Política

Em 2 meses governo criou e matou o primeiro banco russo para STP

No dia 29 de Outubro do ano 2019, o Governo do Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, emiti o decreto número 31/2019. O decreto em causa foi promulgado pelo Presidente da República Evaristo Carvalho e publicado no Diário da República.

Estavam assim abertas as portas do mercado financeiro são-tomense, para a entrada do primeiro banco da Rússia em São Tomé e Príncipe.

Designado “Reserve Interestat Bank “, RIB, tinha segundo o decreto do Governo, «o objectivo de captar recursos financeiros e conceder créditos técnicos direccionados aos projectos de desenvolvimento do país».

De repente no dia 27 de Dezembro do ano 2019, o Governo do Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, mudou de ideia. Pois, o executivo decidiu publicar o decreto número 35/2019, que revoga o decreto 31/2019 emitido em Outubro de 2019.

O decreto que anula a possibilidade do banco russo abrir as portas na praça financeira são-tomense, também foi promulgado pelo Presidente da República Evaristo Carvalho.

Os bancos da Rússia, parecem ter azar com o mercado financeiro de São Tomé e Príncipe. Não é a primeira vez que as autoridades governamentais de São Tomé e Príncipe, tentam instalar ou atrair investimentos directos de unidades bancárias russas. No ano 2012, o banco russo VTB estava na linha da frente para investir e instalar-se em São Tomé e Príncipe.

O Téla Nón mostra alguns artigos publicados no ano 2012 que evidenciam as acções do governo da altura liderado pelo ex-primeiro ministro Patrice Trovoada no sentido de trazer banco e capital russo, para construir portos de petróleo e comerciais em águas profundas em São Tomé e Príncipe.

Banco russo prepara montagem financeira para construção de Porto em águas profundas em Fernão Dias

Gunvor chumbou primeiro projecto para construção do Porto Petrolífero em Espraínha

Até agora todas as tentativas de operações com bancos russos na praça financeira são-tomense, acabaram frustradas.

O leitor tem acesso aos decretos do Governo de “JBJ”, que concede direito, e que revoga direito, ao Reserve Interestat Bank, da Rússia.
Abel Veiga

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    7 comentários

7 comentários

  1. Ralph

    24 de Janeiro de 2020 as 1:04

    Tem-se de ter cuidado em lidar com a Rússia. Embora um banco russo possa trazer oportunidades para melhor financiamento de projetos, é um país corrupto. É melhor prosseguir com cautela. Estou certo que o Banco Central não tomaria uma decisão como esta se não tivesse obtido informação confiável sobre os riscos de prosseguir. O que interessa é não serem dadas razões pela mudança de decisão. Por isso, sugere-me que havia problemas com a proposta que sejam sensíveis.

  2. Aleluia

    24 de Janeiro de 2020 as 4:46

    Ká Pó Tó

  3. Adeliana Nascimento

    24 de Janeiro de 2020 as 8:40

    Ralph, melhor é estares calado. Rússia é um país corrupto? E os outros? Os ocidentais? Não? Olha só para a teia de corupção montada e conduzida pelos nossos irmãos angolanos, isto para não citar a mana Bela.
    Não são os americanos, ingleses,Malteses, portugueses e outros que os ajudaram?

    Melhor mesmo é enfiar esta tua lingua sabe-se lá onde.

  4. Baba

    24 de Janeiro de 2020 as 13:02

    Para bandidagem têm geito.

  5. Smash

    24 de Janeiro de 2020 as 13:31

    Incompetência Total… Nós estamos a ser governados por gente muito básica de espírito patriótico/nacionalistas. No entanto mais vale tarde que nunca! Mas está tomada de decisão/revogação, vem realçar que temos bonecos de dirigentes com graves problemas de interpretação. Assina Só.
    Vão dar banho ao cão!!!

  6. Antonio Bondoso

    24 de Janeiro de 2020 as 13:47

    Face a isto permita.me emitir a minha modesta opiniao. Um ano se passou e o primeiro ministro deveria proceder a alguns acertos para redimencionar o governo e rentabilizar suas ações. Por isso sugiro afastamento da ministra da cultura que nao deu provas e nem sabe se expressar publicamente. Sugiro tambem uma divisao a dois do monisterio de Osvaldo Abreu. O ministro das finanças esta a se revekar ao nivel das finanças mas ficou esquecida a sua responsabilidade com as camaras enquanto tutelar tambem da administração territorial. Assim ou se cria uma secretaria de estado da administração territorial ou se entrega esta função ao secretário de estado da comunicacao social. Este sim limpa vergonha ao executivo. De resto dou nota positiva a este governo. Ainda nao é desta vez que a este peru se deve dar de beber.

  7. Marito Trovoada

    27 de Janeiro de 2020 as 8:19

    Muito bem senhor Antonio Bondoso. Falou e disse.
    Assino em baixo a sua preocupação e as sugestões emitidas.
    Pena é que gentes responsáveis dos partidos da Nova Maioria não se apercebem da necessidades desses acertos. Creio que a julgar pela opinião do Senhor Antonio Bondoso nem mesmo o ADI que é o único partido da oposição parlamentar se iria opor a essa reestruturação. E confesso que seu Adeista Agostinhista.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo