Política

Indignação e repúdio dos Magistrados do MP contra Jorge Bom Jesus

Num comunicado com a insígnia da Procuradoria Geral a República, deu entrada na redacção do Téla Nón, e dá conta que os membros do sindicato dos Magistrados do Ministério Público, estão indignados e repudiam as declarações do Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus.

«Afirmando textualmente ter pressionado o Procurador Geral da República, para acelerar e concluir, determinados processos em curso, tendo inclusive solicitado à magistratura de influência do Presidente da República, para o mesmo fim, vimos por este meio, manifestar a nossa indignação e repúdio a tais afirmações, por atentarem contra princípios e valores de actuação do Ministério Público, constitucionalmente consagrados, pondo em causa a autonomia dos magistrados, a separação dos poderes e o próprio Estado de Direito Democrático», lê-se no comunicado.

Segundo o comunicado dos membros do sindicato dos magistrados do Ministério Público, a lei impõe, que  o exercício da acção penal , deve ser orientado « sem pressão de qualquer natureza apenas obedecendo as regras consagradas no Código de Processo Penal».

Os 10 membros do sindicato dos magistrados do ministério público, que assinaram o comunicado, manifestam « total apoio ao digno Procurador Geral da República, no reforço da autonomia do Ministério Público, na salvaguarda do Estado de Direito Democrático, alertando que o Governo poderá apenas, no âmbito da jurisdição criminal transmitir por intermédio do Procurador Geral da República, instruções genéricas no âmbito das competências de definição da política criminal da competência do Governo». 

O comunicado dos 10 membros do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público tem data de 18 de Março.

Abel Veiga

    24 comentários

24 comentários

  1. Revoltado

    20 de Março de 2019 as 21:42

    Pena que não se indignaram por terem tantos processos na gaveta e a ganhar salários chorudos! Ele deve afastar_ se dos rabos se saia, arregaçar as mangas e trabalhar!

    • X

      21 de Março de 2019 as 16:34

      Quanto ao salário o pessoal estudou por anos e passou nos concursos, falar de salário soa me a inveja da sua parte, eles têm que trabalhar sim com certeza mas com dignidade e deve se respeitar sempre o princípio da separação dos poderes! Trabalhem meu caros isso todos queremos mas pautando sempre pelo equilíbrio. Quanto ao estado tem mais é que apoiar e dar meios e condições para que as investigações tenham resultados.

      • Pumbú

        22 de Março de 2019 as 10:56

        …deixa de barrar mais me*da aqui neste espaço, seu oportunista. Estudou a ser sanguessuga ao invés de aprender a trabalhar com dinamismo e eficiência e imparcialidade??? Equilíbrio em quê????

  2. Vanplega

    21 de Março de 2019 as 5:39

    Só o Pinta Cabra, pode dar conta de vocês.

    Com tantos casos para selecionar e nada fazem.

    O síndicato, devia estar contra esse procurador. Por não mostrar trabalho e, manchar a reputação da própria justiça.

    Senhores Sindicalistas, é a justiça que está em causa.

    • X

      21 de Março de 2019 as 16:41

      A separação dos poderes é fundamental, só quem quer saber de si e de politica é que não vê a injustiça. Esse clima de ódio o país é que sofre!!! O estado tem dever de apoiar as suas instituições, a parceria é fundamental, e o sindicato tem sim o direito de estar indignado.

      • Ralph

        22 de Março de 2019 as 5:22

        De forma geral, concordo com esta afirmação. Porém, quando existe um problema grande de corrupção que se tem mostrado muito persistente há muitos anos, e um governo quer mudar aquela situação, às vezes tem-se de tomar medidas extraordinárias para dar um sinal que as coisas precisam de mudar. Desde que o primeiro ministro não interfira nas próprias decisões dos juizes, ele deveria ser capaz de aplicar pressão para que a justiça seja vista a ser feita a uma velocidade razoável, dando mais um sinal a todos que ele leva a sério o seu comprimisso de eliminar a corrupção e criminalidade.

  3. mezedo

    21 de Março de 2019 as 8:18

    então o que fazem esse magistrados que não resolvem tantos casos que estão neste ministério público.

    Se fosse um cidadão que tirou uma pinha de banana de mato de um deles já estaria na cadeia.

    Se homem não quer agir primeiro Ministro manda pra casa e coloca outro para resolver problema.

    • Cada coisa que desce

      21 de Março de 2019 as 17:05

      Só gostaria de saber como é que se trabalha sem meios de investigações para aqueles crimes cabeludos… porque apanhar ladrão de galinha isso é facil sim lool
      Povo está a padecer só, não há união credo terra, grande instabilidade política, dificilmente conseguem investidores porque não há separação de poderes, tudo fuba cpm bicho

  4. franciscoassis

    21 de Março de 2019 as 8:24

    Esse primeiro ministro JBJ foi longe de mais…é só trapalhada…agora aguenta “bana mom”…fui

    • Vanplega

      21 de Março de 2019 as 11:33

      Devias ter vergonha.

      Estamos num estado de direito. A época de falar não pode, já acabou.

      Com tantos casos em da mesa ou na gaveta do Procurador e, ele não faz nada, mais um vencimento a cima da média. Deve ser criticado sim.

      Senhor 1 Ministro, procure a melhor forma de manda-lo para casa. Já que não quer trabalhar

      Os sindicalista, deviam tomar a consciência, que é a justiça que está na lama

      Procurador, dorme

    • X

      21 de Março de 2019 as 16:51

      Bana māo esta com medo, assim não fazia esse bobo todo, désde quando primeiro ministro interfere assim na justiça, só mesmo em São Tomé, ele tem é mais que colaborar, estar a par e dar força e condições, isso não passa de um jogo BANA MÃO já prometeu a cadeira o PGR só que ele é tão palerma que se esqueceu que não tem pider para tal, estão a pressiona lo daquele lado também, só homem já não sabe p que fazer kkkkkkkk
      Dou amanhã para ele mandar publicar mas algo sobre esse assunto, eu se fosse o Procurador Geral nem ligava ele mais hehehehhe. Qual é o próximo capítulo???

      • Pumbú

        22 de Março de 2019 as 11:40

        És grosseiro e muito arcaico na tua forma de pensar e miserável de espírito.

  5. Original

    21 de Março de 2019 as 9:48

    Esse Sindicato está em coloio com Procurador? não têm vergonha na cara em relação a tantos actos de corrupção que está pendente sem resposta e povo está a espera?Vocês são uma vergonha para o País.

  6. Windows 11

    21 de Março de 2019 as 10:47

    Como santomense é vergonhoso assistir isto esta coligação no governo fizeram confissão distúrbios sobre pretesto que não havia democracia e que estávamos na ditadura e agora com três meses de governação estamos a assistir isto um Primeiro Ministro que assume pressão sobre o procurador uma Ministra que exerce pressão sobre a justiça para resolver o processo que ela quer ou seja do ADI como lema prende os bandidos do ADI e não prenda os meus bandidos da coligação que esta ágora no governo.
    Ora bem onde esta a separação de poderes estamos a assistir uma clara interferência dos política na justiça e também tudo que sacrificaram quando estavam na oposição estão agora a fazer o mesmo ou pior como Ruanda,distribuição de tachos descaradamente a comunidade internacional esta a ver isto isso vergonha.

  7. António

    21 de Março de 2019 as 11:27

    Isso não seria novidades! Tentemos individuar que são tais magistrados! … Um bando de oportunistas!

  8. jordão fernandes

    21 de Março de 2019 as 15:03

    Senhor Procurador
    Para limpar as suas mãos e tentar ver se o senhor Bom Jesus está a tratar os assuntos a sério, então comece a tratar os casos que já têm cabelo branco como disse o Jorge Bom jesus, dos seus companheiros de Governação. Vamos dizer que para darmos exemplo, vamos primeiro limpar a casa depois limpar o quintal.
    Neste caso dentro da casa temos os seguintes casos que devem ser resolvidos e já:
    1º Caso STP Traiding do senhor Delfim Neves
    2º Caso dos envelopes dos 50000 euros do caso Rosema
    3º Caso dos envelopes que circularam pelo tribunal
    4º Caso de importação do arroz podre para a população e com uma carta feita na altura por senhor Delfim Neves ao Governo Camaronês pedindo arroz com argumento de que o povo santomense estava faminto e carregou o valor do referido arroz podre para a verba do Estado que tinha sido posto a disposição do mesmo
    5º Casos de lavagem de dinheiro em que o senhor Delfim estava metido e a Procuradoria estava a investigar
    Senhor Procurador, comece com estes casos para vermos a reação do Governo e da Assembleia.
    Vamos ver se a Assembleia cria comissões para ajudar a averiguar estas situações ou se retira a imunidade ao Presidente da Assembleia para se depor ou se o senhor Jorge Bom Jesus não corra em segredo para dizer ao Procurador ” por favor para isto”.
    Senhor Procurador. Se tiver coragem faça isso.
    Deus lhe proteja
    JF

    • Cada coisa que desce

      21 de Março de 2019 as 23:40

      Precisamente isto tem tudo haver, e acredito que com essa pressão toda o senhor Procurador já deve estar com mãos em obra, a questão aqui é deixa lo trabalhar e não fazer este clima de tensão e ódio, pois deve se pautar sempre pelo equilíbrio e a separação de poderes, não há necessidade para todo esse aparato, há processos ainda mais terríveis, os do actual governante (que fracamente esta revestidos de corruptos)e do antigo governo. E acredito que no caso de São Tomé que não detém muitos meios de investigação, pode se abrir um processo mas a questão é finalizado, que por isso que do meu ponto de vista são muitas vezes arquivados/se não estoi no erro… Essa pressão por parte do governo não é somente para que se acelere os processos, mas tbm é para fazerem desacreditar a pessoa do procurador, poís há outras maneiras de pressionar… Para um bom entendedor pouca palavra basta.

      • Amar o o que é nosso

        22 de Março de 2019 as 13:12

        Governo mais do que nós deviam perceber isto. Em vez de criticar primeiro se inteirar daa dificuldades e ajudar pondo todos meios disponíveis.. Incentivar e apoiar um jovem da idade dos vossos filhos e não desmoraliza lo dessa forma!!! Depois de uma avaliação profunda aí sim pose Cobrar e criticar

  9. Admirads

    21 de Março de 2019 as 15:07

    Senhores magistrados, “vão maze dar banho ao cão”. E bom que o PM continue em cima do procurador. Fui

  10. Rapaz de reboque

    21 de Março de 2019 as 16:02

    Poça nesta terra ninguém se entende é preso por ter cão é preso por não ter,

  11. T

    21 de Março de 2019 as 16:59

    Os magistrados e os funcionarios, têm é mais que lutar sim contra essa pressão toda, deixem os trabalhar de forma digna, não é estar a manchar a imagem do outro, para ele ver se obrigado a sair, isso sim é que é injusto. Dá condições e meios de trabalho JBJ, ministra de justiça, não entendi esse aparato todo, processos que estão ali a séculos têm sim que dar resultados não estou contra, mas ha que haver bom senso não é desta forma.
    Só São Tomé não muda, entra um governo põe ou tira só com cristo. O que esta a dar cabo da nossa terra é a falta de união.

  12. Ralph

    22 de Março de 2019 as 4:17

    Embora, sem dúvida, deva haver uma clara separação entre políticos e a judiciária numa democracia que valha o nome, parece-me que o primeiro-ministro foi eleito por ter prometido arrumar a casa. Ou seja, melhorar a transparência e reduzir a corrupção. Quando se quer fazer tal transformação, é importante remover tantos obstâculos quanto possível para que as mudanças desejadas possam ser realizadas. Neste caso, significa encorajar a judiciária a recorrer a toda a força disponível contra quem que estejam a infringir a lei. Ainda mais, o primeiro-ministro precisa de juizes que tenham o mesmo comprometimento quanto ele próprio de fazer cumprir as leis, punir os criminosos e dar um sinal que a corrupção nada mais não será aceite. Pressionar a judiciária a fazer o seu trabalho mais rapidamente é uma maneira para alcançar isso porque o público tem uma expetavita de que o sistema judicial funcione a uma velocidade razoável.

    Tenho notado que o primeiro-ministro está a esforçar-se muito para dar um sinal, pelas suas próprias ações, que não vai aceitar abusos de recursos públicos. Isso é comendável mas não suficiente sem introdizir medidas para fiscalizar as atividades da classe política (e o público em geral) e fazer uma declaração que tais abusos nada mais são aceites. Vejo as tentativas do primeiro-ministro de pressionar a judiciária como sendo completamente consistentes com o objetivo de mudar comportamento para melhorar a transparência e reduzir a corrupção.

  13. Bobo muito!

    22 de Março de 2019 as 11:27

    Notícia de ultima hora para saber que JBJ não é o santo q julga ser, colocou a esposa sem escolaridade no quadro de conselho da ENASA, a ganhar milhões kkkkkkk
    Mau dele kkkk e nós comentadores kkkkkk
    Quem quer a prova que vá para ENASA

  14. Homem Aranha

    25 de Março de 2019 as 8:50

    Esse sindicato ficou muito mal na fita. Antes ficassem calados.
    Durante os ultimos quatro anos estiveram calados e assim deveriam continuar. Confesso que esses magistrados ou sindicato sei la o quê, prestaram um mau serviço ao naçao porque nem sequer tiveram a capacidade de compreender o grau da intervenção do primeiro ministro.
    Uma coisa é ensinar a criança dizer banana, e outra e parafrasear a criasnça a dizer nanana….
    Tenho dito…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo