Política

Conselho de Direitos Humanos da ONU analisa situação em STP

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

País de língua portuguesa no oeste da África foi avaliado como parte do mecanismo de Revisão Periódica Universal em sessão transmitida ao vivo pela internet; esta é a terceira revisão do país desde 2011; apesar de avanços nos direitos das mulheres, igualdade de gênero continua tendo longo caminho a percorrer.

O Conselho de Direitos Humanos analisou a situação de São Tomé e Príncipe, no último dia 27, durante uma sessão virtual em Genebra.

O país de língua portuguesa, avaliado na 37ª. sessão da Revisão Periódica Universal, foi representado pela ministra da Justiça são-tomense, Ivete Santos Lima Correia, que leu o relatório do governo.

Tratados

A revisão periódica é feita com base no documento nacional, em informações contidas nos relatórios de especialistas e grupos independentes conhecidos como Procedimentos Especiais, em tratados sobre o tema e outras agências da ONU.

Além disso, partes interessadas, instituições de direitos humanos, grupos da sociedade civil e organizações regionais também enviam contribuições para o processo de revisão periódica.

 Foto ONU/Jean Marc Ferré
Sala do Conselho de Direitos Humanos em Genebra

Desde 2011, São Tomé e Príncipe já foi analisado três vezes pelo Conselho de Direitos Humanos. A ministra da Justiça lembrou que o país atravessa muitos desafios na área econômica com uma matriz de exportação, que ainda precisa ser diversificada.  O coco concentra mais de 90% da carteira de produtos vendidos ao exterior.

Educação gratuita

A chefe da pasta afirmou que, assim como outros Estados-ilha menos desenvolvidos, São Tomé e Príncipe está exposto a choques econômicos e aos efeitos da mudança climática.

Mesmo assim, ela lembra que a nação garante educação e cuidados de saúde gratuitos.  A ministra contou que mesmo com todos os desafios, São Tomé teve sucesso na redução da mortalidade infantil, aumentou o número de matrículas escolares e diminuiu as taxas de mortalidade materna.

Um outro sucesso obtido pelo governo são-tomense foi a drástica queda nos números de casos e óbitos por malária. Entre 2001 e 2017, a incidência anual passou de 411.6 para 12.5 casos para cada 1 mil habitantes.

Registros de nascimento

No relatório, o Fundo das Nações Unidas para a Infância notou que o país aboliu a taxa de pagamento para registros de nascimentos de crianças de até um ano facilitando assim a obtenção da certidão de nascimento para todos e reduzindo um grave problema em países de renda baixa: crianças sem identidade.

Já a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, afirma que mesmo que o número de matrículas de meninos e meninas tenha aumentado no país africano, a qualidade da educação permanece um desafio.

A agência ONU Mulheres afirmou que o país conseguiu avanços nos direitos das mulheres, mas ainda há bastante trabalho a fazer para alcançar a igualdade de gênero. Até fevereiro de 2019, apenas 14,5% do Parlamento são-tomense era composto de mulheres.

Violência doméstica

A ONU Mulheres também se preocupa com a quantidade de mulheres de 20 a 24 anos que entraram numa união marital antes de completar 18 anos.

Já a proporção de mulheres de 15 a 49 que reportaram violência sexual de parceiros e companheiros próximos nos últimos 12 anos também causa sinal de alerta.

A Revisão Periódica Universal analisa a situação de direitos humanos de todos os 193 países-membros. Desde a primeira reunião em abril de 2008, todos os países têm sido revistos duas vezes na primeira e segunda rodadas de revisão.

Os países avaliados se comprometem a considerar os pontos ressaltados e a reportar sobre a situação dos direitos humanos no território.

Além de São Tomé e Príncipe foram avaliados, no mesmo dia, Japão e Cote d’Ivoire, como é conhecida a Costa do Marfim.

    3 comentários

3 comentários

  1. SANTOMÉ CU PLIXIMPE

    2 de Fevereiro de 2021 as 11:21

    EXISTE DIREITO HUMANOS..OU É FINGIMENTO DO MUNDO…Já a proporção de mulheres de 15 a 49 que reportaram violência sexual de parceiros e companheiros próximos nos últimos 12 anos também causa sinal de alerta.,,, É POSSÍVEL ISSO,, E QUANDO O HOMEM SOFRE VIOLÊNCIA SEXUAL CHAMAMOS ISSO DE QUÊ?,, QUANDO ESTOU CANSADO E NÃO QUERO……….

  2. Clemilson brasileiro

    2 de Fevereiro de 2021 as 12:41

    Luxo e vida boa só pra turista e os donos das pousadas, porque o povo é só pobreza e desemprego !!

  3. Sem assunto

    2 de Fevereiro de 2021 as 18:20

    Só isto que sabe fazer a ministrasinha ler, e ler relatórios e mais relatórios , pois dá sua cabeça ôca nada saí, que chatice.
    Sobre a violência doméstica li muita pouca coisa e ainda bem, pois o nível de abuso das senhoras aumentou esporadicamente contigo afrente da pasta, porque será?
    A sua arrogância fez o seu Instituto de Drogas e toxicodependência andar para traz, sempre ameaçando os colaboradores e maltratando os mesmo na presença de gente estranha, houve até um que mandaste regar flores antes de uma reunião importante, dado que que o rapaz apresentava certa esperteza que certamente poderia expor toda a tua burrice. Casmurra.
    A pouca inteligência também atraí vícios, assim realizas um concurso público aonde participa e entra a tua Diretora de gabinete, a incopitente e desagradável de Lhubliana, bem como a tua assessora para campanhã laço verde a Cosma Botelho, bonito, Ivete, podes continuar, como se não bastasse em plena quarentena o teu filho finalmente entra nas finanças, inexpressiva!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo