Política

CEEAC e o General da FOMAC terminaram missão mal entendida pelos são-tomenses

Na quinta – feira, Ahmad Allam-mi, secretário geral da CEEAC, acompanhado pelo General Daniel Saviemba, que é Chefe de Estado Maior das Forças Multinacionais da África Central, encontraram-se com o Presidente da República Evaristo Carvalho.

O Secretário Geral da CEEAC, anunciou que a sua missão era de boa vontade, e que terminou exactamente na quinta feira, o dia em que apanhou avião de regresso a Libreville , capital do Gabão.

Enviado pelo Presidente do Gabão, Ali Bongo,  para apoiar São Tomé e Príncipe na pacificação política e social, o secretário geral da CEEAC, disse a imprensa que a sua missão de boa vontade foi mal entendida no país. «A nossa presença foi mal entendida no país. Criou uma ideia de que viemos para roubar os votos do povo. Desminto categoricamente esta ideia», afirmou Ahmad Allam-mi.

Jorge Bom Jesus, Presidente do MLSTP que liderou uma delegação da oposição que se reuniu também com o Chefe de Estado Evaristo Carvalho, considerou a missão da CEEAC, como «sendo uma missão precipitada».

Segundo Jorge Bom Jesus, não houve respeito pelas normas protocolares. O Presidente do MLSTP, avisou que São Tomé e Príncipe é um país que tem leis. Explicou que em país nenhum do mundo, a sessão de apuramento geral das eleições no Tribunal Constitucional, pode ser confrontada com a presença de um militar uniformizado. Uma situação que segundo, Jorge Bom Jesus, provocou animosidades a nível social.

Por sua vez, o secretário geral da CEEAC, que já se encontra em Libreville, onde deverá relatar ao Presidente Ali Bongo, o resultado da sua missão de boa vontade a São Tomé, disse aos jornalistas, que tem o sentimento de que em São Tomé e Príncipe, «todos respeitam a ordem constitucional e as leis do paí, e que respeitam os resultados das eleições, isso é o essencial», pontuou.

Na reunião com o Presidente Evaristo Carvalho, a oposição manifestou preocupação em relação aos contornos da missão da CEEAC, assim como a decisão da polícia nacional de suspender o direito a manifestação no país.

Abel Veiga

    4 comentários

4 comentários

  1. Martelo da Justiça

    18 de Outubro de 2018 as 23:12

    Eles conheciam muito mal os São-Tomenses quando estão determinados! Se vieram para intimidar, enganaram-se redondamente.

    • Seabra

      19 de Outubro de 2018 as 11:08

      CONFIRMO. Està tudo dito!!!

  2. original

    19 de Outubro de 2018 as 9:52

    Povo ficou assim porque gato escaldado na água quente tem medo de água fria.

  3. Pompilio Mariano

    22 de Outubro de 2018 as 11:15

    As imagens fotograficas dismentem o que o tal secretário disse. Se fosse official e de boa fé, eles jamais teriam saído pelas traseiras TC. Bandidagem tem hora, e a hora para o bandido ja não ha.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo