. Não será muito longe

  6. seabra

    25 de Setembro de 2016 as 23:33

    …aquele afro-francês,cheiinho de adverbios,à gabonesa. Vraiment,vous même lá,vous êtes un imbecil. Comment,dit donc? Je te jure,PT est un vrai bantou gabonais,présentement,il joue le rôle de pm à STP,seulement,pour voler l’argent du peuple et de l’État,soutenu par son pygmee d’ami A. Varela! T’as vu,hein…

  7. Tou de fora

    26 de Setembro de 2016 as 10:01

    Eh eh. Quando vcs derem conta, bebé nasce a dizer “maman” e todo mundo falando francês no país todo. CPLF em vez de CPLP.

  8. Kúassa - kúassa

    26 de Setembro de 2016 as 20:42

    Alguém pode traduzir para mim o discurso do Primeiro Ministro do meu país na Assembleia Geral da ONU? Eu falo português, língua oficial do meu país, São Tomé e Príncipe, mas o Primeiro Ministro resolveu discursar na língua da terra dele. Os gaboneses entenderam tudo. E eu santomense, como é que eu faço agora para saber o que diz o discurso?

  9. João Gomes

    27 de Setembro de 2016 as 11:09

    …Sr. Primeiro Ministro, foi mal assessorado-pouco importa discursar em francês! Em Cabo Verde, expressa-se em crioulo (…)

  10. Tungo

    27 de Setembro de 2016 as 12:00

    Enfim, sou filho dos que chamam povo pequeno e há uma grande confusão em termo de perceção do que disse, o Chefe do Governo do meu País, a conclusão chegada é que vamos ser colonizado, desta vez pelos Franceses esperemos que ñ.

  11. safu

    27 de Setembro de 2016 as 21:44

    Á grande parte dos comentários, só se poderá dizer que se os senhores querem ser verdadeira oposição ao governo em funções, têm que ser bem mais inteligentes, para serem considerados e levados a sério.
    Atacar o vosso governo por discursar em francês na cimeira da ONU, só pode vir de cretinos que para além de não saírem do pais, não estão atentos aos mais elementares pormenores neste tipo de acontecimentos – É efectivamente habitual os oradores se exprimirem em francês ou inglês, e podem orgulhar-se de terem um representante que assim se pode expressar, o que nem sempre vos aconteceu. Certamente estarão esquecidos, mas lá vai o tempo em que as mais altas figuras desse estado, logo que calcavam os sapatos, saiam da roça e lhes faltava o grogue, ficavam completamente perdidos em mundos que não estavam habituados a frequentar. Certamente entre eles, estão alguns de vós, incapazes de analisar ou julgar com isenção, mais parecendo cobras venenosas, e inconformadas com a ausência do “puderzinho” que vos fazia sentir reis do burgo.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo