Política

2020 provoca o renascimento do optimismo de STP em torno da exploração de petróleo

O Ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas, Recursos Naturais e Meio Ambiente, Osvaldo Abreu(na foto à esquerda ao lado do PM-JBJ), declarou na sexta feira 28 de Dezembro, que os blocos de petróleo números 5 e 6 da zona económica exclusiva de São Tomé e Príncipe, vão ser perfurados no ano 2020.

Kosmos Energy companhia petrolífera norte americana, e a Galp petrolífera portuguesa, partilham com o Estado são-tomense, os direitos de participação nos dois blocos.

«Nós teremos operação de perfuração em dois blocos, a partir do próximo ano. São os blocos 5 e 6 e que irá mudar de certa forma o paradigma de prospecção e pesquisa que temos vindo a desenvolver durante algum tempo», declarou o O Ministro Osvaldo Abreu.

O Ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas, Recursos Naturais e Ambiente, fala de mudança de paradigma, para manifestar optimismo em torno de uma possível descoberta de petróleo e em quantidade comercial nos dois blocos que serão perfurados.

«Os estudos estão bem desenvolvidos, as esperanças em termos de concretização de uma descoberta são bastante grandes e para isso temos que nos preparar», frisou Osvaldo Abreu.

O ministro desafiou o país para o momento decisivo que se abrirá em 2020, em relação a uma possível inauguração da exploração de petróleo nas águas territoriais são-tomenses.  Osvaldo Abreu fez o anúncio da perfuração dos blocos 5 e 6 da Zona Económica Exclusiva, durante visita às instalações da Agência Nacional de Petróleo.  Numa altura em que a prospecção de petróleo no país se aproxima da fase decisiva, o ministro constata com preocupação, que a Agência Nacional de Petróleo carece de competência técnica e profissional no domínio do petróleo.

«É uma situação muito preocupante porque nós estamos a lidar com empresas petrolíferas extremamente potentes, competentes e que requer da parte do Estado pessoas formadas a altura dos nossos parceiros», pontuou.

Fuga de quadros, está a empobrecer a Agência Nacional de Petróleo e o próprio país, em matéria de competência técnica para lidar com o negócio de petróleo.
«Estamos a falar de quadros formados em sectores e especialidades caras, o país não consegue retê-los por falta de condições de trabalho e de salários minimamente compatível com o potencial que eles representam», acrescentou Osvaldo Abreu.

O ministro que foi quadro técnico da Agência Nacional de Petróleo, tendo sido mais tarde contratado por uma companhia petrolífera internacional, onde trabalhou durante vários anos, sabe bem o que diz.

Por outro lado, Osvaldo Abreu, exigiu a actualização da legislação petrolífera do país que já tem mais de 10 anos. O Ministro considerou que tais diplomas legais, nomeadamente a lei sobre as operações petrolíferas e a lei quadro das receitas petrolíferas, já estão ultrapassados.

O optimismo nacional em torno do petróleo, renasce nos finais de 2019, e será mais forte em 2020, por causa do cheiro do ouro negro que tende a ser cada vez mais intenso.  As autoridades são-tomenses e da Guiné Equatorial confirmaram em 2019, a intensidade maior do cheiro a petróleo na fronteira marítima entre os dois países. Dois blocos de petróleo(2 e 22), foram identificados e pesquisados. Os dois países vão definir em 2020, a modalidade de gestão e partilha dos recursos possivelmente existentes nos dois blocos na fronteira marítima comum.

Já na zona económica exclusiva de São Tomé e Príncipe, para além da perfuração dos blocos 5 e 6 adjudicados às companhias Kosmos Energy e a Galp, o arquipélago vai registar trabalhos de pesquisa nos blocos 10 e 13.

A BP-Britshi Petroleum, companhia inglesa, operadora nos blocos 10 e 13, junto com a Kosmos Energy e a Agência Nacional de Petróleo, prometeu concluir os testes sísmicos sobre os blocos 10 e 13, o mais tardar no segundo semestre do ano 2020.

Razões para o optimismo nacional renascer em torno da exploração do petróleo. Ainda mais segundo o Ministro, quando grandes empresas internacionais no ramo petrolífero, manifestam interesse e investem na zona económica exclusiva são-tomensse.

«O interesse existe e não é pouco. Nós temos neste momento as maiores empresas internacionais de petróleo, algumas estão cá, estão engajadas, estão empenhadas no processo de pesquisa de três dimensões e estão a fazer investimentos em projectos sociais»,, concluiu o Ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas, Recursos Naturais e Ambiente.

Abel Veiga

    4 comentários

4 comentários

  1. Luiz

    28 de Dezembro de 2019 as 12:26

    Faco votos que de certo. Estou isso ha 12 anos. Hidraulic Engineer. Oil & Gas Senior Consultant

  2. Ernest Cravid

    29 de Dezembro de 2019 as 1:36

    O sonho perdurara brevemente teremos petroleo em STP
    Deixem o Governo trabalhar por favor
    Viva STP

  3. Carlinhos Hermen

    29 de Dezembro de 2019 as 11:49

    STP pode ter a maior reserva de petróleo do mundo e extrai-lo em quantidades colossais. Pode o barril ser vendido a centenas de dólares. De nada valera ao povo pequeno se os BOLCHEVIQUES continuarem com o comportamento predador de sempre. Meia dúzia e suas famílias transfirmar-se-ao em XEIQUES africanos, com fortunas no Ocidente, Ásia, nos Paraísos Fiscais e noutras paragens enquando o povo pequeno será obrigado a suportar os IVAs ocidentais, os impostos de toda ordem. Os hospitais continuarão a ser os mesmos, a educação uma tristeza, a vida social do povo pequeno uma lástima. Mesmo sem petróleo STP bem gerido seria um paraíso. Há exemplos a nossa volta de países produtores de petróleo que estão estagnados devido a pilhagem dos ocidentais e sobretudo de uma meia dúzia de larápios: Angola (mais de seiscentos Bilhões sumidos, Guiné Equatorial, Gabão, Congo Braza, Nigéria. Os seus povos vivem na miséria extrema, na indecência. Nos países detentores dos petrodolares a aparência de contratar Consultores e especialistas, muitos deles de meia tigela, torna-se muito grande e por haver muitos petrodolares disponíveis os salários destes consultores serão do olho da cara: 10, 15 20 vezes mais do que o do especialista nacional. Aumentará o campo fértil para a corrupção por a disponibilidade do petrodolar será maior. Aumentará o campo para importação de tudo (sobretudo bugigangas) porque haverá disponibilidade de petrodolares. Haverá mais preguiça para se trabalhar o campo e o ovo invadirá as “cidades”. Por tudo isto, e porque não acredito que os BOLCHEVIQUES mudarão de comportamento perante tantos petrodolares (provavelmente ficarão malucos diante de tantos petrodolares), acredito piamente que 2020 sera o início da aprofundamento maldicapo para STP. Petróleo sempre foi uma maldição para os países produtores.

  4. Pedro Costa

    30 de Dezembro de 2019 as 16:01

    Espero que as coisas possam fluir normalmente. Só não percebo o tempo despendido neste processo todo! Será que os nossos continuam no leve-leve e têm estado a bloquear tudo? Não seria de estranhar.
    Cada governo que aparece reacende a chama e continuamos nisto! Espero sinceramente que seja desta para o bem do país e do povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo