Política

Estado de emergência à vista para a ilha do Príncipe

O Governo da Região Autónoma do Príncipe solicitou aos órgãos de soberania do Estado santomense, que seja decretado o Estado de emergência na ilha, que desde o inicio deste ano se confronta com o aumento dos casos da Covid-19.

A solicitação do Governo Regional do Príncipe, foi analisada na reunião de alto nível sobre a Covid-19, presidida pelo Presidente da República, Evaristo Carvalho. O porta voz da reunião, secretário de Estado para Comunicação Social, Adelino Lucas, disse à imprensa que nos próximos dias a Assembleia Nacional, vai analisar a proposta apresentada pelo Governo do Príncipe.

O decreto do Estado de emergência na região autónoma, é considerado pelo poder local, como prioritário, para conter a transmissão do vírus SARS-COV-2. As autoridades da ilha do Príncipe estimam que a taxa de incidência da Covid-19 na ilha é de cerca de 80%.

O governo da região autónoma do Príncipe considera que a ilha enfrenta uma situação de transmissão comunitária do vírus que provoca a Covid-19. Príncipe que até Dezembro do ano 2020, não tinha registado qualquer caso de Covid-19 no seu território, tem actualmente 36 doentes. Sendo 34 em isolamento domiciliar e 4 no hospital de campanha(dados divulgados pelo Ministério da Saúde).

No que concerne a ilha de São Tomé, a reunião de alto nível, orientou o governo a prorrogar o estado de calamidade por mais 15 dias.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. Avançar

    18 de Janeiro de 2021 as 10:00

    Tem que ser. Força Governo Regional. Força população do Príncipe.

  2. STP

    18 de Janeiro de 2021 as 11:07

    Filipe Nascimento pediu estado de emergência desde semana passada e ainda órgãos de soberania nada nada? Tem que ser suspenso voo. Assim em pouco tempo essa doença acaba no Príncipe. Eles são muito poucos. Casos está a aumentar demas.

  3. SOL

    19 de Janeiro de 2021 as 9:49

    Tudo muito bem, mas, não compreendo o seguinte:
    # Como podemos diminuir essa doença cá no Príncipe se um profissional de Saúde no hospital de campanha após o seu turno, volta à casa
    para o convívio familiar;
    # Como é possível um funcionário de Saúde que testou positivo, fica em isolamento e que de isolamento não existe, pois ele continua
    dormindo na mesma cama com sua esposa e labutando com os demais familiar.-

    Assim sendo acho que o Estado deve criar condições sobretudo para os profissionais de Saúde e não só para evitar possíveis contaminação.-

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo