Política

Covid-19 desafia São Tomé para ordem e para a salubridade pública

Manso e brando, o Governo de Jorge Bom Jesus, está a ser desafiado pelo vírus , a impor ordem nas ruas do país, ou então a deixar que seja o próprio vírus a resolver o problema de ausência de autoridade do Estado que ganhou raízes profundas em São Tomé e Príncipe.
As medidas restritivas e de confinamento para evitar a proliferação do virus “SARS-CoV-2” no país estão a ser ignoradas por parte importante da população, sobretudo na capital São Tomé e arredores.

A insalubridade que depois do advento da democracia pluralista em 1991, passou a dominar as ruas da cidade, transformadas em prolongamentos de mercados, ameaça agora a sobrevivência da nação, porque pode ser aproveitada pelo “SARS-CoV-2”, mais conhecido por Covid-19.

Desafiado pelo virus na última semana o Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus, acompanhado pelo ministro das Obras Públicas e Ambiente Osvaldo Abreu, visitou as instalações do novo mercado em Bobô Fôrro.

O Mercado construído pelo anterior governo, foi alvo de uma intervenção relâmpago da empresa de Água e Electricidade -EMAE, que concluiu em tempo record a instalação de energia eléctrica e água potável em toda a extensão do mercado.

O Governo prometeu para breve transferir todas as vendedores de peixe(conhecidas no país por palaiês), e também os vendedores de carne, do centro da cidade de São Tomé, para a região de Bobô – Fôrro, localizada há cerca de 3 quilómetros da capital São Tomé.

A transferência de centenas de vendedoras de peixe, que comercializam o pescado nas ruas da cidade de São Tomé, é uma das principais medidas que visam por um lado tratar da insalubridade na capital, e por outro travar a transmissão do vírus “SARS-CoV-2” em São Tomé e Príncipe.

O novo mercado construído há 3 quilómetros da capital, na localidade de Bobô Forro oferece melhores condições higiénicas e de salubridade para venda de peixe e da carne.

«Toda venda de peixe vai passar para este mercado num curto espaço de tempo», assegurou o Ministro Osvaldo Abreu.

As autoridades consideram que as vendedoras não podem oferecer resistência às medidas em curso, porque o país vive um momento muito particular de luta pela sobrevivência de todos.

«Estamos num período praticamente de guerra. As medidas que o Governo tem tomado visam salvar vidas, e não está contra o ganha pão de ninguém», defendeu José …Presidente da Autarquia do distrito de Água Grande.

Por outro lado, a crise económica e social imposta pelo vírus Covid-19, já está a incentivar algumas acções de açambarcamento de produtos, sobretudo de combustíveis.

O Governo através do secretário de Estado do Comércio, tranquilizou o mercado de combustíveis, tendo garantido também que o reservatório da empresa ENCO, na cidade de Neves, já está a ser reabastecido por um navio oriundo de Angola.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. Vanplega

    14 de Abril de 2020 as 8:31

    Ja nao tenho fe neste governo.

    A cada dia creche desconfianca nessa gente, que so olha para suas barriga e nao para uma NACAO.

    Nao duvido nada, que este burraco que esta sendo aberto na capital de Sso Tome, fiquem aberto por muito tempo. Vai desaparecer o dinheiro.

    Eles vao roubar todo dinheiro e vai ficar so o PROJECTO.
    O covid-19, devia resolver problema desses politicos ladrao.

  2. Mepoçon

    14 de Abril de 2020 as 10:37

    Perante esta guerra sem arma, é momento de união e não de política. Todavia, há um mal que vem por bem. O governo, politicamente, desvalorizou a gigantesca obra, alegando que o governo anterior queria os vendedores pra mato. E agora? Se autoridade de estado funcionar vamos lá ver quem sairá vitorioso!! Até porque o espaço disponível para além de peixaria é carne, poderia concentrar todos produtos, de forma a descongestionar o mercado da cidade, fazendo do local um centro comercial mais atraente.Em democracia o povo manda, mas o governo governa. Autoridade de estado educa cidadãos. Não se esqueça de demolir o mercado cocô cocô e construir no local outro empreendimento com melhor estilo arquitectónico. Viva inicuatuva de Parrice Trovoada.

  3. J. Fernandes

    14 de Abril de 2020 as 18:21

    sem comentarios …

    O peixe morre pela boca

    Quem viver vera !
    BoBO FOLO bila cha cota febleeeee …..

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo