Política

MDFM e UDD imploram o Governo “pare de envergonhar o país”

As duas forças políticas que se uniram, estiveram reunidas no dia 1 de Maio, para analisar o caso “ROSEMA”, a reforma da Justiça e as Eleições de 2018.

Segundo a União Partidária, o caso Rosema, «tornou-se uma vergonha nacional devido a intromissão abusiva e descarada do Governo na esfera judicial, produzindo tristes comunicados em substituição dos Tribunais e manifestando-se descaradamente em defesa de uma das partes», lê-se no comunicado distribuído a imprensa.

A vergonha nacional ficou reforçada segundo os dois partidos, com os acontecimentos de 30 de Abril, na TVS. «É incompreensível o tempo de antena preparado em conivência com a TVS, concedido a uma das partes envolvidas no processo da ROSEMA, com direito a suplemento informativo, na noite do dia 30 de Abril, numa tentativa de intoxicar a opinião pública, com acusações grosseiras contra os magistrados do processo, com a finalidade de justificar futuras ações de incumprimento do Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça. Uma tristeza», precisa o comunicado.

Porque São Tomé e Príncipe não merece viver tanta vergonha sobretudo aos olhos de um país irmão e amigo como Angola, a União MDFM-UDD, «implora ao Governo da República Democrática de S. Tomé e Príncipe, não obstante os seus interesses particulares na referida Cervejeira, como fica demonstrado na sua atuação, que pare de envergonhar o País, e que adote uma postura de Estado, de isenção e de respeito pelas regras de convivência próprias de um País civilizado», diz o comunicado.

Os são-tomenses não são parvos, diz a União. «Faz saber ao Governo que não aceita que o mesmo queira tratar todos os santomenses de parvos e estúpidos, quando fica claro aos olhos de todo o povo e da comunidade internacional o alto interesse particular do Governo do ADI na defesa de uma das partes do citado processo. O ADI só esta a conseguir demonstrar aos investidores que S. Tomé e Príncipe é um País aonde não é possível investir por falta de segurança jurídica, em grande parte por ação do próprio Governo», acrescenta o comunicado.

Os dois partidos unidos, sendo a UDD com representação no parlamento, diz que no meio da vergonha nacional, a que o Governo tem submetido o país por causa da fábrica de cervejas Rosema, vêm à tona os verdadeiros propósitos do projecto de reforma da justiça recentemente aprovado no Parlamento. «Fica cada vez mais claro para toda a gente a razão da pressa em realizar a dita “reforma judicial” sem consensos da sociedade civil e das forças políticas existentes, que mais não visa senão dar ao governo do ADI a possibilidade de substituir alguns juízes por outros nomeados por si e da sua inteira confiança, capazes de fazer pender a balança a seu favor. Com este ato bárbaro num Estado de Direito, o ADI põe em causa separação de poderes e a independência dos Tribunais consagrada na Constituição».

O comunicado conclui apontando o outro objectivo do partido no poder, e do seu líder Patrice Trovoada, com a reforma da justiça. «É ter nas Comissões Eleitorais Distritais, aquando do apuramento distrital das votações, juízes que lhes sejam “favoráveis”, em prejuízo dos outros partidos políticos concorrentes. Esta é mais uma das causas da tão apressada reforma judicial que está a ser feita exclusivamente pelo ADI».

Téla Nón

    4 comentários

4 comentários

  1. MATRUSSO

    2 de Maio de 2018 as 8:53

    Quem tem dúvidas nestes actos do governo de adi, só pode ter interrese directo por via de corrupção, violações abusivas as CR, fraudes em mais diversas leis vigentes, ou somentemente parvo.

    Doa a quem doer, mas uma verdade nua, crua e grossa.

  2. Luisa das Neves

    2 de Maio de 2018 as 10:27

    Meus senhores a vergonha é generalizada. Basta só irmos aos serviços públicos para desanimar-mos com a pouca vergonha e a imcopetência que reina ali.
    Mal empregado………..

  3. Carlos Alburquerque

    2 de Maio de 2018 as 11:59

    Interessante é saber que estes dois partidos estão atentos aos fenomenos que se vão observando na desgovernação deste país. Nãoé a primeira vez que MDFM e UDD trazem a publico suas preopcupações, traduzidas em preocupações do povo sobre a desgovernação do ADI.
    Por essas e por outras, sou cada vez mais defensor de que essa união politica poderá vir a ser a grande alternativa para o futuro deste país.
    Todavia, convem ressaltar que qualquer que seja a força poltiica que vier a governar STP, desde que não seja ADI, deverá passar este país a pente fino porque muita sujeira deve estar debaixo do tapete. E o Patrice depois irá embora e por cá ficarão os varelas, os americos ramos, os levys nazarés e uns tantos outros l….que não mais fazem senão serem autenticos b…do PT.

  4. Reflexão

    2 de Maio de 2018 as 17:13

    Embora um conjunto de fraudes estejam preparados para as próximas eleições autárquicas e legislativas o ADI vencer estas eleições, a demonstração do povo de Lembá é mais uma prova de que a Governação do ADI adquiriu medíocre na sua classificação para não citar Mau, não só por reconhecer o direito do Melo Xavier em receber de volta a sua Empresa mas também por descontentamento total, face a vertiginosa pobreza deste povo com este famosa governação deste partido. Viola as leis, viola a constituição da República, Viola as orientações da ONU e agora o 4º órgão da soberania do país. Tudo o que o seu líder pensa põe em vigor. Com ou sem consenso vamos em frente. Assim o ADI está a tropeçar de tal modo que nem um acocado.
    Portanto MDFM-UDD organizem-se bem porque a governação deste país está nas vossas mãos. Vocês foram culpados em mandar os vossos eleitores votarem para o ADI e agora nem vocês e nós que vos seguimos estamos pagando muito caro. Outro receio que tenho é Angola interferir neste processo. Não se esqueçam que o PT não tem cá família. Se as coisas derem mal não é preciso que ele suba o avião. É só pegar na sua embarcação e basar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo