Política

No MLSTP ninguém sai da corrida presidencial mesmo com os “Tachos” ameaçados

MLSTP de Jorge Bom Jesus, elegeu no último sábado Guilherme Posser da Costa como o candidato do partido às eleições presidenciais.

Apesar da direcção do partido ter produzido uma resolução que manda demitir imediatamente das suas funções na5 administração pública qualquer militante que não acatar a decisão tomada pelo conselho nacional, de apoiar apenas o candidato eleito, o MLSTP vai ter vários dos seus membros a concorrer para o cargo de Presidente da República.

O Téla Nón comprovou que nenhum dos pré-candidatos que são militantes do MLSTP, acatou a decisão do conselho nacional.

Maria das Neves, ex-Primeira Ministra que em 2016 concorreu às eleições presidenciais como candidata do partido MLSTP, disse ao Téla Nón, que sempre se posicionou como candidata independente às eleições presidenciais previstas para Julho próximo.

«Eu tinha dito isso mesmo ao partido, que sou candidata independente. Nunca pedi apoio para ser candidata do partido às eleições de 2021», afirmou Maria das Neves.

Maria das Neves, não marcou presença na reunião do conselho nacional do MLSTP e considerou a sua ausência como sinal claro de que a sua candidatura às eleições presidenciais é independente.

Elsa Pinto, ex-Ministra dos Negócios Estrangeiros e Vice-Presidente do MLSTP, terá anunciado na reunião do conselho nacional, que caso não fosse eleita candidata do partido, avançaria imediatamente como candidata independente às eleições presidenciais.

 

 

Victor Monteiro, o coronel do exército na reserva já tinha desmentido a Direcção do MLSTP desde Janeiro passado. Altura em que o militante do MLSTP, publicou o conteúdo da carta que endereçou ao Presidente do MLSTP Jorge Bom Jesus, com data de 30 de Novembro do ano 2020, dando conta que era candidato independente às eleições presidenciais.

O Coronel na reserva que terminou na última semana, uma longa visita ao Dubai, disse ao Téla Nón, que nunca pediu apoio ao partido MLSTP, para ser candidato ao cargo de Presidente da República.

 

Jorge Amado, ex-Presidente do MLSTP/PSD, não poupa a actual direcção liderada por Jorge Bom Jesus.  «Aquilo foi uma farsa ….estive presente …o conselho nacional alargado tem 600 membros. Levaram para lá 290 pessoas politicamente orientadas…», disparou Jorge Amado.

O militante rejeita a decisão eleitoral do conselho nacional do último sábado, e garante que nada trava a sua corrida para conquista do Palácio Cor de Rosa.

«Nunca me apresentei como candidato do partido. Em todas as minhas reuniões me apresento como candidato do povo. Candidato dos militantes do MLSTP, e dos militantes de todos os outros partidos políticos. Vou continuar em pré campanha …. Felicitei o candidato escolhido, mas disse ao partido que o conselho nacional foi uma ditadura….», referiu Jorge Amado.

A resolução lida antes da votação para eleição do candidato do partido, e que ameaça os militantes com despedimento imediato nas funções que ocupam na administração pública, caso não apoiem o candidato eleito pelo conselho nacional, foi para Jorge Amado, uma demonstração de que o MLSTP, está a se transformar num partido fascista.

Abel Veiga

    15 comentários

15 comentários

  1. SANTOMÉ CU PLIXIMPE

    22 de Março de 2021 as 7:20

    VCS são e sempre foram desgraça do MLSTP,,,objectivo pessoal….uns até se fizeram do partido hoje, nem isso tomam em conta.

  2. Matabala

    22 de Março de 2021 as 8:34

    A ameaça foi clara. Mas gostam de apontar dedo a votacoes de escolha de lider sobre outros partidos e intrigam sobre legitimidade na casa dos outros falando em diaturas mas quando e só não toca a eles: façam o que digo e não o que eu faço.
    Ficamos também a saber/confirmar que a luta interna pelo poder vai criar alas separatistas nesse partido e muita confusão…
    Quanto à escolha (? – não sei se menos de metade de votos possíveis se pode considerar escolha) do candidato fica também clarificada a intenção com este apoio a garantia de manutenção do poder desta NM e a continuação das perseguições, nepotismo e desmando…o candidato VM não iria ser tão maleável às trapalhadas dos camaradas…logo escolherem alguem que sem dúvida alguma é um garante da continuidade do sistema.
    Espero que povo tenha olho aberto e não va nessa conversa…

  3. Mario Rosário

    22 de Março de 2021 as 9:07

    Afastar da função pública???
    A função pública é por acaso uma instituição do MLSTP???
    Ficaram malucos ou doidos…
    Nunca vi…

  4. Andorinha

    22 de Março de 2021 as 14:26

    Este Conselho Nacional espelha bem o estado e a bandalheira no MLSTP.
    Nenhum pre-candidato acatou a divisão do Conselho Nacional veja só ninguém liga nem obedece o Jorge bom Jesus para nada e isso passa igualmente no governo.
    Mas isto não passa no ADI porque o ADI tem um lider forte e respeitado.

  5. Fuba cu bixo

    22 de Março de 2021 as 14:44

    Nenhum pre-candidato acatou a divisão do Conselho Nacional então se o Jorge bom Jesus não consegue meter ordem no seu partido como é que ele consegue por ordem no país por isso o Pinto da Costa disse neste momento S.tomé não tem liderança.
    É caso para dizer onta Jorge bom Jesus bom?

  6. Credo

    22 de Março de 2021 as 14:50

    Há há há há.. É o Mlstp contra Mlstp. Para um bom analista vai haver fragmentação de voto dentro do partido que vai ficar com um eleitorado dividido.Claro que isto vai beneficiar candidatos da oposição.
    O mlstp não nem consegue convencer o seu eleitorado.
    De tanta maldade dá nisso.

  7. Heleno Mendes

    22 de Março de 2021 as 15:01

    Que eu saiba nenhum partido politico dividido consegue vencer as eleições de forma retumbante. Sejam elas quais forem, autarquicas, legislativas ou presidencias.
    Tendo em conta o número de candidactos, seria salutar e aconselhável de que o MLSTP elege-se um candidacto saido das primárias. Assim como fizeram os democrátas nos Estados Unidos. Os concorrentes teriam a oportunidade de apresentar o seu manifesto eleitoral ao povo santomense em debate televisivo. Esgrimiriam os seus argumentos, como defenderiam a constituição, como cooperariam e colaborariam com o governo do dia no seu projecto de sociedade. Como trabalhariam com o governo para o relançamento da economia em pról do desenvolvimento sustentâvel de São Tomé e Principe. Persuadindo assim o povo santomense a lhe dar o seu voto de confiança.
    Acredito que a figura única saída dessas primárias seria um candidacto forte,legítimo de consenso abrangente e pouco contestado. Certamente, gozaria do apoio da maioria. Promoveria, e galvanizaria debate de ideias, como buscaria e moldaria consensos para unir a sociedade santomense. Catalizaria e susteria a coesāo interna no seio do partido, e a nivel nacional, condição indispensável para o sucesso de qualquer embate eleictoral.
    E assim faria sentido a aplicaçāo do artigo 18 dos estatutos do partido no policiamento da disciplina partidária.

    Perante o cenário actual levanta-se uma questāo de fundo. Porquê que um povo haveria de votar na divisāo ao invés da coesāo?
    O que deixa a transparecer é que o povo não se encontra tido nem achado nesta historia, mais sim um grupo de pessoas e individuos.

    Quem vende seja ideas ou producto a historia tem que envolver o comprador, para que a venda seja bem sucedida.

    A competitividade elimina a eneficiêcia; por isso é que quando há monopólio o povo fica a perder. O preço a pagar é elevado.

    Um bem haja,
    Heleno Mendes,

  8. luisó

    22 de Março de 2021 as 17:38

    ………Jorge Amado, ex-Presidente do MLSTP/PSD, não poupa a actual direcção liderada por Jorge Bom Jesus. «Aquilo foi uma farsa ….estive presente …o conselho nacional alargado tem 600 membros. Levaram para lá 290 pessoas politicamente orientadas…», disparou Jorge Amado…….

  9. Próximo cenario

    22 de Março de 2021 as 18:49

    Com essa confusão dentro de mlstp Posser pode ter a certeza que seus adversários dentro do partido vão fazer tudo para que ele não ganhe as eleições.
    Tudo isso vai fortalecer o candidato da oposição.
    Quanto a Jorge Jesus pode se dizer que perdeu porque não conseguiu impor autoridade no seu partido.

  10. Frescura

    22 de Março de 2021 as 18:52

    Nem no partido respeitam o Jorge bom Jesus.
    Já estou a ver o final da novela.
    Faz sai. Onta oce bom.

  11. Honorio Brito

    22 de Março de 2021 as 23:53

    Como é possível num país que se diz democrático, a direção de um partido produzir uma norma que ameaça os seus militantes e dirigentes de serem imediatamente demitidos dos cargos que ocupam na administração do estado, como que se os serviços públicos fossem extensão ou órgãos internos do partido. Isto é inaceitável na democracia. A direção do MLSTP esqueceu-se que já não estamos no regime monolítico, ” partido – estado”.
    Alem do mais, a eleição presidencial é apartidária, pq não é o partido que deposita a candidatura no Tribunal, mas sim o candidato de forma pessoal, devendo o partido apoiar politicamente ou não a corrida eleitoral do candidato, apenas isso e mais nada.
    Também não se compreende como num país arquipélago existirem tantos pretendentes ao cargo de Presidente da Republica. Será que as pessoas estão mesmo preocuparas com a situação caótica do pais, que precisa de uma grande virada em termos de organização e estrutural, ou as pessoas estão apenas preocupadas e com apetites para se sentarem na cadeira presidencial e usufruírem das regalias inerentes da função?
    Espero que todos passem mais a pensar no pais e no bem comum, passando toda a gente a vestir a camisola da nação e todos nas suas esferas e competências profissionais, trabalharem para reorganizar o país, para que o lindo São Tome e Príncipe volte a ser uma terra onde cada filho possa viver com dignidade e do fruto e suor do seu trabalho. Já basta de desorganização, de bagunça, desonestidade, nepotismo, corrupção e preguiça. Já não há tempo para mais brincadeira. Basta!

  12. Adeliana Nascimento

    23 de Março de 2021 as 8:03

    Maria tem que ter calma. Ela acha que tem perfil e pedalada para isto? A chefe de Governo que lhe puseram foi demais.

  13. PASCOAL

    23 de Março de 2021 as 18:21

    A fragmentação interna no MLSTP/PSD possibilita o emergir individual em vez do coletivo, e inibe o próprio desenvolvimento da nação.

  14. mezedo

    24 de Março de 2021 as 9:29

    Da para compreender o desfecho de tudo isto
    Mas quero deixar bem claro, todos esse gananciosos, vão pagar por suas ganancias
    O pior são os Militantes inocentes que corem atrás desses bandidos, tantos de um Partido como do Outro.

    Nunca pode se ganhar com tanta divisão,

    Jorge Bom Jesus, a 3 anos tentou unir partido e conseguiu mudar um pouco o rumo da Historia, mas isso não agradou a muitos porque viram seus objetivos bloqueados.

    Hoje esses mesmo bandidos, vem querer demostras que são sérios.

    Deus é grande e não vai dormir

  15. Gentino Plama

    24 de Março de 2021 as 11:42

    O candidato indicado pelo partido para o representar, terá ajuda material e financeira do mesmo partido, pois, este foi eleito por votação.
    Os restantes elementos que se dignaram abster-se da votação, alegando que a sua candidatura será manifestamente independente, por não se alinhar ao estilo do colega ou elemento votado, farão tudo por conta própria, e como é óbvio, caberá o Tribunal de Contas e o Supremo Tribunal de Justiça, o dever de fiscalizar, seguir à par e passo todo o processo, e ação dos senhores candidatos independente.
    Isso tem que ser tido em conta porque, o país, poderá ser hipotecado a favor de interesses obscuros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo