Política

Coligação apostada em derrotar a ADI

A Coligação MDFM-PCD-UDD, definiu a sua estratégia de actuação na campanha eleitoral, tendo como alvo conquistar o maior número do eleitorado, da chamada família da mudança. Os três partidos políticos que  concorrem às eleições legislativas e locais em coligação, pertencem a mesma família política do partido no poder a ADI.

Todos nasceram depois da abertura do regime democrático em 1991, e tradicionalmente disputam o mesmo eleitorado. «A gente põe o MLSTP de lado. Nós a coligação MDFM-PCD-UDD, estamos sim em confronto directo com a ADI», declarou Delfim Neves, vice-Presidente do partido PCD e membro da direcção da coligação partidária.

Na passeata que a coligação realizou por várias localidades dos arredores da cidade de São Tomé, o alvo foi os cidadãos eleitores que pertencem a família da mudança. «Todos os militantes dos partidos da mudança, só têm que fazer umaa escolha ou outra. Aqueles que acham que temos que dar uma volta a actual situação deve votar na coligação que é o quadradinho número 1. Quem está a “comer nele” como se diz na nossa gíria, que vote no outro. Ou somos nós ou são eles», acrescentou Delfim Neves.

A coligação apelou aos eleitores que exercessem o direito de voto nas primeiras horas do dia 7 de Outubro. MDFM-PCD e UDD, dizem que representam alternativa ao fracasso governativo da ADI. « O governo não cumpriu as promessas então o povo tem que fazer a  justiça. E a justiça é feita com os votos nas urnas», pontuou Delfim Neves. .

Adlino Lucas, membro da direcção do partido MDFM, também falou ao público de Bobô Fôrro, uma das localidades da acção de campanha da coligação. «O ADI tem adoptado uma política de exclusão. Se não está com ele, então é do contra. O país está em crise, não há nada, não há medicamentos, não há arroz. Mas chegou um jacto ao país, com apenas 1 cantor que custou aos cofres do Estado 100 mil euros», denunciou.

Por sua vez. Arlindo Carvalho, Presidente do PCD, apresentou ao eleitorado as linhas de força do manifesto eleitoral da coligação. «No nosso manifesto vamos criar um fundo de fomento, para ajudar os criadores, agricultores e pequenos negócios familiares, para que possa reduzir o desemprego e promover rendimento para as famílias. Essa é a promessa que fazemos. Temos que estar juntos e incluir toda gente», concluiu.

A coligação MDFM-PCD-UDD, está a implementar a estratégia de contacto porta a porta com os eleitores.

Os três partidos coligados, já foram governo em São Tomé e Príncipe. Agora em 2018 querem regressar ao poder, derrotando a ADI de Patrice Trovoada.

Abel Veiga

    5 comentários

5 comentários

  1. MANUEL VICENTE

    3 de Outubro de 2018 as 16:27

    Então coligação? O que é que estão a fazer e a dizer sobre a viagem do Patrice?
    Como é que durante a campanha o governe procede à inauguração de coisas que deveria ter feito durante 4 anos? Fazem campanha inaugurando coisas com viaturas, gasolina e todos os recursos do Estado?
    Como é que o PATRICE viaja durante a campanha? Ele e os seus capangas utilizam o dinheiro do povo para ir buscar mais dinheiro e todos os meios que necessitam para distribuir e enganar ainda mais o povo na fase final da campanha. E tudo isso sem controlo das Alfandegas.

    Onde é que está a Presidencia da Republica, a comunidade internacional, os observadores, os ditos tribunais do pais, os jornalistas, os partidos políticos, a sociedade civil, para condenar essa baixeza e injustiça????
    Essas eleições são transparentes? São justas???

    Estas evidencias não são suficientes para uma mobilização geral de toda a população para condenar Patrice Trovoada e todos esses abusos e violação do civismo que deve caracterizar as eleições?????????

  2. Rice Strategy

    3 de Outubro de 2018 as 20:42

    O ADI já tem um plano montado para distribuir arroz e cerveja no dia 6 ate madrugada e assim chegarem mais além..

  3. Seabra

    3 de Outubro de 2018 as 21:23

    Também estámos preparados para enfrentar e desmontar todas as PARTIDAS cambalacheiras destes viciados, perversos e odiosos mafiosos. Nada nos vai escapar…na GUERRA DA GARRAFA PEDRA NÃO ENTRA. Entenda quem entender !

  4. Crisotemos Café

    4 de Outubro de 2018 as 14:14

    A onde foi Patrice? Falar com o seu curandeiro Maliano? Todos os anos é assim?

  5. jójó

    5 de Outubro de 2018 as 8:20

    Conforme reza a história, a Batalha dos 7 como figurado no acto do Florípes (Eleições do dia 7/10/2018), Os Mouros (ADI) serão derrotados pelos Cristãos (Povo Santomense) com a ajuda do nosso senhor Jesus Cristo, através das orações dirigidas à Deus todo poderoso (São Tomé e Santo António). Esta história se repetirá na República Democrática de S. Tomé e Príncipe com o voto contra a Ditadura de Patrice Trovoada-ADI (Almirante Balão), cujo seu Deus é Mafóma Barba, que adora o Diabo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo