Política

Lázaro diz que foi demitido pelo Governo por ter recusado entregar “Lady” à PJ na noite do dia 25  

Lázaro Afonso(na foto), o mais antigo Director do Estabelecimento Prisional de São Tomé e Príncipe, foi demitido das suas funções por um despacho do Governo de Jorge Bom Jesus.

«É dada por finda a comissão de serviços do Senhor Lázaro  Afonso, Director Geral dos Serviços Prisionais e Reinserção Social do Ministério da Justiça, Administração Pública e Direitos Humanos», diz o despacho tornado público por um dos canais de comunicação do Governo.

O Téla Nón conversou com o director demitido. Lázaro Afonso, abriu o livro e leu para o Téla Nón a verdadeira história subjacente ao despacho de demissão assinado pelo Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus e pela ministra da justiça Ivete Lima.

«Tudo porque recusei o pedido insistente da ministra da Justiça Ivete Lima, para que o cidadão Nelson Rita das Neves, que estava sob custódia dos serviços prisionais, fosse entregue na noite do dia 25 de Março à Polícia Judiciária», afirmou Lázaro Afonso.

Na conversa com o Téla Nón, o director demitido pelo Governo, explicou que tinha participado nas negociações com o jovem que estava foragido há cerca de 2 meses, após ter agredido a sua mulher a golpe de catana.

Negociações que encorajaram o jovem a se entregar no dia 25 de Março, no estabelecimento prisional.

Lázaro Afonso disse ao Téla Nón, que o jovem sob custódia dos serviços prisionais , suplicou que não o entregassem à Polícia Judiciária. «Ele nos disse para não leva-lo a polícia judiciária, porque iriam mata-lo. Ele pediu-me encarecidamente que não o levasse para a PJ, porque ele sabia que ia perder vida», garantiu Lázaro Afonso.

O director demitido pelo Governo acrescentou para o Téla Nón, de que fez tudo para salvar a vida do jovem Nelson Rita das Neves.

«Demitiram-me por alegada insubordinação. É que a ministra da justiça chegou a vir a minha casa por volta das 23 horas do dia 25 de Março, suplicando-me para que o jovem fosse entregue naquela hora à Polícia Judiciária. Eu expliquei a ministra os motivos que não concordava com a entrega. Eu disse a ministra que eles iam matar o jovem…», detalhou.

Segundo Lázaro Afonso, a ministra persistiu, então ficou acordado que o Estabelecimento Prisional entregasse o jovem Nelson Rita das Neves à PJ, nas primeiras horas do dia 26 de Março.

Lázaro Afonso, criminologista de formação aproveitou para denunciar o facto de a ordem judicial de detenção emitida para o cidadão Nelson Rita das Neves, ter sido violada pela Ministra da Justiça Ivete Lima.  O director demitido garante que a ordem de detenção diz claramente que o arguido, ou o jovem que estava em fuga, deveria ser conduzido de imediato ao Ministério Público.

No entanto segundo Lázaro Afonso a ministra da justiça Ivete Lima decidiu impor, que o arguido fosse primeiramente entregue à Polícia Judiciária.  Sobre Nelson Rita das Neves, já recaía a acusação de tentativa de homicídio.

De manhã cedo do dia 26 de Março, os serviços do Estabelecimento prisional, serviram chá com pão ao arguido.

«Entregamos o rapaz à PJ, por volta das 8 e meia do dia 26. No serviço prisional ele não teve sequer uma arranhadura. Eu tenho consciência que fiz tudo para salvar uma vida…», precisou Lázaro Afonso.

Ainda na manhã do dia 26 de Março, a direcção da Polícia Judiciária anunciou que por volta das 11 horas, Nelson Rita das Neves, vulgo Lady, começou a manifestar mal estar físico. O jovem foi conduzido ao hospital central Ayres de Menezes, onde foi dado como morto.

Lázaro Afonso, o director que cultivou o trabalho produtivo e de reinserção social na Cadeia Central, foi demitido pelo governo porque recusou entregar o jovem Nelson Rita das Neves, o mais rápido possível à PJ.

Abel Veiga

 

    24 comentários

24 comentários

  1. Madame Jursita Psicologa do Nada

    2 de Abril de 2021 as 20:43

    Madame Ivete,

    Que aberração! é o demérito de ser-se politico e ter influencias. Te deram o tacho ao pedido do teu cunhado e agora com a tua arrogância, tens culpa de sangue semi direta no assassinato de um cidadão às mãos dos matões da PJ.

    Isto é governar? Isto é qualidade? Jurista de meia tigela e arrogante é o que a senhora é.

  2. Martelo da Justiça

    2 de Abril de 2021 as 21:04

    Esta história está muito mal contada
    Como é que o director Lázaro tinha assim tanta certeza que o foragido ia ser morto pela PJ??
    Porque que ele não indica o nome da pessoa que faz essa ameaça??
    Por que que ele não comunicou esse facto aos seus superiores hierárquico tendo em conta a gravidade da situação para se tomar as medidas de proteção do foragido??

  3. Andorinha

    2 de Abril de 2021 as 21:26

    Desapareceu a droga nas instalações da PJ o governo de Jorge bom Jesus defendeu a antiga directora.
    Foi esta mesma PJ que a mando do governo de Jorge bom Jesus prendeu o ex Ministro das finanças Americo Ramos injustamente por vingança política.
    Segundo o senhor Lázaro Afonso o rapaz ja sabia que iria ser morto nas instalações da PJ e fez saber isto a Ministra da justiça, e foi exatamente isso que aconteceu ao rapaz morreu nas instalações da PJ.
    Ca para mim esta PJ é braço armado assassino do governo de Jorge bom Jesus
    Para mim o Patrice Trovoada a frente do Jorge bom Jesus é um aprendiz.
    É caso para dizer Patrice Trovoada volta estas perduado porque estamos perante tempo assombroso e o pior esta para vir com o documento apresentado na comissão Nacional do MLSTP que obrigava os militantes do MLSTP a apoiarem o Guilherme Posser sobe pena de virem a perder tachos na função pública.

    • Sem assunto

      3 de Abril de 2021 as 11:24

      Por amor de Deus Andorinha!
      Há mais São Tomé para além do Patrice Trovoada, Jorge Bom Jesus, Delfim Neves, Pinto da Costa, Fradique de Menezes entre outros roedores desta República.
      Não sei se quem tu és, entretanto se fores jovem alinha se aos outros e busquem a solução para pôr fim a este marasmo, e se fores de uma idade avançada tente instruir os jovens para não cometerem os eros dos mais velhos.
      Vamos pensar fora da caixa, aonde já se viu apelar ao regresso do Patrice Trovoada, só pode ser afronta.

  4. Fuba cu bixo

    2 de Abril de 2021 as 21:38

    Estamos de volta a tempo do partido único da ditadura.
    A atual PJ é Gestapo da nova maioria chefiado pelo MLSTP.

  5. Matabala

    2 de Abril de 2021 as 22:36

    A ser verdade a Sra ministra acrescenta á sua incompetência a interferência política directa num caso que só diz respeito a justiça. Separação de poderes não diz nada a esta NM…Se é para ser entregue ao ministério público porque tem de ir para a PJ? O indivíduo já estava detido á guarda do estabelecimento prisional…nem os procedimentos mais básicos e elementares ao nível processual esta ministra consegue dominar….e mente, mente descaradamente sobre o que se passou em mais uma tentativa de abafar este caso.
    Em vez de demitir o director da PJ pois foi na sua instituição que se deu o homicídio e á mão dos seus homens, demite-se o director da cadeia. Andos sempre em contra mão…

  6. Gregorio Furtado Amado

    2 de Abril de 2021 as 22:53

    Será que já havia indicações para eliminar-lhe naquela noite? A ditadura e o fascismo a consolidar. É o início daquilo que o chefe afirmou que não iria adimitir funcionários do Estado a maldizer do governo.

  7. Edi Viegas

    3 de Abril de 2021 as 6:34

    Se essas alegações forem verdadeiras, tanto a senhora Ministra da Justiça como a PJ devem ser rigorosamente responsabilizadas nos termos da lei.
    Provavelmente seja só uma peça de teatro para divertir os mais distraídos quando vêm com a essa brincadeirinha de abertura de inquéritos e tentam agora desviar a atenção das pessoas com a demissão de um profissional sério que é uma gota no oceano.
    O Lázaro Afonso sempre demonstrou ser um “servidor público” o que infelizmente não se vê muito por aí.

  8. Sem assunto

    3 de Abril de 2021 as 9:12

    Ivete sempre foi assim, burra, autoritária.
    Sabe se lá como safou um diploma de Psicologia na URSS.
    Foi para isto que lhe colocaram como ministra da justiça, para cumprir ordens dos eucaliptos e ignóbeis políticos que deambulam nesta república.
    O que será feito de seguida com a bendita ministrasinha?
    Haverá condições para para elas continuar no cargo?
    Jorge Bom Jesus, estás a nos sair um tremendo algoz, bom pau mandado, e autentico assina só, cuidado homem, esta m.da toda quando desabar de repente nem uma turminha na universidade vais ver, aonde já se viu, assinar este despacho, valha me meu Deus, aonde andas com a cabeça!
    Estaras a revelar o teu verdadeiro lado oculto?

  9. Isabel de Santiagi

    3 de Abril de 2021 as 9:15

    É um escândalo a mediocridade de desrespeito dessa ignoraste senhora e a inépcia de um Primeiro Ministro marioneta de cervejeira.
    Shame on you.
    Arrependo me de morte tê-lo ajudado. Não mereço o respeito internacional Proque não se faz justiça a matar. TENHA VERGONHA E DEMITAM-se

  10. Daisy Lima

    3 de Abril de 2021 as 14:34

    Já nem sei em que Estado nós estamos porque Estado de Direito,este não é… Os senhores e senhoras denominados de políticos, aqueles que supostamente deveriam zelar para que os direitos dos cidadãos fossem salvaguardados são os primeiros a violá-los.Dia após dia o povo santomense tem assistido passivamente a violação de inúmeros direitos, a abuso do poder por parte dos representantes do Estado ou mesmo por parte desses “Zés ninguém” que caíram lá de paraquedas, sem contudo ter a iniciativa de reagirem seriamente. Que os senhores da PJ ou da polícia torturam os detidos é de conhecimento geral… Quem já foi responsabilizado criminalmente por isso? Independente do crime que o moço cometeu ele era uma pessoa e como pessoa a lei supostamente assegura-lhe certos direitos. Direitos que não foram respeitados… E agora demitem o Director dos serviços prisionais por ele ter falado? Tenham vergonha!!! Onde está a liberdade de expressão???

  11. SEMPRE AMIGO

    3 de Abril de 2021 as 19:07

    MEUS AMIGOS SANTOMENSES!Quando escrevo SANTOMENSES,refiro-me aos naturais dos distritos de Água Grande,MéZochi,Cantagalo,Lobata,Lembá,Cauê e da região autónoma de Principe.Fazem também parte da família santomense,com os mesmos direitos e iguais deveres, os cabo-verdianos,angolanos,moçambicanos,guineenses,que,durante décadas,submétidos ao trabalho escravo nas roças coloniais, foram agentes activos no longo processo da nossa luta de libertação, culminada com o 12 de Julho de 1975.Eu acho que se escolheu para o nosso país(SÃO TOMÉ E PRINCEPE),deveria ser de novo repensado, porque pode ir alimentando ideias pouco unificadoras.Não é segredo para ninguém que já algum tempo STP vem estando mergulhando numa profunda crise estrutural agravada agora com a pandemia.A não ser gerida com a devida sabedoria a actual situação, podemos vir a conhecer, a breve trecho, perturbações sociais de envergadura tsunamica.Defendo por isso a necessidade absoluta de STP reconciliar-se com a sua diversidade, pressuposto fundamental para vencer os desafios do desenvolvimento.Não podemos continuar na via de ACERTOS DE CONTAS,o mais importante que recriminar o passado é resolver os problemas do presente e preparar o futuro.Porque há momentos na vida de uma Nação em que todas as energias devem confluir para uma única causa, um objectivo,um grande desígnio.Agravado com a pandemia, STP está vivendo agora este momento.É o momento em que os partidos políticos, sem abdicarem da sua identidade,devem ser estimulados a construir, sempre que necessário,os CONCENSOS reclamados pelo processo de desenvolvimento e de aprofundamento da democracia.Repito uma vez mais:o momento que o país atravessa,agravado pela pandemia, todas as nossas energias devem confluir para uma única causa:salvar o país da catástrofe anunciada.O momento exige do senhor Presidente da República incentivar os partidos políticos na sua missão de formadores da vontade política plural dos cidadãos e de mobilizadores das energias necessárias á realização dos objectivos nacionais.Na história recente de STP já tivemos dois momentos em que foi possível unir as diferenças e adiar as legítimas agendas pessoais. O PRIMEIRO:A luta pela independência,quando a Nação santamente levantou em uníssono para resgatar a sua identidade,assumir a sua autonomia enquanto comunidade e reclamar a soberania sobre o nosso território.O SEGUNDO:O segundo grande momento aconteceu 15 anos depois.Um movimento político e social impagável em prol de maior liberdade e democracia e que concretizou com as primeiras eleições pluralistas de Janeiro de 1991.Foram dois momentos paradigmáticos, dois momentos de que todos os sintomenses se orgulham.Foram momentos de rotura, conseguidos sem traumatismo excessivo, com dignidade.Estamos agora num terceiro momento.O momento de unir consensualmente as diferenças e adiar os confrontos políticos, as agendas pessoais.Só dessa forma estaremos em condições evitar o desastre.

  12. Povinho

    3 de Abril de 2021 as 20:21

    Vejam em que ponto chegamos. Essa ministra deveria voltar a universidade. Mas desta vez não poderia ser na antiga URSS, tinha que ser numa universidade mais actualizada. Agora podem comparar o mandato do Patrice com o do Jorge B. Jesus e me digam; onde é que está a diferença? A ordem sai do primeiro ministro a ministra da justiça. Esses dois já fizeram a justiça. Ou seja, na própria justiça do país nem sequer chegou alguma informação sobre o crime. Em que país estamos. Isto tudo não passa de uma feira de bananas. O shr PM demita-se mais a sua ministrazinha. O shr Afonso fez o trabalho de um verdadeiro compatriota e humano. Felicito-o pelo seu empenho e dedicação. Força meu camarada e nunca permaneça calado diante desses corruptos e ditadores incompetentes. Vamos numa só vós e limpar o nosso país dessas sujeiras. Isto é uma vergonha.

  13. Pascoal Carvalho

    3 de Abril de 2021 as 21:18

    normalmente os superiores hierárquicos dão ordem, ainda que de forma receosa.
    os subalternes devem acatar as sulicitaçõe3s superiores, passando a respetiva responsabilidade a estes, ainda que não concordando, devem respeitar e obedecer.

    • Lima

      13 de Abril de 2021 as 11:48

      Muito bem.Mais pensam que podem fazer ou dizer porque é a democracia.A democracia nao é anarquia.Saber respeitar as leis ,as regras que digem uma sociedade.Voce falou pouco e bem.

  14. Chacota

    4 de Abril de 2021 as 5:32

    Neste caso particular o governo acaba de dar tiro nos pés. Ao invés de demitir o director da PJ instituição cujos agentes toda gente sabe que matou o rapaz vem demitir o director da cadeia que entregou o indivíduo.
    A verdade veio de cima.
    Que governação mais atrapalhada, com interesses obscuros e inconfessáveis.
    Caro Lázaro fizeste bem em dizer a verdade.
    Hão de pagar muito caro o que estão a fazer as pessoas.

    • boca pito

      5 de Abril de 2021 as 16:09

      Meus caros,
      Bom dia.

      Alguns de vós que não sabem nada da Administração Pública, devem se informar primeiro, consultar um pouco as leis da República (a Constituição Política, a Lei Laboral – Estatuto da Função Pública -, terem a noção dos postulados do Código Penal e Código Processual Penal) e só depois vêm cá falar algo de interesse que se possa ler, embora com alguns erros graves de ortografia e de concordância gramatical.
      Primeiro, para dizer que devem deixar esse blá blá, que PJ matou o jovem:Porque isso não é a conclusão dos inquéritos mandados instaurar e não consta do Relatório Final destes inquéritos, ok? Aliás, eles ainda não terminaram.
      Em segundo lugar, quero dizer-vos que a exoneração do Lázaro Afonso foi uma medida administrativa muito bem tomada, porque a pesar dos pesar, São Tomé e Príncipe não deixa de ser um Estado soberano reconhecido internacionalmente e pelas nações Unidas: Isto para dizer que, um dirigente não deve fazer as declarações que ele fez nos órgãos de comunicação social como ele fez, não quer com isto dizer que ele deve mentir para agradar a gregos e troianos.Nada disto.Se repararem, viram como o Dr. Agostinho Fernandes e Salvador Ramos foram afastados do Governo de ADI? Com muita elegância. Isto é que é ser homem de Estado.
      E para terminar, alguns andam aí a dizer que a Maribel R. teria sido demitada da PJ. Quem vos disse isso? Ou vcs são “búzios”!? Ouviram essa comunicação a partir de que fonte? Acho que muitos querem ser jornalistas. Para isso não basta querer, é preciso ter competências para tal.
      Fui, uma boa semana.

  15. Carlos Jorge

    4 de Abril de 2021 as 8:28

    Bom dia,
    Não sejam piegas…
    o país está muito bem e vai continuar assim por bastante tempo
    Santa Páscoa

    • Sem assunto

      4 de Abril de 2021 as 15:05

      Vai para os diabos Carlos Jorge.
      Ou estás bêbado, alcoolizado, sob efeito de substâncias psicotrópricas, ou és um dos que beneficia desta desorganização em forma de governo.
      Digo te,vieste aqui gozar contigo mesmo.
      Esta m.da está boa, deves estar a ter alucinações.

  16. SEMPRE AMIGO

    4 de Abril de 2021 as 9:09

    Correção:Em vez de…um movimento político e social IMPAGAVEL….deve´ser…..IMPARÁVEL. OBRIGADO!

  17. Matrusso

    4 de Abril de 2021 as 21:56

    Alguem pode me explicar como um individo criminoso foragido com um processo ainda preliminar na fase de investigaçâo foi parar a cadeia quase 24h para depois ser interrogado?
    E o que teria acontecido durante o tempo que ficou na cadeia com outros reclusos?

  18. Original

    5 de Abril de 2021 as 8:27

    O Afonso também não é uma flor que se cheira;para isto acontecer é porque foi a gota de água no copo e só estavam a espera do momento próprio.Este Sr,de relações humanas não tem nada porque é um autoritário e governava cadeia como se fosse sua casa e em condições normal não deveria dar esta entrevista porque mesmo se tivesse razão,força militar e paramilitar tem suas normas própria e colocou na boca das pessoas que PJ é que matou o indivíduo o que é mau para alguém com tamanha responsabilidade.Desta vez o JB esteve bem e mesmo se fosse outro 1º Ministro,ele não tinha hipótese nesta situação e não vale a pena o Afonso estar a ladrar para ganhar simpatia e adeptos porque só está a complicar a sua situação.

  19. António cunha dos santos

    5 de Abril de 2021 as 8:46

    Lazaro Afonso. Grande homem. Podem dizer tudo.
    Vão sentir falta dele. Os apoios a Camara Distrital de Agua Grande, para por a cidade e o Cemitério em dia? Como será?
    Se cometerem o erro de colocarem qualquer um ou uma, só por filiação politica, estão tramados.

  20. Alex Pedro

    5 de Abril de 2021 as 12:32

    Sem assunto,
    Tem calma que o país está a ser governado por gente da terra. Hoje existe liberdade que no passado estava em perigo e para nós, isso é muito mais importante que tudo o resto. Os actuais governantes conhece-nos bem e sabem o que queremos, dinheiro, sexo e álcool a vontade, música e novelas.

    O país está muito bem!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo