Política

Oposição pede apoio internacional para evitar a morte do 4º orgão de soberania

Numa conferência de imprensa os 3 partidos da oposição, explicaram a opinião pública porque razão decidiram abandonar a sessão plenária da Assembleia Nacional na última sexta – feira.

As três forças políticas consideram que o Governo através da maioria parlamentar que o sustenta, fez aprovar um diploma de reforma da justiça que mata o quarto órgão de soberania do Estado, os Tribunais. «Esses diplomas vêm matar o quarto órgão de soberania. E como representantes do povo, não poderiamos participar nisto», afirmou Jorge Amado, porta voz dos partidos da oposição com representação parlamentar.

Segundo a oposição os 7 diplomas de reforma da justiça que foram aprovados pelos 33 deputados do partido ADI, impõe a governamentalização dos Tribunais. «Não se pode aceitar que a política entre dentro dos tribunais, porque quando a política entra pela porta dos Tribunais a justiça sai pela janela», frisou.

A oposição anunciou que o diploma, que foi aprovado pela maioria parlamentar e que será submetido ao Presidente da República para efeitos de aprovação, viola a constituição política. «Passa o Governo a nomear e a exonerar juízes. Isto não pode existir na nossa república», pontuou o porta voz dos partidos da oposição.

Com o novo diploma de reforma da justiça que ao que tudo indica será promulgado pelo Presidente da República enquanto membro da maioria partidária que governa o país, os partidos da oposição, consideram que a transparência dos actos eleitorais previstos para este ano, ficará também em causa. «Não podemos dar oportunidade para se legalizar a fraude eleitoral que se pretende levar a cabo neste país. Tendo em conta que a lei aprovada, faculta ao Governo o poder de nomear os juízes, então os juízes que estarão no apuramento distrital dos votos, serão juízes nomeados pelo Governo, e  assim facilitar a vitória do Governo nessas eleições», denunciou a oposição parlamentar.

Os partidos da oposição apelaram a comunidade internacional «a acompanhar e intervir neste processo. Vamos levar a nossa preocupação a todos os organismos internacionais», pontuou.

As três forças políticas que representam a oposição parlamentar, reconhecem que o país precisa de uma reforma do sistema de justiça, que possa expurgar os mais vícios e a incompetência no seio dos Tribunais. No entanto defende que o processo deve ser transparente, isento e inclusivo.

Téla Nón

    7 comentários

7 comentários

  1. Sofia

    1 de Maio de 2018 as 12:33

    Grande oposição… Obrigada… Salvem nos… O povo não fala mais esta em pânico. Ajudem nos td povo português e mundo

  2. afonso

    2 de Maio de 2018 as 6:42

    A comunidade internacional não vai fazer nada porque sobretudo está o principio da soberania da nação. Somente os santomenses serão capazes de resolver este problema com a participação do povo. Somente o povo podera resolver. Tem de haver a mobilização popular para inverter esta doença que vai destruir o país com o principio da ditadura. Uma vez que o governo passa a controlar os tribunais, logo instalará a ditadura.

  3. MATRUSSO

    2 de Maio de 2018 as 8:42

    Tenho dito, Só uma reacção séria decidida e contínua poderá decifrar os códigos para contornar a situação, nem que para isso tenha que jorar sangue.

    STP já merece há muito tempo sangue… muito sangue para resolver esse imbróglio criado pelo próprio povo, apostando todos os trunfos num forasteiro e desconhecido.

    “Mataram gato e protejeram rato”

  4. sotavento

    2 de Maio de 2018 as 8:49

    A oposicao tem que ser mais activa porque é muito fraca a oposicao ao governo do ADI.Creio que a comunidade internacional nao vai solucionar coisa nenhuma.O problema da minha terra é que tem politicos e politiqueiros , há muitos que estao aí como deputados que nao deveriam estar.Muita gente incopetente , muita gente burra.Com esse nivél de politicos de opositores nada feito.É de lamentar o que passa em STP, uma terra diminuta que nem há meio milhao de pessoas com tanta mer…O povo tem que se mobilizar de forma pacifica sem violencia e dar um abanao a isto.

  5. SAMPONHA

    2 de Maio de 2018 as 11:05

    A República de S.Tomé e Príncipe encontra-se em situação de desobidiência civil.O Governo do senhor Primeiro Ministro Patrice Trovoada, Presidente do partido ADI e chefe do Governo,costelado pela Associação dos Advogados de responsabilidade Limitada composta leos senhores Oliveira Amado, Celisa Deus Lima desacatam a ordem do Supremo Tribunal de Justiça, informando as populações que a Fábrica irá funcionar normalmente, abastecendo o mercado com consumo de cervejas É com quem diz. A decisão do Supremo Tribunal de Justiça não é para ser cumprida. Faço lembrar as populações, que o senhor Patrice Trovoada tem dito que as decisões dos Tribunais devem e são para ser cumpridas e acatadas para não se afugentar os investidores,que devem confiar na justiça Santomense e por conseguinte garantir o seu investimento para qualquer litígio. Não é isto que se está a passar. O Governo não quer respeitar as decisões dos Tribunais em devolver a fábrica Rosema que alimenta muitos membros do ADI ao seu verdadeiro dono que é o senhor Mello Xavier.Não sei como o nome do Presidente do Supremo Tribunal da Justiça aparece num caso que na altura o mesmo não estava ligado ao Supremo Tribunal de Justiça mas sim noutras funções.Agora se compreende a razão da criação repentina deste grupo denominado Sociedade civil para a reforma da Justiça, composta pelos senhores Filinto Costa Alegre, Celisa Deus Lima e Adelino Pereira com propósito de defender o Governo com a criação de vários Diplomas que tiram poder ao Presidente do Supremo Tribunal de Justiça.Em suma o senhor Patrice Trovoada quer dominar o País e que ninguém terá voz para o contrariar.Povo abre os olhos.

  6. JOAO CARLOS

    2 de Maio de 2018 as 14:48

    A oposição só conseguirá travar os intentos do ADI se;
    1- Ter uma liderança forte (tirem o Aurélio Martins da liderança do MLSTP por favor)
    2- Abrir os partidos da oposição aos jovens descontentes (que há muitos)
    3- Fazer oposição séria
    4- Ter contactos internacionais de modo a defender-se e denunciar as atrocidades do ADI
    5- Afastar algumas pessoas que se encontram nesses partidos sobretudo o MLSTP ex; Gaudêncio COSTA etc…
    6- Ir as eleições de forma unida e com candidato e equipa forte….
    7- Estar atenta as manobras do ADI
    Não sei se conseguem….

    • Carlos Cravid

      5 de Maio de 2018 as 16:43

      Meu caro, não será possível porque todos querem estar no poder e a frustração dos partidos políticos em STP, neste momento é a falta de meio financeiro para financiar as próximas campanhas políticas, uma vez que os nossos vizinhos fecharam as torneiras aos pedintes que recebem somas incalculáveis em nome de compromissos futuros para o povo, comprometendo gerações futuras.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo