Política

STP e Portugal reajustam programa estratégico de cooperação

Tereza Ribeiro, secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Portugal, terminou na quinta – feira dois dias de visita a São Tomé e Príncipe, para avaliar a execução do programa estratégico de cooperação entre os dois países, que envolve mais de 57 milhões de euros, e que foi assinado no ano 2016 para um período de 5 anos.

Após reunião com o Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus na quarta feira, a secretária de Estado de Portugal, anunciou o entendimento entre os dois governos sobre a necessidade de reajustar o programa estratégico para melhor sintonização com o Programa do novo Governo.

Segundo Tereza Ribeiro, 43% do valor do PEC já foi executado. A cooperação estratégia entre STP e Portugal, atravessa os sectores da defesa e segurança, justiça, educação, saúde, segurança social, e deverá ser formalizada, com a visita do Primeiro Ministro de Portugal a São Tomé e Príncipe.

A Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Portugal, garantiu que o Primeiro Ministro António Costa, deverá visitar São Tomé e Príncipe ainda neste ano.

Vários polos da cooperação portuguesa em São Tomé, foram visitados pela secretária de Estado, nomeadamente as valências do Projecto Saúde para Todos no hospital Ayres de Menezes.

A cooperação militar entre os dois países é outra prioridade de Portugal, que tem destacado em São Tomé um navio de patrulha e fiscalização costeira, o Zaire. Tereza Ribeiro, visitou a fragata Álvares Cabral da armada portuguesa, que atracou ao largo de São Tomé no quadro da Iniciativa Mar Aberto. Fez- se acompanhar pelos embaixadores dos países membros da CPLP acreditados em São Tomé, assim como pelo ministro da defesa Óscar Sousa e o Chefe de Estado Maior das Forças Armadas o Brigadeiro Horácio Sousa

«A Cooperação entre São Tomé e Príncipe no domínio da segurança marítima é forte e assim vai continuar a ser», garantiu a secretária de Estado de Portugal, ao bordo da fragata Álvares Cabral.

O Navio de guerra, envolveu-se em exercícios de combate com a guarda costeira de São Tomé e Príncipe, e o mesmo vai acontecer nos próximos dias em Angola, a sua próxima escala.

A par do treino e formação da guarda costeira são-tomense, a tripulação da fragata da marinha portuguesa, realiza operações de apoio social no arquipélago são-tomense, nomeadamente no domínio da assistência médica as populações.

O navio transportou também algumas toneladas de carga diversa com destaque para materiais escolares e roupas. Carga que foi enviada de Portugal por organizações não governamentais e não só, para suas congéneres são-tomenses. A Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe, foi uma das instituições beneficiárias.

150 militares da marinha portuguesa, homens e mulheres, estão envolvidos na missão da fragata Álvares Cabral no Golfo da Guiné.

Abel Veiga

    12 comentários

12 comentários

  1. Renato Cardodo

    22 de Fevereiro de 2019 as 7:51

    Ambos os poderes públicos preferem cultivar este fingir que existe cooperação de excelência quando na realidade os resultados após quase 44 anos os ganhos pesam quase um amendoim.
    De quem é a culpa.De RDSTP o maior culpado porque nunca desenhou a estratégia de cooperação e por isso contenta com trocados e bate palmas ao parceiro cuja responsabilidade histórica deveria fazer melhor e nunca fez.
    Se falam em relações de cooperação livres e saudável porque não ousar e reparar os danos dos contratados e das vítimas de 3 de fevereiro de 1953;ou ao menos ou desculpa pública..

  2. Manuel Queirós dos Anjos

    22 de Fevereiro de 2019 as 7:53

    Cooperação é só isto? Deviam ser mais concretos. Como ficou então a questão dos vistos para centenas de estudantes já com matriculas feitas, e cujas as aulas já se iniciaram a meses? Se a CPLP é isto, melhor abandonar-mos esta porcaria e irmos para um outro bloco, mesmo que seja a Commonwealth . Porque o que se constata hoje é um desrespeito total por parte das autoridades portuguesas.

    • MIGBAI

      22 de Fevereiro de 2019 as 12:37

      Meus caros.
      Eu acho bem abandonar-mos esta porcaria de cooperação e começar seriamente a pensar em comermos uns aos outros como primatas!
      Sabe onde os portugueses falharam, foi com o 25 de Abril de 1974, não terem agarrado na gente e devolver-nos aos países de onde vieram os nossos bisavós.
      Isso sim, era o que deveriam ter feito, para se livrarem desta escumalha que por aqui ficou a destruir as ilhas.
      Devíamos ser todos recambiados/deportados para os países de origem dos nossos antepassados, e depois íamos ver o que era bom mesmo para a tosse.
      PALERMAS, pobres e mal agradecidos, vão ver que queriam dinheiro!!
      Vão trabalhar que é coisa que se deixou de fazer nestas ilhas há muito tempo.
      PARASITAS.

      • MIGBAI

        22 de Fevereiro de 2019 as 13:47

        Já agora podem aplaudir a cooperação com a Coreia do Norte que acabou de pedir ajuda humanitária para o seu povo que está a morrer á fome.
        PALHAÇOS

    • Amar o o que é nosso

      22 de Fevereiro de 2019 as 15:55

      Hummm acha mesmo? Pobre é mesmo mal agradecido. Trabalha e luta para se auto sustentar. Arrogância

  3. Temos de ser mais exigentes com os pulas

    22 de Fevereiro de 2019 as 13:39

    Meus senhores, autoridades deste país dêem um murro na mesa e exijam mais respeito de Portugal. Copiem Angola e Guiné Bissau… Não é toleravél que a embaixada de Portugal continue a tratar os santomenses como desgraçados e pedintes de vistos quando ao mesmo tempo tempo eles entram no país como se estivessem a entrar na tia Joana…

    • Fernando

      25 de Fevereiro de 2019 as 18:32

      Temos de ser mais exigentes com os pulas, para começar o seu nome já é todo um programa de ofensa barata.
      Para além disso, gostaria de lhe dizer que são pedintes de visto sim senhor. Duvida de que se abrisse uma ponte aérea ou marítima, STP ficava sem habitantes? STP não pode fazer o mesmo porque precisa dos turistas, caso contrário faria igual ou pior. Ingrato

  4. TonyexMk

    23 de Fevereiro de 2019 as 19:46

    Incrível os comentários aqui expostos.

    Sim miseráveis e mal agradecidos….. por isso é que jamais irão a qualquer lado… em Portugal ficam pela Jamaica….

    Portugal, mal ou bem, deu Independência a um território minúsculo e com pouca população, deixou infraestruras com hospitais, saneamento na capital, escolas, caminho de ferro, enfim com tudo para se poder trabalhar e fazer evoluir. AGORA o que fizeram em 43 anos????

    A cooperação de Portugal, tal como dos outros para Stp tem a ver com valores per capita e Stp não tem condições de população para ter mais.

    Nunca Stp fez qualquer patrulha marítima por meios próprios.

  5. António

    23 de Fevereiro de 2019 as 21:27

    Mesmo, mesmo bom era Portugal e os Portugueses saírem, de vez. Sem olhar para trás. Há demasiado trabalho para fazer, em Portugal, em vez de estarmos a desperdiçar recursos. Eu próprio vou rever a minha posição de cooperação e ajuda, pois tiro e envio da minha reforma milhares de euros. Pelo que está escrito, temos Santomenses capazes de resolverem a situação. Em 44 anos… vê-se bem!

  6. Alberto de morais

    24 de Fevereiro de 2019 as 16:54

    Em vez do *cais de aguas profundas* porque não uma estrada até portugal? Até os coxos iam a pé.

  7. cunhado meu

    25 de Fevereiro de 2019 as 8:32

    SENHOR MIGBAI. Tu mesmo, sabes de onde vens? Quem foi que te disse que eles e/ou nós teríamos vindo de aqui ou acolá? Tens provas que todos vieram? Só sabes aquilo que os colonos te disseram. Seu Caga na Saquinha e aculturado de uma figa.

    Vai de onde viestes

    • MIGBAI

      25 de Fevereiro de 2019 as 17:09

      Seu “CUNHADO MEU”
      Para já o seu nickname sugere que esteja casado com uma irmã sua, o que duvido pois os meus cunhados estão bem identificados e realizados como homens de respeito, e acima de tudo agradecidos pelos apoios financeiros que recebemos e acabam muitos deles por irem parar nas suas próprias algibeiras. Infelizmente é assim, mas eu não consigo travar tal.
      Depois, seu palhaço, sei muito bem as minhas origens e mais te digo negrume, que não cuspo na sopa e tenho o coração em Portugal, um pais de grandes homens e mulheres.
      Homens e mulheres que conseguem estar nas mais altas instâncias internacionais com o seu valor e inteligência. Homens e Mulheres que estupidamente andam a repartir o que possuem com estes palermas de STP, a troco de nada.
      Vai te catar, negrume acéfalo!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo