Política

“Bamu Ximiá” é uma das armas de luta contra os efeitos da Covid-19

O combate contra os efeitos da Covid-.19, implica o aumento da produção alimentar. É a ideia que o Primeiro ministro Jorge Bom Jesus, quer disseminar no seio de toda a sociedade são-tomense.

Esta quarta – feira, Jorge Bom jesus, arregaçou as mangas, e deu o ponta pé de saída no lançamento do programa “Bamu Ximiá”. Um termo no crioulo fôrro que significa, ” Vamos Plantar”.

Com mascaras de protecção contra Covid-19, e enxada nas mãos, o Primeiro Ministro, plantou estacas de mandioca, num processo que envolve milhares de estacas de batata doce e de outros tubérculos. Centenas de quilos de milho para sementeira, também reforçam o stock do ministério da agricultura no âmbito da campanha Bamu Ximiá.

Um cenário de protecção da vida e de luta pela sobrevivência que o primeiro-ministro decidiu personalizar, como exemplo a seguir por cada cidadão santomense.

«Esta doença alterou as nossas vidas, subverteu as nossas prioridades, colocando-se no primeiro lugar….», afirmou o Primeiro Ministro.

Jorge Bom jesus reconheceu no entanto que «a alimentação eu diria é o primeiro remédio».

“Bamu Ximiá pá non bê kua Kumé”. “Vamos plantar para termos o que comer”. É o lema da campanha que pretende contrariar a ameaça que a Covid-19, representa para a segurança alimentar no mundo.

«Queremos garantir a soberania alimentar, queremos que haja fome zero no nosso país. Temos que mobilizar, todos os são-tomenses, todos os autores sem excepção regressem a terra…… Que coloquem as mãos na terra. Esta terra abençoada tem potencialidade para alimentar todos os seus filhos», pontuou Jorge Bom Jesus.

O Chefe do Governo recordou também que São Tomé e Príncipe depende muito da importação para satisfazer as suas necessidades internas. A Covid-19 já começou a provocar redução no fluxo da importação de bens alimentares e de serviços para São Tomé e Príncipe.

«Nos próximos tempos não sabemos o que nos espera. Durante longos anos fomos sendo alimentados na expectativa de barcos que chegam…., hoje tudo isso é uma incógnita...» concluiu.

Bamu Ximiá – Vamos Plantar, é uma campanha que vai ser desenvolvida em todo o país, para sensibilizar e orientar cada cidadão são-tomense, a tirar o melhor proveito da terra fértil que tem a sua disposição.

Abel Veiga

    22 comentários

22 comentários

  1. Frederico Ferreira Major

    15 de Abril de 2020 as 21:24

    Pedir ao governo japonês para que eles ensinam aos santomenses a técnica de como se cultiva também o arroz e deixarem de comer o arroz esmolado, incentivar também o cultivo de milho, feijão batata rena e doce mobilizar o povo ao trabalho. Porque um país não se desenvolve sem trabalho, dixam de ser preguiçosos.

    • manuel costa

      16 de Abril de 2020 as 3:20

      Concordo plenamente com a ideia do cultivo do arroz. Não sou especialista, mas no norte da Ilha de S.Tomé suponho que o arroz de sequeiro seria uma boa opção.Talvez alguém entendido na matéria saiba responder.
      Já quanto a outras culturas (vegetais por ex.) começar por produzir espécies melhoradas e mais produtivas, seria também uma boa opção.
      Morei já em S.Tomé e a ideia com que fiquei, foi que os produtos vendidos no mercado, são muito bons e saborosos, mas de baixo calibre e portanto de pouco rendimento para quem vende.
      Um assunto que gostaria de deixar aqui e que de algum modo está ligado à produção agrícola, é a forma como os produtos são vendidos no mercado.
      Não ficaria muito cara a organização e exposição dos produtos, se os governantes financiassem ou proporcionassem de alguma forma pequenas bancas, para aqueles vendedores que por necessidade (talvez) sejam obrigados a colocar os seus produtos no chão. Seria mais higiénico, mais prático e mais agradável aos olhos.
      Aos moto táxis deixo uma sugestão: Será que pequenos atrelados nas motos não seria uma ideia para transporte dos produtos das vendedoras ao mercado? É que a forma como são transportados são incómodos e perigosos.
      Pode ser que todas estas ideias estejam erradas . É apenas uma modesta opinião.

      • Carlos Alberto do Espirito Santo

        16 de Abril de 2020 as 22:47

        O governo tem mais terra para plantacao de arroz?

        So se voltar a fazer reforma!

        E quem tem? So os senhores que tenhem olhos mais que barriga e que sao donos de varias propriedades, mesmo nao fazendo nada nela, mais sao donos.

        • Barão de Água Izé

          29 de Abril de 2020 as 8:05

          Acabar com as Naçionalizacoes.

    • Paulo coelho

      16 de Abril de 2020 as 7:28

      Sr Federico Major
      Antes de tudo tem que haver uma reforma agrária dentro de um plano de médio a longo prazo! Por favor não vale a pena fazer coisas de forma desorganizada! Quando é que os pretos vão entender isso??

      • Inconformado

        17 de Abril de 2020 as 11:11

        como é que Abel deixou passar este comentário?!

    • Anónimo

      16 de Abril de 2020 as 16:09

      Bem dito, e contamos com a sua ajuda saia do conforto.

  2. Manuela. Na diaspora

    15 de Abril de 2020 as 23:04

    Realmente meu caro. Santomense tem uma terra bastante fertil; muito chuvosa vivem na miseria porque sao preguiçosos, aquelas roçass que antes produzia tanta comida agora anda entregue aa ratazanas, porque o senhor Trovoada teve a descabida ideia de privatizar as roças para os meros ilusionistas que nada entende das suas proprias vidas quanto mais em administrar aquelas roças; ainda durante a minha infancia ate a adolescencia nao conhece sao tome mergulhada numa pobreza extrema como semelhante a que se vive nos ultimos tempos, para lembrar que s.tome ja teve uma experiencia no cultivo de arroz com os chineses na decada dos anos 80, e teve êxitos ja se comeu em stome arroz produzido pelos chineses; como sempre africa nunca emplementa projectos acerios tudo ficou parado e ninguem entendeu qual foi o motivo de nao continuacao deste projecto; e como se nao bastasse romperam cooperação com china por longa data; em troca com Twaium, outra burrice que os politicos santomense cometeram;muito sinceramente nao vejo a vantagem nenhuma no pais em relacao a esta cooperação. S.tome deixou a pruducao de cacau morrer; o nosso cafe; nos ja prodiziamos sabao. Tudo isso foi posto no esquecimento; agora a juventude reclama emprego; senhor primeiro ministro abram o pais; criam uma politica leve; criar centros de formacao proficional para jovens icentivar esta nova geração amor ao trabalhor e nao a delinquência.o pais é pequeno com pouca populacao, unidos podemos sair na vida estar a pedir tudo e toda hora.

    • Zagaia

      17 de Abril de 2020 as 23:03

      Manuela. Diáspora, não foi o ex. Presidente Miguel Trovoada, que mandou privatizar as roças, mas sim, o BANCO MUNDIAL, o seja, exigência do BANCO MINDIAL antes de afirmar, temos que estar informados. Um bem haja.

  3. Lucas

    16 de Abril de 2020 as 2:29

    Milagres?

  4. Paulo coelho

    16 de Abril de 2020 as 5:22

    Sr Primeiro Ministro
    O que eu gostaria de ver é um plano national ou uma estratégia e plano nacional para os Próximos 10-15! Esse plano teria que ser abrangente tendo em co ta factores como o meio ambiente, redistribuição ou distribuição das terras, utilização de água etc etc!

    • Manuela. Na diaspora

      16 de Abril de 2020 as 21:47

      Sera que os comentarios aqui deixado é visto pelos nossos governantes? Tem boas ideias que ajudaria o governo na tomada das decisoes.Afinal de conta este jornal é a voz do povo.

  5. Sem assunto

    16 de Abril de 2020 as 6:07

    Boa iniciativa em má hora!
    Como ficaram o resultado dos 82 textes enviados à Malabo?
    Cuidado vocês com maracutaia. O povo está atento, se o de Gabão não convence,o de Guiné Equatorial pode também não convencer, sejamos sérios.
    Plantação é, e deve ser sempre prioritário, porém o Covid 19 é uma questão de vida ou morte, não adienta lançar mos campanhã de plantação hoje e secundarizar mos os cuidados médicos a fim de combater a pandemia e morrer mos amanhã por causa disto, não estando aqui para colher o plantado. Lógica elementar, senhores!
    Senhor Ministro do trabalho, volte ao gabinete homem, a muita coisa para ali a ser feito, evite estar sempre girando atraz do JBJ, feito uma barata tonta, se não entendes da pasta passa o lugar, o teu potêncial é mesmo na turma, não te esqueça disto.

  6. STP

    16 de Abril de 2020 as 11:46

    Só, espetáculo…

    ADI quando teve no governo foi trabalhar roça, esteve governo foi cultivar a terra.

    Bandos de palhaços…

    Sem vergonha…

    • Sotavento

      17 de Abril de 2020 as 4:41

      Amigo STP

      Respeitemos os palhaços por favor.Os palhaços fazem rir ao próximo que não é facil.Esses governantes fazem tudo oposto.Criam sentimentos de revolta, aborrecimento,duvidas,repugnancia,descredito,etc etc.Os palhaços sao honrados.

  7. Guida Gostosa

    17 de Abril de 2020 as 0:56

    Primeiro Ministro não tem botim?

  8. Eu .mesmo

    17 de Abril de 2020 as 8:14

    Desde jornalista aos políticos vão trabalhar roças tbm.
    Acabou a brincadeira 😅😅😅😅

  9. Andorinha

    17 de Abril de 2020 as 11:34

    Aposta na agricultura faz-se com investimentos e apoios concretos aos nossos agricultores não é com este show off posando para fotos e depois recolher no gabinete tudo trukes.

  10. Leonardo Castro

    17 de Abril de 2020 as 11:43

    Temos de mudar de estratégia. Definitivamente! Desde 1975 que vimos assistindo esses espectáculos. Reza a história que no Partido Único, era o Presidente da República que que encabeçava as campanhas deste gênero. Calçava “butins, tratava-se de agricultor e de gancho ou enxada ou “manchim” nas mãos dava o seu show, no início de cada campanha. E depois recolhia ao suas.mordomias no seu Palácio e só regressava na campanha seguinte, um ou dois anos depois. Miguel Trovoada e seus Ministros, Fradique e seus Ministros, “Pinta Cabra e seus Ministros, já repitam os mesmos shows. Esses shows nunca deram resultados positivos. Agora vem oPprimeiro Ministro dar o mesmo show? Insistindo na mesma estratégia, os resultados anteriores perssistirao. Urge mudar de estratégia que ao meu ver, consiste em o Primeiro Ministro e os seus colaboradores persistirem no show permanente de 15 em 15 dias, subir ao palco e mostrar trabalho. Ou seja irem.sempre as glebas, arregaçaram as mangas e trabalharem a terra para que o povo pequeno se sinta incentivado e de forma.continua trabalhe a terra durante 365 dias do ano. Isto de ir lançar a campanha e não incentivar com o seu suor de forma.constante, não funciona. Já vimos este filme, repetidas vezes.

  11. Como será

    17 de Abril de 2020 as 14:22

    O senhor primeiro Ministro muito alegre com a garantia dos 25milhoes para agricultura: ok e ja lançou o projecto vamos semear para termos o que , tudo muito bem, mas agora onde esta um plano directorio em relacao a criacao de fabricas transformadoras; coitado dos camponeses vam colher tantos produtos e nao terao como conservar os produto, ou os 25 milhoes servira apenas para se plantar e mais nada, e por outra quais os tipos de agricultura o ministerio da agricultura tem em cardeira.

  12. SEMPRE AMIGO

    18 de Abril de 2020 as 11:56

    COMEÇA DESDE JÁ A PLANTAR!….BÁMU XIMIÁ!….Slogans bonitos, até mobilizadores.Não nos é,no entanto, permitido esquecer que neste 2020 o planeta terra está invadido por uma pandemia que ameaça dizimar a humanidade inteira. Por isso o meu veemente apelo aos GOVERNANTES e aos GOVERNADOS:vamos tomar tudo isso muito a sério.Santo TOMÉ e Santo ANTÓNIO,sózinhos,sem nossa ajuda,nada poderão fazer para nos salvar.porque DEUS só ajuda aqueles que se esforçam, que ajudam á si mesmo.O Covid-19 já invadiu todo o planeta.Por que razão pouparia
    STP?O Covid-19 já está, invisível, em STP.Nós é que não nos preparamos á tempo para estarmos em condições de poder detectá-lo.Mas deixemos a polémica para mais tarde!O importante neste momento é agirmos,oexecutivo,o legislativo,o judiciário,os partidos políticos,a sociedade civl, os mais velhos, os mais jovens,TODOS juntos,sob uma única liderança, com a consciência plena das nossas fraquzas,para sairmos vitoriosos dessa contenda contra um inimigo tão poderoso e invisível.O sucesso nesse combate vai depender muito da forma como lidamos com as informações.As autoridades têm que agir, sem hesitação, com toda a transparência,não devem esconder nada.A falta de transparência nas informações sobre a evolução do vírus no nosso país deixa o campo aberto a todo típo de especulação.Louvável a iniciativa do Governo!Preparar-se para enfrentar com alguma tranquilidade o pós-vírus(BÁMU XIMIÁ….)é bom.Mais LOUVÁVEL ainda, no actual contexto, seria tudo fazer para salvar VIDAS,pinem pô bi cumé quá cu non ximiá

  13. A Verdade

    18 de Abril de 2020 as 22:00

    Palhaços

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo